Carrasco do Brasil em 2010 revela que a vodca foi seu melhor amigo

Algoz do Brasil há quase dez anos, na Copa do Mundo de 2010, o holandês Wesley Sneijder revelou ter tido sérios problemas com o álcool quando defendeu, na década passada, o Real Madrid.

“Não percebi que meu melhor amigo era a garrafa de vodca”, disse o ex-meia, segundo a revista holandesa Voetbal International, em sua autobiografia, que será lançada em breve.

No livro, Sneijder, que tinha um raro talento com a bola nos pés, conta que sucumbiu aos prazeres na noite da capital espanhola, o que lhe rendeu bebedeiras constantes e custou-lhe o casamento com sua primeira esposa, Ramona Streekstra.

“Acabei sugado por aquilo. Eu era jovem [23 anos], bem-sucedido e recebia todas as atenções de uma estrela do Real Madrid. Não consumia drogas, mas me embriagava e tinha uma vida no estilo rock’n’roll.”

“Tudo que eu fazia era acobertado [pelo clube], mesmo quando eu ficava totalmente bêbado, cambaleando pelas ruas e gastando milhares de euros em drinques em qualquer lugar.”

O jogador, que defendeu o Real Madrid de 2007 a 2009, tinha como principal companheiro nas baladas madrilenhas o volante Guti.

Foram 11 gols em 66 partidas e o título do Campeonato Espanhol em 2008, na primeira das duas temporadas na equipe merengue, que contava com nomes como Raúl, Cannavaro, Robben, Van Nistelrooy e os brasileiros Marcelo e Robinho.

O holandês Sneijder comemora gol pelo Real Madrid em partida contra o Murcia, 12 anos atrás (Andrea Comas – 13.abr.2008/Reuters)

Na Copa de 2010, quando já defendia a Inter de Milão, Sneijder fez os gols da vitória de virada (2 a 1) da Holanda que eliminou a seleção brasileira comandada por Dunga nas quartas de final.

No primeiro, apesar de a bola ter claramente desviado em Felipe Melo depois de um chute-cruzamento do camisa 10, a Fifa traz na súmula gol para o meia. No segundo, cabeceou, com seu 1,70 m, livre na pequena área, para as redes de Júlio César após escanteio.

Sneijder foi um dos destaques do Mundial da África do Sul. Seus cinco gols o fizeram coartilheiro da competição (ao lado do espanhol Villa, do uruguaio Forlán e do alemão Müller) e o elegeram o segundo melhor jogador da Copa, atrás de Forlán.

Na final, no entanto, ele não brilhou, e a Holanda perdeu de 1 a 0 para a Espanha, na prorrogação, gol de Iniesta.

Depois da Inter, Sneijder, que é cria do Ajax, atuou por Galatasaray (Turquia), Nice (França) e Al-Gharafa (Qatar) antes de se aposentar, na metade do ano passado.