Nomes para Sempre – Corona

O campeonato de Portugal foi o segundo, entre os principais da Europa, a reiniciar as atividades depois do isolamento causado pela pandemia de coronavírus –o primeiro foi o da Alemanha.

Aconteceu na metade da semana passada, e desde então as partidas têm sido realizadas sem a presença de torcedores, a fim de evitar aglomerações.

Para não sair da rotina, a disputa pelo título está entre Porto e Benfica. Desde 2003, um deles fica com o caneco (dez vezes o primeiro, sete vezes o segundo).

O Porto iniciou a retomada um ponto na frente da equipe de Lisboa (60 a 59), que é a atual campeã.

E quem se destacou nas duas partidas do time foi um jogador de nome Corona, o que o coloca, tendo acontecido logo depois dos sérios problemas sanitários causados pelo coronavírus, nas histórias inusitadas do futebol.

Os meios de comunicação e as autoridades governamentais não usam corona para se referir ao contagioso e letal vírus, porém as pessoas comumente o abreviam dessa forma: corona.

O atacante mexicano Jesús Corona marcou um gol em cada um desses jogos do Porto, dobrando a quantidade que registrara nas 24 aparições anteriores no Português.

No primeiro duelo, diante do Famalicão, Corona empatou, porém a equipe mandante marcou novamente e ganhou por 2 a 1. O Benfica, mesmo ficando no 0 a 0 com o Tondela, passou o arquirrival no saldo de gols.

Houve comentários nas redes sociais acerca da coincidência de o primeiro gol do Porto na primeira apresentação pós-quarentena ter sido feita por Corona. “Não haveria um roteiro melhor”, escreveu um, segundo o site Insider.

Na rodada seguinte, a mais recente, encerrada no sábado (13), Corona assegurou a volta do Porto à liderança.

O Benfica jogou mais cedo na quarta (10) e empatou (2 a 2) diante do Portimonense. Para se isolar na liderança, o Porto precisava derrotar em seu estádio, o do Dragão, o Marítimo.

E isso aconteceu com um gol de Corona, aos 6 minutos do primeiro tempo. Na celebração, nada de medo do outro corona. Abraços e perdigotos distribuídos à vontade entre os jogadores do Porto. No mínimo, imprudente.

Em Portugal, até agora a Covid-19 matou 1.517 pessoas –cinco delas neste domingo (14). O total de infectados é de 36.690.

O mexicano de 27 anos, que está no Porto desde 2015 e antes defendeu o Twente, da Holanda, desperta interesse do Chelsea, um dos grandes da Inglaterra, de acordo com seu empresário.

Corona esteve na Copa do Mundo de 2018, como reserva de sua seleção.

Entrou no decorrer dos jogos contra a Suécia (0 a 3) e Coreia do Sul (2 a 1), na primeira fase. Não atuou na eliminação diante do Brasil (0 a 2) nas oitavas de final.

Corona, cujo apelido é Tecatito, comemora gol pelo Porto, clube pelo qual atua há 5 anos (Reprodução/Instagram de Jesús Corona)

Apesar de seu sobrenome ser Corona, Jesús é chamado em seu país de Tecatito, apelido que surgiu à época em que defendia o Monterrey.

A explicação foi dada pelo próprio jogador em uma entrevista ao site do Porto.

“O Monterrey era patrocinado pela marca concorrente do meu sobrenome, Corona. Para não dizerem Corona ou Coronita passaram a chamar-me Tecatito, de Tecate. Começou assim, como uma brincadeira, mas pegou e ficou.”

Corona e Tecate são duas conhecidas e populares cervejas mexicanas.

Leia também: Nomes para sempre – Hardlife

Leia também: Nomes para sempre – Filigrana

Leia também: Nomes para sempre – Nelson Mandela