Egípcio de 75 anos entrará no Guinness como o mais velho jogador profissional

Longevidade no futebol é coisa rara.

Futebolista que continua jogando depois dos 35 anos quase sempre é considerado velho, acabado, “ex-jogador em atividade”.

Cristiano Ronaldo, um dos fenômenos da história do esporte bretão, desde 2018 defendendo a Juventus (Itália), acaba de completar 35.

Continua com performances excelentes, porém bastará engatar uma sequência de jogos sem fazer gol que comentaristas, analistas e torcedores afirmarão que a idade chegou para o português.

É fato, entretanto, que são bem poucos aqueles que chegam aos 40 e permanecem em ação. São tidos como atípicos, insólitos, estranhos, anormais.

Ultrapassar os 40 jogando bem, então, dá para contar nos dedos.

Milla (Camarões), Zoff e Totti (Itália), Giggs (País de Gales), Romário, Rogério Ceni e Zé Roberto (Brasil) são os que posso citar sem pensar muito.

Quando alguém prossegue jogando profissionalmente além disso, pode-se considerar uma aberração.

Caso do atacante japonês Kazu, do qual eu me lembro atuando no Brasil (era um ponta veloz), no fim dos anos 1980 e comecinho dos 1990 (XV de Jaú, Coritiba e Santos), que aos 52 anos continua em plena atividade, no Yokohama FC, da segunda divisão de seu país.

Porém há alguém que pretende extrapolar tudo isso, a ponto de se tornar recordista mundial no quesito idade como profissional no futebol.

Seu nome é Ezzeldin Bahader. Ele é egípcio, da capital (Cairo), e no mês que vem se tornará o mais novo membro do Guinness Book, o Livro dos Recordes.

Bahader treina em academia no Cairo para estar em forma para atuar em março pelo 6 de Outubro, da 3ª divisão do Egito (Amr Abdallah Dalsh – 28.jan.2020/Reuters)

Bahader conseguiu se registrar como jogador profissional na Associação Egípcia de Futebol, sendo inscrito pelo 6 de Outubro, clube da terceira divisão do país africano.

Nascido no dia 3 de novembro de 1945, ou dois meses depois do encerramento da Segunda Guerra Mundial, ele terá de participar de duas partidas completas para, aos 75 anos, entrar para o Guinness –um representante do livro deve estar presente para atestar o feito.

O atacante superará assim o atual recordista, o israelense Isaak Hayik, que atuou como goleiro pelo Ironi Or Yeuda, da terceira divisão de Israel, em abril do ano passado, com 73 anos.

Isaak Hayik é condecorado depois de se tornar em abril de 2019, aos 73 anos, o mais velho jogador profissional de futebol (Reprodução/Twitter)

Bahader, pai de quatro filhos e avô de seis netos, cujo sonho de criança, jamais atingido, era ser futebolista profissional, atualmente faz treinos físicos, inclusive com a ajuda de um personal trainer, a fim de entrar em forma.

Necessário para que o ex-engenheiro civil e consultor agrícola, que bateu bola pela primeira vez 69 anos atrás, nas ruas do Cairo, tenha fôlego para em março atingir seu objetivo.

“Eu me considero um juvenil, estou no começo da estrada, tenho ainda um longo caminho pela frente”, declarou, possivelmente em tom de brincadeira, segundo a Reuters.

Para o motivado septuagenário, contudo, ir a campo e simplesmente jogar por 180 minutos não será recompensador se ele não cumprir uma meta pessoal: jogar bem.

“Não é apenas ser o jogador mais velho. Quero ser o mais velho, mas também aquele que jogou bem”, disse. “Se eu apenas entrar no Livro dos Recordes, sem jogar bem, não terei concluído meu plano. E isso será o fim para mim.”