Qual a chance de cada campeão olímpico triunfar em seu clube?

A seleção masculina de futebol conquistou, ao derrotar a Espanha no sábado (7) em Yokohama, o bicampeonato nas Olimpíadas.

Os principais destaques da campanha em solo japonês foram Richarlison e Matheus Cunha, com respectivamente cinco e três gols marcados, além do também atacante Malcom, autor do gol que rendeu o ouro.

Medalha dourada no peito, qual a chance de eles triunfarem na temporada que está começando em alguns países, em vias de começar em outros e em andamento na América do Sul?

E os demais integrantes da seleção olímpica? Há possibilidade real de erguerem um troféu nos próximos meses ou a equipe que cada um defende está longe de ser favorita?

Eis a situação de cada um, dos 11 titulares aos 11 reservas da seleção olímpica.

O goleiro Santos, do Athletico-PR, salta para defender cobrança na disputa de pênaltis contra o México na semifinal das Olimpíadas (Mike Segar – 3.ago.2021/Reuters)

Santos

Goleiro titular. O Athletico-PR participa de três competições. Está em sexto lugar no Campeonato Brasileiro, a 11 pontos do líder (Atlético-MG). Na Copa do Brasil e na Copa Sul-Americana, disputará as quartas de final. Enfrentará Santos, na primeira, e LDU (Equador), na segunda.

Daniel Alves

Lateral direito titular. O São Paulo está em três campeonatos. No Brasileiro, vai mal. Em 16º, luta contra o rebaixamento. Na Libertadores, tem um duelo dificílimo nas quartas de final (Palmeiras). Na Copa do Brasil, também nas quartas de final, o adversário é o Fortaleza, terceiro colocado no Brasileiro, que no sábado ganhou do Palmeiras no Allianz Parque.

Nino

Zagueiro titular. O Fluminense disputa o Brasileiro e as quartas de final de Libertadores e Copa do Brasil. Não é favorito no campeonato nacional, no qual ocupa a 13ª colocação. Os confrontos nos mata-matas são difíceis, especialmente o da Copa do Brasil (Atlético-MG, líder do Brasileiro). Na competição continental, o oponente é o Barcelona (Equador).

Diego Carlos

Zagueiro titular. Defende o Sevilla (Espanha), que não é campeão espanhol desde 1945/46. Na Liga dos Campeões da Europa (Champions) e na Copa do Rei, jogará como azarão, especialmente na primeira.

Guilherme Arana

Lateral esquerdo titular. O Atlético-MG está muito forte atualmente. Lidera o Brasileiro, dois pontos à frente do Palmeiras, e é favorito contra o Fluminense nas quartas de final da Copa do Brasil. Na Libertadores, o rival nessa mesma fase é indigesto: o argentino River Plate.

Douglas Luiz

Volante titular. Defende o Aston Villa (Inglaterra). Perdeu na semana passada seu melhor jogador (Grealish, vendido ao Manchester City) e será surpresa se conseguir qualquer título. É time para meio de tabela na Premier League, e não está em torneios internacionais. Nos nacionais (Copa da Inglaterra e Copa da Liga Inglesa), não é campeão desde 1996 (Copa da Liga).

Bruno Guimarães

Volante titular. Defende o Lyon (França). Ganhar o Campeonato Francês, ou mesmo uma Copa nacional, tendo o poderosíssimo Paris Saint-Germain (de Neymar e talvez de Messi) participando, é tarefa inglória, porém não impossível –neste ano, o Lille surpreendeu e ganhou a Ligue 1, e o Lyon perdeu só na disputa de pênaltis para o PSG a Copa da Liga. Disputará também a Liga Europa, segundo torneio em importância no velho continente.

Claudinho

Meia titular. Acaba de trocar o Bragantino pelo russo Zenit, onde será companheiro de Malcom. O clube de São Petersburgo lidera o Campeonato Russo, do qual é o atual tricampeão, com três vitórias em três partidas. O time sempre é bem cotado para ganhar a Copa local –nos últimos anos, a venceu em 2016 e em 2020–, porém deve ser figurante na Champions League.

Anthony

Atacante titular. O Ajax é o atual bicampeão nacional e, junto com o PSV, a maior força do futebol holandês. A equipe conquistou as duas edições mais recentes da Copa da Holanda. Na Champions League, devido à força dos oponentes de ligas mais fortes (Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha e França), o título é improvável.

Matheus Cunha

Atacante titular. Defende o Hertha Berlin (Alemanha). A temporada promete ser de seca. O time da capital lutou contra o rebaixamento na Bundesliga mais recente –não é campeão desde 1931–, jamais ganhou a Copa da Alemanha e não disputará torneios internacionais. Uma transferência de clube parece ser o melhor caminho para Matheus Cunha.

