Pelé afirma que Mabppé pode chegar aos mil gols; é factível?

Um dos grandes feitos de Pelé na carreira foi ter ultrapassado a marca de mil gols. Foram quase 1.300.

Nesta semana, o Rei do Futebol encontrou-se em um evento de uma marca de relógios com Mbappé, o único que, como ele, marcou um gol em uma final de Copa do Mundo tendo menos de 20 anos de idade.

Sabe-se que o francês é um grande admirador do brasileiro, e, em meio a troca de cumprimentos e afagos, Pelé declarou, de acordo com a agência France Presse: “É possível para ele chegar aos mil gols”.

O jovem artilheiro, colega de Neymar no Paris Saint-Germain, brincou ao ouvir essa crença: “Acredito que mesmo se eu contar os gols de jogos intercidades e os no PlayStation, não serei capaz de alcançar a marca de mil gols”.

Há de fato um longo caminho a ser percorrido, e, mesmo não sendo matemático, dá para arriscar um cálculo.

Essa possibilidade é factível?

Pelé, mais de mil gols na carreira, e Mbappé, pouco mais de cem, em evento em um hotel da capital francesa (Franck Fife – 2.abr.2019/AFP)

Aos 20 anos e três meses, Mbappé soma 104 gols em 196 jogos, considerando-se as partidas pelo Monaco (inclusive no time sub-19), pelo PSG e pela seleção francesa (inclusive nas categorias sub-19 e sub-17).

Sua média de gols por confronto é de 0,53, ou seja, aproximadamente um gol a cada dois jogos.

É uma média, contudo, em ascensão, pois seu faro artilheiro está em evolução e ele tem atuado bem mais que no começo da carreira.

Na temporada 2018/2019, ainda em andamento, Mbappé anotou 36 gols em 43 partidas, o que dá uma média de 0,84 gol por jogo.

Supondo que Mbappé tenha uma carreira longa e jogue mais 18 temporadas, aposentando-se do futebol perto dos 40 anos.

E que em cada temporada ele não tenha lesões graves e consiga ir a campo em 50 partidas, em média, número bastante crível levando-se em conta os calendários dos clubes e das seleções.

Seriam mais 900 jogos.

Mantendo a média atual (0,84), Mbappé teria ao término dessas 18 temporadas 860 gols. E se aposentaria longe da marca que hoje desacredita alcançar.

Para chegar a ela, o francês precisa ser ainda mais goleador, de modo que nessas 900 partidas previstas marque um gol, em média, em cada uma delas. Assim, atingiria o milhar.

Difícil, dificílimo. Ele teria de ser mais que fenomenal.

São raros os jogadores que em determinada temporada conseguiram igualar ou superar um gol por jogo, o argentino Messi (2011/2012 e 2012/2013) e o português Cristiano Ronaldo (2011/2012, 2013/2014, 2014/2015 e 2016/2017) entre eles.

E ambos, já mais perto do fim de carreira do que do início, ainda estão distantes do gol mil.

Em números não oficiais, Cristiano Ronaldo soma 682 gols (597 por clubes, 85 por Portugal) como profissional, aos 34 anos, completados em fevereiro. Messi, que fará 32 em junho, tem quatro a mais, 686 (605 pelo Barcelona, seu único clube, 81 pela Argentina).

Leia também: Rappo, o artilheiro dos 2.000 gols

Em tempo: Neymar, o melhor jogador brasileiro da atualidade, marcou 378 gols até hoje, de acordo com seu site oficial, em 598 partidas. Ele está com 27 anos.