Vinicius Júnior e a escolha, sem hesitação, entre Barcelona e Real Madrid

O ex-flamenguista Vinicius Júnior vive atualmente uma boa fase na carreira.

Boa a ponto de ter sido convocado para a seleção brasileira que jogará pelas eliminatórias da Copa de 2022 neste mês (contra Venezuela e Uruguai), decorrência de estar sendo utilizado com frequência no time titular do Real Madrid e ter feito apresentações convincentes.

O Real Madrid que ele escolheu selecionar como seu clube para atuar na Europa, desprezando naquele momento a opção pelo arquirrival Barcelona, que ele também tinha e no qual jogava à época seu ídolo no futebol, Neymar.

Com pinta de astro, apesar de ainda não o ser, o atacante de 20 anos, que agora quer ser chamado de Vini Jr. –e o novo nome já “pegou”–, relembrou o episódio, marcante em sua vida, no terceiro capítulo da série “Vini for Real” (intitulado “A escolha”), que ele veicula em seu Instagram.

O título tem duplo significado. Pode ser tanto “Vini para valer” como “Vini para o Real” –Real de Real Madrid.

“A gente teve que decidir em pouco tempo”, afirmou Vinicius Júnior, relembrando que seus pais viajaram à Espanha, primeiro a Barcelona e depois a Madri, no começo de 2017, quando ele tinha acabado de disputar o Sul-Americano sub-17 pela seleção brasileira.

Nessa competição, no Chile, o Brasil conquistou o título, e Vinicius Júnior foi o artilheiro, com sete gols, e também eleito o melhor jogador.

“O Fred me liga e fala ‘ó, você tem que falar com o Vini, chegou a hora e ele tem que tomar uma decisão’”, conta Lucas Mineiro, um dos agentes do jogador. Fred é Frederico Pena, outro representante do atleta.

“Ele [Vinicius Júnior] me manda uma mensagem”, prossegue Mineiro, “e ela é curta e grossa, bem clara: ‘Vamos pro maior do mundo, o Real’.”

A opção gerou descrença em alguns dos amigos, caso de Menegate. “O Barcelona, cara, tem que ir pro Barcelona”, aconselhou o “parça”, que ouviu como retruque: “O Real é ‘o’ time”.

Vini Jr. detalhou sua escolha, que não pareceu ser difícil: “É o maior time do mundo, tem mais títulos que todo o mundo, sempre acompanhei o Real Madrid”.

De acordo com Vinicius pai, o filho era torcedor do maior vencedor da Champions League (tem 13 troféus) e do Campeonato Espanhol (34 títulos), o que influenciou na decisão.

No episódio no Instagram, Vini Jr. relata que quando criança via Ronaldo Nazário (campeão nas Copas do Mundo de 1994 e 2002) atuar pelo Real, e que o artilheiro o encantou com seus gols e o fez passar a acompanhar todas as partidas da equipe merengue.

O camisa 20 do Real, que afirma assistir a vídeos com os gols do Fenômeno, diz que o que mais o impressiona nele são as arrancadas (“tinha uma força incrível”) e os gols.

Na apresentação de Vinicius Júnior no Real Madrid, Ronaldo Fenômeno tira uma selfie (Susana Vera – 20.jul.2018/Reuters)

De Ronaldo, ele pode dizer que já possui as arrancadas: é bastante veloz e tem controle de bola muito bom quando corre com ela.

Faltam, porém, os gols.

A finalização é certamente sua maior deficiência, e para se tornar um jogador de primeiríssima linha, estar entre os melhores desta década, Vini Jr. precisa se capacitar mais, e logo, nesse fundamento.