EUA e México convocam o mesmo jogador para Pré-Olímpico

Tão logo um jogador ganha cartaz no futebol, sendo ele de tenra idade –adolescente, pré-adolescente ou ainda nem isso–, geralmente passa a ser chamado de joia.

João Félix, de 21 anos, que atua no Atlético de Madrid, já foi uma “joia portuguesa”. Mikel Oyarzabal, 23, da Real Sociedad, uma “joia espanhola”. Pedrinho, 22, ex-Corinthians, hoje no Benfica, uma “joia brasileira”.

No caso dos jogadores de futebol, o termo joia, para substantivá-los, é usado com a seguinte acepção: “pedra preciosa de grande valor”. Ou seja, um talento que pode render muitos dividendos esportivos (e financeiros) a quem o possuir.

Uma das joias do momento atende pelo nome de Efraín Álvarez.

Ele está na berlinda porque foi convocado tanto por México como por EUA para defender a seleção de cada país no Pré-Olímpico para a Olimpíada de Tóquio.

Nascido em Los Angeles, o meia-atacante é filho de mexicanos, o que lhe dá dupla nacionalidade e a possibilidade de escolher por qual país atuar.

Canhoto, Álvarez tem 18 anos e atua desde 2016 no Los Angeles Galaxy, uma das equipes mais famosas dos Estados Unidos, pela qual já jogaram David Beckham, Zlatan Ibrahimovic, Steven Gerrard e Landon Donovan.

Álvarez ao lado do sueco Ibrahimovic em jogo do Los Angeles Galaxy em abril de 2020 (Reprodução/Instagram de Efraín Álvarez)

Nas categorias de base, ele atuou tanto pelos EUA como pelo México, que tem sido sua opção desde 2017 –disputou com a camisa verde a Copa do Mundo sub-17, em 2019, conquistando o vice-campeonato.

Álvarez não é um artilheiro. Em 16 partidas na mais recente Major League Soccer (o campeonato norte-americano), só fez um gol. Porém a habilidade com a perna esquerda, a agilidade, a criatividade e a boa visão de jogo o tornam bastante valorizado.

Tanto que ele terá que fazer essa escolha: defender México ou EUA no qualificatório para os Jogos Olímpicos?

Já está havendo certamente uma disputa acirrada nos bastidores entre as duas federações de futebol. Cada uma tentará convencer a joia a ornamentar suas respectivas cores.

O treinador da seleção principal estadunidense, Gregg Berhalter, já indicou que pretende contar com camisa 26 do LA Galaxy. Em dezembro, ele incluiu o angeleno na convocação para amistoso contra El Salvador.

Enquanto se trata de seleções de base, ou da seleção olímpica (sub-23), Álvarez pode tomar a decisão que achar mais conveniente, seja pela afinidade com os companheiros, seja pelo desejo familiar, seja pelas perspectivas de sucesso.

A tendência é que Álvarez opte pela seleção mexicana agora, conforme querem seus pais, deixando para decidir mais à frente a escolha definitiva por EUA ou México.

 

Pelas regras da Fifa, ele tem até os 21 anos para fazer essa opção, desde que jogue o máximo de duas partidas oficiais pela seleção adulta. Caso jogue três, ficará automaticamente vinculado a esse país.

Por enquanto, Álvarez não esteve em campo pela equipe principal nem do México nem dos EUA.

O Pré-Olímpico da Concacaf (Américas do Norte e Central e Caribe) será realizado no México, de 18 a 31 de março. Oito seleções disputarão duas vagas para competir no Japão em julho.