Confusão em ilha grega afasta da seleção inglesa zagueiro mais caro do mundo

Harry Maguire é melhor do que o holandês Virgil van Dijk, do Liverpool? Não.

É melhor que o francês Aymeric Laporte, do Manchester City? Não.

É melhor que o espanhol Sergio Ramos, do Real Madrid? Não.

É melhor que os brasileiros Marquinhos, do PSG, e Thiago Silva, recém-contratado pelo Chelsea? Não e não.

Só quem acha isso é o Manchester United, que pagou pelo inglês, no ano passado, € 87 milhões (R$ 545,5 milhões pelo câmbio atual), fazendo dele o zagueiro mais caro do mundo.

É verdade que Maguire fez duas temporadas boas pelo Leicester, em 2017/18 e 2018/19, tanto que esteve na Copa do Mundo da Rússia e foi titular do English Team.

Porém em seu primeiro ano no Man United, que lhe deu a tarja de capitão, teve muitos altos e baixos, com vários momentos de instabilidade no combate aos atacantes rivais.

Alto (1,94 m) e bom cabeceador, Maguire, de 27 anos, é muito pesado. Seus 100 kg, que às vezes parecem ser mais, limitam sua impulsão e o tornam lento.

E lentidão é uma característica que não ajuda em nada um zagueiro que tem ou terá de enfrentar Agüero, Salah, Mané, Aubameyang, Gabriel Jesus, Vardy, Timo Werner, Richarlison e Sterling, entre outros, na Premier League.

O capitão do Manchester United, Harry Maguire, é advertido com cartão amarelo em jogo da Liga Europa contra o Copenhague (Wolfgang Rattay – 10.ago.2020/AFP)

Por alguma razão desconhecida, ele é peça fundamental para o técnico dos Diabos Vermelhos, Ole Solskjaer, e também para Gary Southgate, o comandante da seleção inglesa.

Só que o camisa 5 não irá defender a Inglaterra nas primeiras partidas da seleção depois da eclosão da pandemia de coronavírus, contra Islândia, neste sábado (5), e Dinamarca, na terça-feira (8), pela Liga das Nações.

Southgate chegou a convocá-lo, porém se viu forçado a cortá-lo horas depois, substituindo-o por Conor Coady, do Wolverhampton.

O motivo: Maguire recebeu no mesmo dia da convocação (terça retrasada) três condenações de um tribunal grego, com pena total de 21 meses de cadeia.

O jogador foi acusado, durante suas férias na paradisíaca ilha grega de Mykonos, de tentativa de suborno, agressão violenta e resistência à prisão.

Maguire encrencou-se ao, segundo relatos de jornais ingleses, ter tentado defender a irmã mais nova, Daisy, que o acompanhava em um bar, de dois albaneses que buscavam injetar uma substância dopante nela, que também teria sido esfaqueada no braço.

Isso na área externa do estabelecimento, ao qual o atleta, além da irmã, foi com o irmão (Joe), a noiva (Fern) e alguns amigos.

Maguire com a irmã, Daisy, que teria sido pivô da confusão na ilha grega de Mykonos (Reprodução/Instagram de Daisy Maguire)

Confusão criada, policiais à paisana intervieram, e uma versão dá conta de que Maguire, alcoolizado, confrontou as autoridades locais fisicamente.

Os policiais deram voz de prisão ao jogador, que teria resistido, tratado os interlocutores com palavrões e dito: “Vocês sabem quem eu sou? Sou o capitão do Manchester United. Sou riquíssimo. Posso dar dinheiro a vocês. Nos deixem ir”.

Mas ele acabou preso e levado a uma delegacia. Lá, foi colocado em uma cela, chorando. No julgamento, apesar de se declarar inocente, foi considerado culpado.

Os advogados de Maguire recorreram, e ele aguardará em liberdade uma nova audiência, sem data marcada ainda.

Maguire (de boné) deixa tribunal grego, onde foi condenado por três crimes, os quais ele nega (Eurokinissi – 22.ago.2020/AFP)

Em entrevista à BBC, o beque deu sua versão.

Disse que “definitivamente não estava bêbado”. Declarou ter sido vítima de agressão, e não o agressor. Negou ter tentado subornar alguma autoridade. E afirmou ter a consciência tranquila: “Sei exatamente o que aconteceu naquela noite”.

“Não agredi ninguém. Eu ajoelhei, coloquei as mãos para o alto. Algemaram uma das minhas mãos e bateram muito nas minhas pernas. Tive medo, temi por minha vida.”

“Disseram que minha carreira estava acabada: ‘Sem futebol. Você não jogará mais’. Naquele momento pensei que não havia chance de serem policiais. Então tentei correr, pensei que estivesse sendo sequestrado, e é daí que vem a acusação de resistência à prisão.”

O Manchester United prestou apoio ao seu capitão, que deve atuar normalmente pelo clube no Campeonato Inglês. O primeiro jogo da equipe é no dia 19, contra o Crystal Palace.