Mourinho se torna motorista em esforço contra o coronavírus

Um dos mais renomados treinadores deste século, o português José Mourinho se voluntariou para ser motorista como forma de contribuir com os esforços do Reino Unido em meio à pandemia de coronavírus.

Mourinho, que dirige o Tottenham, um dos grandes clubes de Londres (atual vice-campeão europeu), pilotará um dos furgões que levará alimentos do centro de treinamento da equipe até o estádio do time, que atualmente funciona como ponto de distribuição de comida.

“Há uma área em nosso CT que produz verduras e frutas para nosso restaurante”, declarou Mourinho em um vídeo em rede social. “Agora essa comida será destinada ao que mais precisam dela em nossa comunidade.”

“Empregarei meu tempo para fazer a colheita e levar os alimentos ao estádio para combatermos juntos esta pandemia”, acrescentou o técnico de 57 anos.

Chamado de “O Especial”, e muitas vezes arrogante e deselegante em suas declarações, Mourinho é um dos mais bem-sucedidos treinadores da história recente do futebol, rivalizando com Alex Ferguson, ex-Manchester United (já aposentado), e Pep Guardiola (ex-Barcelona, ex-Bayern, atual Manchester City).

O português, que antes do Tottenham treinou Porto, Chelsea, Inter de Milão, Real Madrid e Manchester United, amealhou, entre outros títulos, duas Champions League, três Campeonatos Ingleses, dois Campeonatos Italianos, um Campeonato Espanhol e dois Campeonatos Portugueses.

A incursão de Mourinho como motorista não é a primeira ação solidária dele durante a crise do coronavírus. Um mês atrás, ele visitou uma casa de repouso para doar itens de primeira necessidade a idosos em situação de pobreza.

O próximo passo do português, para valorizar ainda mais sua fase humanitária solidária, poderia ser fazer doações financeiras, como muitos no meio do futebol têm feito.

Um dos técnicos mais bem pagos do esporte, Mourinho ganha um salário mensal de £ 1,25 milhão (R$ 8,85 milhões), de acordo com o diário britânico Daily Express.