De Arrascaeta ou Tevez: qual é o recordista em uma negociação no Brasil?

O meia uruguaio De Arrascaeta, de 24 anos, que defendia o Cruzeiro desde 2015, é o mais novo reforço do Flamengo.

Ao saber da transação, li em alguns sites que se tratou do mais alto valor pago por um clube brasileiro por um jogador: R$ 63,7 milhões.

Completando o “top 5”, são relacionados (pelo globoesporte.com) quatro atacantes:

– o argentino Carlitos Tevez, então no Boca Juniors, contratado em dezembro de 2004 pelo Corinthians (com dinheiro da MSI, lembra dela e de Kia Joorabchian?) por R$ 60,5 milhões;

– Vitinho, então no CSKA Moscou, contratado pelo Flamengo em julho do ano passado por R$ 44 milhões;

– Leandro Damião, então no Internacional, contratado em dezembro de 2013 pelo Santos por R$ 41,6 milhões;

– Alexandre Pato, então no Milan, contratado em janeiro de 2013 pelo Corinthians por R$ 40,2 milhões.

A questão a ser colocada é: a depender do critério a ser considerado, não é a contratação do uruguaio, e sim a do argentino – e com uma descomunal diferença –, a mais cara do futebol brasileiro.

Em valor nominal, que desconsidera a evolução dos preços na economia, De Arrascaeta teve preço superior ao de Tevez: exatos R$ 3,2 milhões a mais.

Tevez, em treino, à época em que defendia o Corinthians (Fernando Santos – 25.jul.2006/Folhapress)

Porém, considerando-se o valor real, que leva em conta a correção pela inflação (IPCA), o Corinthians precisaria pagar hoje não R$ 60,5 milhões para ter Tevez, mas quase R$ 130 milhões, ou mais que o dobro do que desembolsou em dezembro de 2004.

De acordo com essa metodologia, o ranking teria mudanças, com Vitinho, “reajustado” para R$ 44,4 milhões, sendo ultrapassado tanto por Pato (R$ 56,8 milhões) como por Damião (R$ 56 milhões).

E também por outro atacante, Nilmar, contratado em 2006 pelo Corinthians, junto ao Lyon, da França, por R$ 27,6 milhões (R$ 55 milhões com a correção inflacionária).

Se a comparação for feita tendo como referência o euro, a valorizada moeda da União Europeia, bloco que realiza o grosso dos negócios relevantes no futebol, Tevez, hoje com quase 35 anos, também valeria mais que De Arrascaeta na data das respectivas transações: € 15 milhões o uruguaio, € 16,8 milhões o argentino.

Minha conclusão, sem ser um especialista em finanças, é que para equiparar os valores é adequado (mais até, é necessário) fazer a atualização monetária ou utilizar uma moeda forte, o que deixa Tevez, em ambas as situações, como a mais salgada contratação da história do futebol nacional.

Leia também: Campeão do Brasileiro tem, desde 2009, ao menos um estrangeiro no elenco

Em tempo 1: Tevez, que regressou ao Boca Juniors em 2018, teve uma passagem de sucesso pelo Corinthians, conquistando o Campeonato Brasileiro de 2005 e marcando 46 gols em 78 partidas em um ano e meio de clube; Damião (hoje no Kawasaki Frontale, do Japão) e Pato (hoje no Tianjin Quanjian, da China) ficaram devendo – o primeiro mais – e tiveram problemas de relacionamento no Santos e no Corinthians, respectivamente; Vitinho permanece no Flamengo, com quem tem contrato até 2022, e ainda é cedo para avaliar seu desempenho.  

Em tempo 2: A negociação de De Arrascaeta (muito bom jogador, por sinal) escancara o abismo que há entre o poderio de compra dos clubes brasileiros e o de europeus que integram as mais poderosas ligas do velho continente. Na atual janela de transferências, o pequeno Bournemouth, da Inglaterra, deu-se ao luxo de torrar € 18,8 milhões (R$ 80 milhões) na aquisição do atacante Dominique Solanke, de 21 anos, reserva no Liverpool e que em 27 jogos pelo time válidos por competição (sem incluir amistosos e torneios de pré-temporada), no intervalo de um ano e meio, marcou um mísero gol. Até agora, a negociação mais cara do período é a do atacante americano Pulisic, de 20 anos – o Chelsea pagou € 64,1 milhões (R$ 272,5 milhões) para tirá-lo do Borussia Dortmund.

Leia também: Retrospectiva 2018 – Posts para ler ou reler