Chelsea alega expectativas não atingidas e demite ícone do clube

Incontestavelmente um dos maiores ídolos da história do Chelsea, Frank Lampard não é mais o treinador do time londrino.

Em comunicado emitido nesta segunda (25), o clube, cujo dono é o bilionário russo Roman Abramovich, informou a respeito do encerramento, antes do fim, do contrato com o técnico de 42 anos.

A decisão, diz o texto, foi “difícil”.

“Nunca é bom romper com uma lenda do clube, como é o caso de Frank, mas despois de muita deliberação decidiu-se que uma mudança é necessária agora para dar tempo ao clube de melhorar seu desempenho e seus resultados nesta temporada.”

A dispensa de Lampard ocorre um dia depois de o Chelsea derrotar por 3 a 1 o Luton Town e se classificar para as oitavas de final da Copa da Inglaterra.

Com o treinador, a equipe também se classificou na fase de grupos da Champions League, a Liga dos Campeões da Europa, ficando em primeiro lugar em sua chave. No mata-mata, duelará com o Atlético de Madrid.

Com esse histórico, o Chelsea mostra que a razão da saída de Lampard é o Campeonato Inglês, no qual o clube ocupa a nona colocação (entre 20 equipes), com 29 pontos, 11 atrás do Manchester United, que está no topo da tabela.

A queda de rendimento na Premier League (nas cinco partidas mais recentes, só uma vitória) é de fato apontada como justificativa.

“Os resultados e as performances recentes não foram ao encontro das expectativas, deixando o clube no meio da tabela, sem nenhum caminho claro de melhoria”.

O atacante Timo Werner, que brilhava no Leipzig, teve atuações decepcionantes sob o comando de Lampard no Chelsea (John Sibley – 24.jan.2021/Reuters)

Sob a direção de Lampard, duas das principais contratações do Chelsea para a temporada 2020/21, os alemães Timo Werner (atacante) e Kai Havertz (meia), não renderam o esperado.

O técnico não conseguiu formar um time-base, e as trocas constantes, principalmente no meio-campo e no ataque, evitaram o desenvolvimento do entrosamento.

Lesões de jogadores importantes, como o norte-americano Pulisic e o marroquino Ziyech, também não ajudaram.

A falta de um padrão de jogo era evidente.

O Chelsea até vencia ou não perdia –foram 17 jogos de invencibilidade, do final de setembro até o começo de dezembro–, mas não convencia. Os defeitos suplantavam as qualidades.

Contratado em julho de 2019, Lampard tinha contrato até o fim de junho de 2022 e ganhava cerca de £ 4 milhões (quase R$ 30 milhões) por ano. Thomas Tuchel, alemão demitido recentemente pelo Paris Saint-Germain, é o mais cotado para substituí-lo.

Quando jogador, Lampard foi um meia talentosíssimo, de técnica elevada e grande vigor físico. Marcava e atacava com eficiência, e fazia gols com frequência.

Defendeu a seleção da Inglaterra por 15 anos e esteve em três Copas do Mundo (2006, 2010 e 2014).

No Chelsea, ganhou uma Champions League (2012), três Premier League (2005, 2006 e 2010) e uma Liga Europa (2013), entre outros títulos –14 no total.

É também o maior artilheiro da história do clube, com 211 gols.