Volta de Neymar ao Barcelona passa por pedido de perdão, diz Messi

Neymar queria no ano passado sair do Paris Saint-Germain e voltar ao Barcelona. Não conseguiu, o clube francês não permitiu.

Mas Neymar não deixou de querer, muito pelo contrário. Não vê a hora.

Quem assegura isso é Lionel Messi, o maior astro da história da equipe espanhola e amigo de “Ney”.

“Ele está com muita vontade de voltar”, afirmou o camisa 10 em entrevista ao jornal catalão Mundo Deportivo.

Porém, sabedor de que a torcida guarda enorme mágoa do brasileiro, que deu as costas ao time azul e grená em 2017 para se tornar figura central no PSG, Messi afirma que Neymar deve desculpas.

“Esse seria o primeiro passo para tentar o regresso”, declarou o argentino, colega de Neymar na conquista da Liga do Campeões da Europa (Champions League) em 2015.

Messi dá entrevista aos jornalistas Cristina Cubero e Fernando Polo, do jornal Mundo Deportivo (Reprodução)

Questão: teria Neymar, aos 28 anos, humildade suficiente para pedir perdão ao clube e à torcida por tê-los abandonado há três anos?

Eu duvido.

Messi, que reconheceu ter ficado incomodado à época com o ato de Neymar, não. “Ele sempre se mostrou arrependido.”

Pode ser. Mas é válido ressaltar que, nas negociações frustradas de meses atrás para deixar a França e retornar à Espanha, em nenhum momento Neymar indicou, ao menos não abertamente, que se desculparia.

Até o meio do ano, é certo que Neymar ficará no PSG, que pagou ao Barcelona por ele o maior valor despendido até hoje por um futebolista:  222 milhões (R$ 1,05 bilhão pelo câmbio atual).

Em junho, encerrada a temporada, será preciso saber se a direção do clube terá mudado de ideia e estará aberta a negociar o craque, cujo contrato só se encerra na metade de 2022.

Craque que, até agora, não cumpriu o esperado.

Os franceses tinham a esperança de que Neymar comandasse a equipe ao inédito título da Champions League, o principal interclubes do velho continente.

Mas tanto em 2018 como em 2019 Neymar se contundiu antes de jogos decisivos, e o PSG acabou eliminado, respectivamente por Real Madrid e Manchester United.

Neymar teve lesões que o impediram de participar de jogos decisivos do PSG na Liga dos Campeões, em 2018 e em 2019 (Geoffroy van der Hasselt – 25.fev.2018/AFP)

Neste ano, Neymar ainda tem chance de, caso não se machuque novamente, manter a equipe viva na Champions.

Apesar de ter sido derrotada no jogo de ida por 2 a 1 pelo Borussia Dortmund, com gol de Neymar –a revelação Haaland brilhou e fez dois no duelo na Alemanha–, há ainda o confronto de volta das oitavas de final.

Será no dia 11 de março, uma quarta-feira, no estádio Parque dos Príncipes, em Paris.

Se o PSG cair, o noticiário referente ao (ainda) melhor jogador brasileiro da atualidade será cada vez menos referente ao que ele faz em campo e primordialmente relacionado aos bastidores.

Dessa vez, é provável que haja um entendimento, pois está mais do que claro de que o casamento de Neymar com o PSG não deu certo e que a vontade dele, conforme escancarou Messi, de reatar o antigo relacionamento continua intensa.

Supondo que tudo se acerte entre os clubes, restará somente aquele pequeno grande detalhe, quando Neymar deverá falar sem evasivas, quiçá de joelhos, mesmo que em performance teatral:

“Torcedores do Barça, sócios do Barça, jogadores do Barça, dirigentes do Barça, funcionários do Barça, todos a quem magoeei ou decepcionei ao ir embora, perdoem-me. Volto para de onde nunca deveria ter saído. Amo vocês. Visca Barça”.

Parece fácil proferir essas curtas frases, que consumiriam uns 15 a 20 segundos. Mas nem sempre engolir o orgulho é. Quero ver.

Messi e Neymar com o troféu do Mundial de Clubes da Fifa, conquistado há pouco mais de quatro anos pelo Barcelona (Toshifumi Kitamura – 20.dez.2015/AFP)

Em tempo: Neymar não é o único atacante na mira do Barça para 2020/2021. O clube quer também um compatriota de Messi, Lautaro Martínez, um dos destaques da Inter de Milão, avaliado hoje em  80 milhões, a metade do preço estimado de Neymar.