Richarlison

Atacante titular. Defende o Everton (Inglaterra). Situação similar à de Douglas Luiz. O time azul de Liverpool deve ficar em posição intermediária na Premier League, lutando talvez por vaga em competição europeia (não a Champions, mas a Liga Europa ou a novata Liga Conferência). O clube não é campeão desde 1995, quando ganhou a Copa da Inglaterra e a Supercopa da Inglaterra.

Brenno

Goleiro reserva. O Grêmio faz um péssimo Brasileiro –é o penúltimo colocado–  e nas quartas de final da Copa do Brasil terá uma pedreira: o Flamengo.

Lucão

Goleiro reserva. Tem a concorrência do experiente Vanderlei pela vaga de titular no Vasco. O time carioca está em um modesto sétimo lugar na Série B do Brasileiro e já foi eliminado da Copa do Brasil.

Bruno Fuchs

Zagueiro reserva. Defende o CSKA (Rússia). O time é uma das forças de Moscou, junto com o Lokomotiv e o Spartak, porém ficou apenas em sexto em 2020/21 e começou mal o atual Campeonato Russo, com uma vitórias e duas derrotas, já vendo o Zenit distante na tabela. Ergueu o troféu pela última vez em 2016; na Copa local, não vence desde 2013.

Ricardo Graça

Zagueiro reserva. Mesma situação do goleiro Lucão no Vasco da Gama.

Abner

Lateral esquerdo reserva. Mesma situação do goleiro Santos no Athletico Paranaense.

Gabriel Menino

Volante/lateral direito reserva. O Palmeiras tem um dos melhores elencos do Brasil e está em segundo no Brasileiro, atrás somente do Atlético-MG. Já foi eliminado da Copa do Brasil, e nas quartas de final da Libertadores fará o clássico com o São Paulo.

Matheus Henrique

Meio-campista reserva. Está em vias de deixar o Grêmio para atuar pelo Sassuolo (Itália). O time, que tem só dois títulos em sua história (o da Série B do Italiano, em 2013, e a Supercopa da Série C, em 2008), chegou em oitavo lugar na Série A (primeira divisão) nas duas temporadas mais recentes e brigará por vaga em competição europeia. Caso a negociação fracasse, viverá a mesma situação do goleiro Brenno no tricolor gaúcho.

Reinier

Meia-atacante reserva. Defende o Borussia Dortmund (Alemanha), emprestado pelo Real Madrid. Atual campeão da Copa da Alemanha, o time é um dos candidatos ao título do Campeonato Alemão, o qual venceu pela última vez em 2012. O problema é ter a concorrência do Bayern de Munique, que ganha sempre desde 2013. Os dois clubes se enfrentarão no dia 17 deste mês pelo título da Supercopa da Alemanha. O Dortmund também disputará, sem favoritismo, a Champions League.

Malcom

Atacante reserva. Mesma situação do meia Claudinho no Zenit, da Rússia.

Paulinho

Atacante reserva. Defende o Bayer Leverkusen (Alemanha). A equipe terminou a Bundesliga 2020/21 em sexto lugar, muito distante (26 pontos) do campeão, o Bayern. A colocação assegurou uma vaga na Liga Europa, mas será uma enorme surpresa se o Leverkusen vencê-la. Na Copa da Alemanha, um único título, em 1993.

Gabriel Martinelli

Atacante reserva. Defende o Arsenal (Inglaterra). Um dos grandes ingleses, o time londrino decepcionou na última Premier League, na qual ficou na oitava posição, não se classificando para nenhuma competição europeia. As esperanças maiores de título estão depositadas nas Copas, a da Inglaterra e a da Liga Inglesa.

Gabriel Martinelli, jogador do Arsenal, em ação contra o México na semifinal dos Jogos Olímpicos de Tóquio (Mike Segar – 3.ago.2021/Reuters)

Em resumo, as melhores chances de ser campeão a curto ou médio prazo, considerando o retrato atual dos campeonatos e das equipes, pertencem a Guilherme Arana (Atlético-MG), Gabriel Menino (Palmeiras), Claudinho, Malcom (ambos Zenit) e Anthony (Ajax).

E as piores são de Matheus Cunha (Hertha Berlin), Douglas Luiz (Aston Villa), Richarlison (Everton), Paulinho (Bayer Leverkusen) e Lucão (Vasco).

*

Em tempo: André Jardine, o treinador campeão nos Jogos Olímpicos no Japão, não tem vínculo com nenhum clube e definirá seu rumo depois de conversar com a direção da Confederação Brasileira de Futebol.