Derrota impede Liverpool de entrar para o Clube dos 100

O que é o Clube dos 100? Não é, até agora. Acabo de criar. Ou seja, agora é.

Fazem parte dele os times que terminaram uma temporada com 100 ou mais pontos em sua respectiva competição, desde que na elite de seu país (primeira divisão).

São pouquíssimos, e não será nesta temporada que ele ganhará um novo membro.

O Liverpool, campeão inglês por antecipação, tropeçou em três das últimas cinco rodadas da Premier League, com duas derrotas e um empate, e viu sua chance se esvair.

A queda por 2 a 1 diante do Arsenal, de virada, nesta quarta (15) em Londres, permite ao time dirigido por Jürgen Klopp, que tem no elenco os brasileiros Alisson (goleiro), Fabinho (volante) e Firmino (atacante), atingir no máximo 99 pontos, caso derrote Chelsea e Newcastle.

Quais equipes superaram a marca centenária em pontos?

Recorro ao site Goal, e a uma lembrança minha, para elencar quem integra o Clube dos 100.

O recordista é o Barry Town, do País de Gales, que acumulou 105 pontos em 40 partidas (33 vitórias, seis empates e uma derrota) na temporada 1996/1997.

Em 1997/1998, com um time a menos na competição (20 em vez de 21), foram 104 pontos (33 vitórias, cinco empates e nenhuma derrota).

Nessas duas ocasiões o Barry Town teve um técnico-jogador, o inglês Gary Barnett, que atuava no meio-campo.

Aliás, em rede social, o Barry Town fez uma provocação ao Liverpool, postando: “Chegar aos 100 pontos não é para qualquer um”.

Os outros clubes que alcançaram 100 ou mais pontos em um campeonato com 38 jogos são:

  • o escocês Celtic (103, em 2001/02), do técnico Martin O’Neill e cujo principal nome era o sueco Henrik Larsson;
  • a italiana Juventus (102, em 2013/14), do técnico Antonio Conte e de Buffon, Bonucci, Chiellini, Pogba, Pirlo, Vidal e Tevez;
  • o espanhol Real Madrid (100, em 2011/12), do técnico José Mourinho e de Casillas, Sergio Ramos, Marcelo, Özil, Kaká, Higuaín, Benzema e Cristiano Ronaldo;
  • o espanhol Barcelona (100, em 2012/13), do técnico Tito Vilanova (morto aos 45 anos, em 2014, de câncer) e de Daniel Alves, Piqué, Puyol, Mascherano, Fàbregas, Xavi, Iniesta e Messi;
  • o Manchester City (100, em 2017/18), do técnico Pep Guardiola e de Ederson, Kompany, Fernandinho, De Bruyne, David Silva, Sterling, Agüero e Gabriel Jesus.

A minha lembrança servirá para encerrar este texto e incluir um time brasileiro no Clube dos 100.

Em 2003, na primeira edição do Campeonato Brasileiro por pontos corridos, quando participaram 24 equipes, o título ficou com o Cruzeiro.

O time mineiro, sob a batuta de Vanderlei Luxemburgo à beira do campo e do craque Alex dentro dele, somou exatos 100 pontos em 46 partidas (31 vitórias, sete empates e oito derrotas).

O meia Alex (à dir.), craque do Cruzeiro campeão do Brasileiro de 2003, o primeiro da era dos pontos corridos (Reprodução/Site do Cruzeiro Esporte Clube)

Em tempo 1: Por que é quase impossível para um Bayern de Munique, na Alemanha, um Ajax ou um PSV, na Holanda, e um Porto ou um Benfica, em Portugal, atingir os 100 pontos nos campeonatos que disputam? Porque nesses países a primeira divisão conta com 18 equipes, e cada uma atua 34 vezes. Para entrar no Clube dos 100, é necessário ou ganhar todas as partidas ou vencer 33 e empatar uma. Improbabilíssimo.

Em tempo 2: Na França, que tem 20 clubes na elite, o Paris Saint-Germain, que passou a contar nesta década com um plantel com qualidade bem superior ao dos adversários, incluindo astros do nível de Neymar, Ibrahimovic, Thiago Silva, Di María, Cavani e Mbappé, chegou ao máximo de 96 pontos, na temporada 2015/2016.