Nem Messi nem Gabigol; saiba quem foi o maior artilheiro de 2019

Diz a velha máxima que “futebol é bola na rede”.

Logicamente que o futebol tem muito mais fatores envolvidos – físicos, técnicos, táticos, psicológicos, disciplinares –, porém a falta de gol gera, quase sempre, o sentimento de frustração.

Quase sempre porque há os 0 a 0 que são exceções, com inúmeras chances criadas e os goleiros enaltecidos como heróis.

Contudo o intuito aqui, desta vez, no penúltimo dia do ano, não é enaltecer nenhum guarda-metas, e sim expor quem foram os grandes goleadores dos últimos 12 meses em grandes centros – tecnicamente ou financeiramente – da bola.

Foram eles os principais responsáveis por fazer os torcedores de seus respectivos clubes ou seleções, em vibração incontida, soltar com frequência do peito o grito mais esperado em um jogo de futebol: “Gooooooool”.

Alemanha

Ninguém, absolutamente ninguém vazou mais os goleiros adversários neste ano do que o polonês Robert Lewandowski (Bayern de Munique): 57 gols em 63 partidas. Média: 0,90.

O polonês Robert Lewandowski, hoje com 31 anos, tira uma selfie em Belgrado depois de fazer quatro gols no Estrela Vermelha na Champions League (Novak Djurovic – 26.nov.2019/Reuters)

Espanha

Lionel Messi (Barcelona), sempre ele. O supercraque argentino balançou as redes exatas 50 vezes em 2019, em 58 jogos. Média: 0,86.

França

Campeão mundial com a seleção de seu país em 2018, Kylian Mbappé (PSG), o jovem francês de 21 anos, continua em alta. Foram 47 gols em 51 partidas: Média: 0,92 (superior às de Messi e Lewandowski).

Inglaterra

Nada de Kane, Agüero, Salah, Mané, Vardy, Rashford ou Aubameyang. Com 47 gols em 67 partidas, Raheem Sterling (Manchester City) foi o goleador do ano na terra da rainha. Média: 0,70.

Brasil

Gabriel Barbosa, o Gabibol, em temporada notável, anotou 43 gols em 60 jogos pelo Flamengo. Média: 0,72.

Gabigol, que teve a melhor temporada da vida em 2019, em sua tradicional comemoração ao fazer gol no Palmeiras no Campeonato Brasileiro (Amanda Perobelli – 1º.dez.2019/Reuters)

Itália

Mesmo perto de fazer 35 anos o português Cristiano Ronaldo (Juventus) mantém o faro artilheiro. Fechou o ano com 41 gols em 53 jogos. Média: 0,77.

China

Aos 32 anos, o israelense Eran Zahavi (Guangzhou R&F), que nunca vestiu na carreira a camisa de um time de ponta de uma liga top, fez 40 gols em 38 partidas. Média: 1,05 (a melhor de todas).

EUA

Foram 38 gols, em 37 jogos, os do mexicano Carlos Vela (Los Angeles FC) em 2019. Média: 1,03.

Portugal

Meio-campista, Bruno Fernandes (Sporting) marcou 33 gols em 58 partidas. Média: 0,57.

Holanda

O sérvio Dusan Tadic, um dos destaques do Ajax, também fez 33 gols, só que em 66 jogos. Média: 0,5.

Em tempo 1: Nossa vizinha, a Argentina, teve um ano de escassez de artilheiros. Nenhum jogador que atua por lá na divisão de elite conseguiu chegar às duas dezenas de gols nos últimos 12 meses.

Em tempo 2: E os principais atacantes brasileiros que jogam em equipes fortes na Europa, como foram em 2019? Neymar (PSG), afastado metade do tempo por lesões, marcou 17 gols em 26 jogos. Média: 0,65. Roberto Firmino, campeão europeu e mundial com o Liverpool, fez 21 gols em 66 aparições. Média: 0,32 (baixa para um centroavante). Gabriel Jesus (Manchester City), que como Firmino foi titular da seleção brasileira campeã da Copa América, anotou 32 gols em 62 partidas – ressalte-se que no clube ele nem sempre começa jogando. Média: 0,52.