Cristiano Ronaldo, 100, ruma para o recorde de Ali Daei

Cristiano Ronaldo, a máquina de fazer gols, chegou nesta terça (8) aos cem gols pela seleção de seu país, Portugal.

O atacante atingiu a marca aos 44 minutos e 54 segundos do primeiro tempo da partida contra a Suécia, pela liga das Nações, na cidade de Solna.

Cobrou com perfeição uma falta, um chute colocado que encobriu a barreira de cinco jogadores, no ângulo, sem chance de defesa para o goleiro Olsen.

Festejou com os companheiros, sem saber a reação do público, pois, devido à pandemia de coronavírus, a Arena dos Amigos não recebeu torcedores.

No segundo tempo, o CR7 ainda faria mais um, para sacramentar o triunfo (2 a 0) e registrar seu 101º gol com a camisa lusa.

Cristiano Ronaldo tornou-se apenas o segundo jogador a anotar cem ou mais gols por uma seleção nacional. O outro é Ali Daei, hoje com 51 anos, que defendeu o Irã de 1993 a 2006.

Daei marcou seu gol 100 no dia 17 de novembro de 2004, na goleada por 7 a 0 sobre o Laos, em Teerã, pelas eliminatórias da Ásia para a Copa do Mundo de 2006. Ele tinha os mesmos 35 anos que Cristiano Ronaldo tem agora.

Capitão do Irã, Ali Daei festeja gol de seu país contra o México na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha (Ruben Sprich – 11.jun.2006/Reuters)

A idade, aliás, não tem sido uma barreira ao ímpeto goleador do português nascido na Ilha da Madeira.

Pela seleção lusa, ele fez ao menos um gol nos sete jogos mais recentes de que participou, em um total de 13. Não há sinal de decadência no desempenho do CR7.

No atual ritmo, de quase dois gols por partida, ele superará os 109 de Daei, chegando aos 110, ainda em 2020, já que Portugal tem ainda mais seis compromissos neste ano: quatro pela Liga das Nações (França, duas vezes, Suécia e Croácia) e dois amistosos (Espanha e Andorra).

A Suécia, vítima do centésimo gol, tornou-se também uma das vítimas preferida de Cristiano Ronaldo, que balançou as redes sete vezes contra os nórdicos, a mesma quantidade registrada diante da Lituânia.

“A marca dos 100, e depois o [gol] 101, com dois golaços… Estou muito feliz. Sinto-me contente de jogar neste lote de jogadores jovens e desfrutar o momento, tanto individual como coletivo, que é o mais importante. Consegui chegar aos cem gols e agora quero o recorde. Continuar passo a passo. Não estou obcecado, porque sei que os recordes acabam por chegar naturalmente”, declarou o capitão de Portugal depois da histórica partida.

Ao todo, 41 países levaram ao menos um gol do artilheiro –o Brasil, a quem o CR7 enfrentou três vezes, não é um deles.

Cristiano Ronaldo acumulou seus 101 gols em 165 partidas por Portugal, uma média de 0,61 por jogo. Daei fez 109 em 149 (0,73 gol de média).

Pelé é o maior artilheiro da seleção brasileira, com 77 gols em 92 partidas (média de 0,84), de acordo com a RSSSF, entidade que registra estatísticas futebolísticas.

Leia também: Pelé, perto dos 80, reafirma ser o melhor da história

Marcaram mais que Pelé, e menos que o CR7 e Daei, o malaio Mokhtar Dahari (86 gols em 131 jogos), a lenda húngara Ferenc Puskás (84 em 85), o zambiano Godfrey Chitalu (79 em 111) e o iraquiano Hussein Saeed (78 em 137).

Messi, o grande rival do português pelo título de melhor jogador deste início de século, tem 70 gols em 138 jogos pela Argentina.

Cristiano Ronaldo fez seu primeiro gol por Portugal no dia 12 de junho de 2004, no estádio do Porto, na derrota por 2 a 1 para a Grécia na Eurocopa. O técnico do time lusitano era Luiz Felipe Scolari.

Desde então, ele não passou um ano sem fazer gol por seu país. O mais profícuo foi 2019 (14 gols), e os menos rendosos, 2008 e 2009 (um gol em cada um).

Os gols de Cristiano Ronaldo ampliam a competitividade de Portugal, que quase sempre saiu de campo vencedor quando ele marcou, o que aconteceu em 66 confrontos.

Nesses, houve 55 triunfos lusos, cinco empates e seis derrotas –estas sempre por um único gol de diferença.

Leia também: Cristiano Ronaldo chega aos 700 gols; o milésimo é plausível?