Camisa da Ucrânia para a Eurocopa causa irritação na Rússia

Duas das repúblicas que pertenciam à finada URSS (1922-1991), Ucrânia e Rússia ampliaram as tensões geopolíticas entre elas por uma razão futebolística.

Às vésperas da Eurocopa, mais importante competição da Europa entre seleções, que começa nesta sexta (11) –com um ano de atraso devido à pandemia de Covid–, a Ucrânia apresentou o uniforme com que irá a campo.

Na cor da camisa, nenhuma novidade: o tradicional amarelo, que lembra na tonalidade mais a vestimenta da Suécia do que a do Brasil.

Porém um detalhe no design deixou os russos indignados e/ou irritados. No centro da parte da frente da camisa, em torno do escudo da federação do país, há o mapa da Ucrânia.

E esse mapa inclui a Crimeia, província no território ucraniano, na parte meridional, que foi anexada em 2014 pela Rússia, cujas tropas militares ocupavam a região.

Isso ocorreu por meio de um referendo, no qual a população da Crimeia, de cerca de 2 milhões de habitantes, majoritariamente concordou com o que seus residentes chamam de unificação à Rússia.

O governo ucraniano, entretanto, jamais concordou com o ocorrido, e a ONU (Organização das Nações Unidas) concorda, pois considera o referendo ilegal por ter descumprido resolução constante da Assembleia Geral da entidade.

Desse modo, a maior parte da comunidade internacional considera a Crimeia um território ucraniano sob ocupação do regime de Vladimir Putin.

Nesse contexto, o lançamento da camisa da seleção da Ucrânia contendo a Crimeia gerou enorme animosidade com o Kremlin.

Quem a apresentou, no domingo (6), foi o presidente da Federação Ucraniana de Futebol, Andrii Pavelko.

Em rede social, o presidente da Federação Ucraniana de Futebol publicou mapa da Ucrânia ilustrado com jogadores da seleção e contendo o espaço reservado à Crimeia (Andrii Pavelko no Facebook)

“Acreditamos que o mapa da Ucrânia dará força aos jogadores, que irão lutar por toda a Ucrânia”, disse o dirigente em rede social. “Toda a Ucrânia, de Sebastopol e Simferopol a Kiev [capital do país], de Donetsk e Luhansk a Uzhhorod, os apoiará.”

Das seis cidades citadas por Pavelko, duas localizam-se na Crimeia: Sebastopol e Simferopol, que é a capital da península.

O deputado russo Dmitri Svishchev considerou, segundo a agência russa de notícias Ria, o desenho na camisa uma “provocação política”, acrescentando ser ilegal mostrar um mapa da Ucrânia “que inclui o território russo”.

Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, indo além do descontentamento com o mapa, mencionou, nas redes sociais, os dois slogans que constam no uniforme (“Glória à Ucrânia!” e “Glória aos heróis!”). De acordo com ela, eles ecoam grito de guerra da Alemanha nazista.

Ciente ou não do estresse resultante do fato, a Uefa, organizadora da Eurocopa, avalizou a nova camisa da Ucrânia, aprovando-a para uso no torneio.

Nesse cenário de tensão, menos mal que os rivais não se encontrarão tão logo na Euro. Caso avancem em suas chaves, a primeira chance de duelo é nas quartas de final.

A Rússia está no Grupo B, ao lado de Bélgica, Dinamarca e Finlândia, e a Ucrânia, no C, junto com Áustria, Holanda e Macedônia do Norte.

Os russos estreiam no sábado (12), contra os belgas, em São Petersburgo. Os ucranianos jogam um dia depois, em Amsterdã, diante dos holandeses.