Lazio contrata treinadora e a esposa dela como assistente

Clube de tradição na Itália, a Lazio tem a má fama de possuir uma torcida –ou pelo menos parte dela– racista e misógina.

Gritos racistas de torcedores já renderam punição da Uefa, a entidade que rege o futebol na Europa, à agremiação romana.

Em relação ao sexismo, torcedores organizados, da ala mais fanática, proibiram em 2018 que mulheres frequentassem as primeiras filas do espaço que eles, homens, ocupavam no Estádio Olímpico.

Não raro, pessoas com esse tipo de comportamento também têm pensamentos xenófobos, homofóbicos e transfóbicos, que podem se materializar em ações odiosas contra pessoas desses grupos.

Pois a direção da Lazio deu um passo relevante para firmar posição contrária a pelo menos um desses preconceitos, a homofobia.

Dez dias atrás, anunciou a contratação, para comandar a equipe feminina, da treinadora Carolina Morace, de 57 anos, uma das melhores atacantes da história da Itália, tendo atuado pela Squadra Azzurra por 20 anos (de 1978 a 1997), marcando mais de cem gols.

Até aí, nenhuma novidade, não é mais incomum uma mulher comandar um time de futebol feminino –a raridade é uma mulher dirigir uma equipe masculina.

A novidade é esta: como braço direito, Morace terá uma mulher. Que para ela não é uma simples mulher, e sim uma mulher especial.

Sua assistente, Nicola Jane Williams, australiana nascida na Inglaterra, ex-jogadora como ela, é também sua esposa.

Elas se casaram em outubro do ano passado, com cerimônias na Inglaterra (no SS Great Britain, um navio famoso) e na Austrália.

Com essa parceria, a Lazio mostra que, diferentemente da mentalidade de vários de seus torcedores, não se opõe a relacionamentos homossexuais.

Além disso, de quebra, derruba outro tabu, o da diferença de idade entre casais, algo ainda malvisto por parte da sociedade. Nicola Jane tem 38 anos, ou quase 20 a menos que sua cônjuge.

Questionada em sua apresentação, no dia 2, sobre o fato de trabalhar no dia a dia bem próxima à esposa, Morace declarou que ambas estão comprometidas com o profissionalismo.

Morace substitui um homem, Ashraf Seleman, que deixou o time na quarta posição da segunda divisão do Campeonato Italiano –os dois primeiros sobem para a Série A.

No domingo (7), Morace estreou com um empate amargo por 1 a 1, fora de casa, diante do Cittadella, pois a Lazio tomou o gol no final. Mas não se abalou: “Acontece no futebol. Os resultados virão, estou convicta”.

Com o auxílio de sua esposa, ela tem mais 13 partidas para fazer sua convicção virar realidade.