Senegalês enfurece técnico ao pegar lugar do batedor oficial de pênalti

“Ele não será relacionado para partida de domingo na Antuérpia. E eu decidirei nas próximas semanas ou meses sobre um possível retorno ao time. Também haverá uma pesada penalidade financeira.”

Essas frases são do treinador do Brugge, o belga Philippe Clement, proferidas em entrevista coletiva nesta sexta (8).

O “ele” em questão é o atacante senegalês Mbaye Diagne, de 28 anos e em sua primeira temporada no clube da cidade de Bruges.

A fúria de Clemente deve-se à atitude de Diagne, que no meio do ano disputou a Copa das Nações Africanas com a seleção de seu país, no jogo contra o Paris Saint-Germain, na quarta (6), em Paris, pela Liga dos Campeões da Europa.

Favorito, o PSG, ainda sem Neymar, contundido, saiu na frente com um gol do argentino Icardi, aos 22 minutos do primeiro tempo.

O time visitante manteve o placar magro, buscou equilibrar as ações e acabou recompensado com a marcação de um pênalti, feito por Thiago Silva, já na metade final do segundo tempo.

Quem sofreu o pênalti? Ele, Diagne, que entrara na partida poucos minutos antes.

Nessa situação, a responsabilidade é entregue ao cobrador oficial de pênaltis – todo time costuma ter um.

No caso do Brugge, o meia Vanaken, capitão da equipe, tem essa incumbência.

Só que Diagne, adotando o discurso fominha “foi em mim, então bato eu!”, pegou a bola e determinou, em decisão monocrática, que ele cobraria aquele pênalti, a fim de obter o inesperado empate e anotar seu primeiro tento na Champions League.

O camisa 10 correu, bateu e… Navas! O costa-riquenho, ex-goleiro do Real Madrid, pegou e não largou a malfeita cobrança – fraca, rasteira e quase no meio do gol –, assegurando a vantagem do PSG que seria mantida até o apito final.

O senegalês Mbaye Diagne na cobrança de pênalti no jogo em Paris; veja como foi (Reprodução/Uefa TV)

“Foi um erro idiota”, esbravejou Clement. “Um erro que teve consequências para o resultado. Nós todos ficamos muito zangados.”

Clemente não disse que eram “nós”, porém é fácil deduzir que se trata de todos no clube: ele, todo seu estafe, todos os jogadores, toda a direção, todos os torcedores.

“Esse tipo de acontecimento faz os nervos aflorarem, e houve um confronto no vestiário, mas verbal e não físico”, afirmou o treinador de 45 anos, para quem a permanência de Diagne no clube dependerá de seu comportamento a curto prazo.

O jogador está emprestado ao PSG pelo Galatasaray, da Turquia.

Diagne sentiu que complicou para o lado dele desculpou-se no dia seguinte ao jogo, em uma rede social.

“Para a família do Club Brugge, sinto pela noite passada. Cometi um grande erro e farei de tudo para dar a esse grande time e a seus fãs o que eles merecem. Espero que possam me perdoar…”

Reconhecer uma falha é elogiável, mas o jogador de fato merecedor de elogios é aquele que consegue antecipar a situação que causará o problema e age de modo a não deixar que ele estoure.

Infelizmente Diagne não teve esse discernimento, o que pode custar-lhe a dispensa do Brugge.

Infelizmente também ninguém perguntou a Clement como ele reagiria caso o atacante tivesse convertido o pênalti.

Gostaria muito de saber, mas não saberei, se o pito e aplicação da multa ocorreriam. Por coerência, sim, deveriam ocorrer, mas duvido.

Em tempo: O resultado na capital francesa deixou o Brugge, que lidera o Campeonato Belga, com só dois pontos no Grupo A da Champions. O PSG, já classificado para os mata-matas com dois jogos de antecedência (assim como Bayern e a Juventus), soma 12 pontos, o Real Madrid, 7, e o Galatasaray, 1.