Com avanço do coronavírus, China adia início da Super Liga

A epidemia de coronavírus na China fez a federação de futebol do país (CFA) adiar o começo da Super Liga, o Campeonato Chinês de futebol.

No país asiático, a temporada do campeonato local não segue o calendário europeu, então as partidas vão de fevereiro até outubro ou novembro.

“Para cooperar com o esforço da nação em coibir o coronavírus e assegurar a saúde de todas as pessoas envolvidas com o futebol, a CFA decidiu postergar todas as partidas de futebol em 2020”, afirmou a federação em comunicado.

Inicialmente, a Super Liga começaria no dia 22 de fevereiro, um sábado, e se encerraria no dia 31 de outubro, também um sábado.

Uma nova data para o início da competição, que tem como atual campeão o Guangzhou Evergrande, ainda não foi definida.

Dezesseis clubes participam do campeonato, inclusive o Wuhan Zall, que fica na cidade que é o epicentro da doença.

Até o fim da noite desta quinta (30), no horário brasileiro, o número de mortos na China em decorrência de infecção pelo vírus era de 213.

O Campeonato Chinês, um dos que mais investem na contratação de jogadores, está repleto de estrangeiros em suas equipes. A lista atual é de cerca de 70 atletas.

Não há nenhum superastro, porém nomes como o italiano El Shaarawy, o eslovaco Hamsik, o austríaco Arnautovic e o belga Fellaini, que tiveram destaque nos campeonatos da Itália ou da Inglaterra, têm contrato com times da primeira divisão chinesa.

Entre os brasileiros, há 30 vinculados a equipes da Super Liga, incluindo os três que nasceram no Brasil mas têm outra nacionalidade: os atacantes Elkeson (China), Éder (Itália) e Dyego Sousa (Portugal).

Os mais famosos são o zagueiro Miranda (Jiangsu Suning), os volantes Renato Augusto (Beijing Guoan) e Paulinho (Guangzhou Evergrande), o meia Oscar e o atacante Hulk (ambos do Shangai SIPG).

Os três primeiros estiveram com o Brasil na Copa do Mundo da Rússia, em 2018. Paulinho também defendeu a seleção no Mundial de 2014, no Brasil, assim como Oscar e Hulk.

O volante Paulinho, que jogou pelo Brasil nas Copas de 2014 e 2018, é um dos principais jogadores do Guangzhou Evergrande, atual campeão chinês (27.nov.2019/AFP)

A dupla do Shangai SIPG esteve em campo nesta semana, em Xangai, na vitória por 3 a 0 sobre o Buriram United, da Tailândia, no playoff classificatório da Liga dos Campeões da Ásia –Hulk fez um gol de pênalti.

Aliás, a Champions asiática, devido ao avanço do coronavírus, teve, a exemplo do Campeonato Chinês, mudanças na tabela.

A Confederação Asiática de Futebol informou que os quatro clubes chineses classificados para a fase de grupos atuarão como visitantes nas suas três primeiras partidas, no período de 11 de fevereiro até 4 de março.

Além do futebol, outros esportes foram impactados na China por causa do coronavírus.

A Copa do Mundo de esqui alpino, que ocorreria em Yanqing nos dias 15 e 16 de fevereiro, foi cancelada, e o Campeonato Mundial indoor de atletismo, previsto para 13 a 15 de março em Nanjing, adiado por 12 meses.