Carille volta ao Corinthians; como ele foi na Arábia Saudita?

Fábio Carille deixou o país em maio rumo à Arábia Saudita, para ganhar por mês no Al-Wehda, de acordo com publicações da imprensa à época, R$ 650 mil, mais que o dobro do que recebia no Corinthians.

Há dez dias, houve o anúncio de que estará de volta ao time do Parque São Jorge, onde teve grande sucesso.

Sob o comando do treinador, hoje com 45 anos, o Corinthians ganhou dois Campeonatos Paulistas (2017 e 2018) e um Campeonato Brasileiro (2017).

Depois que ele saiu, a equipe decaiu vertiginosamente.

Teve dois técnicos (Osmar Loss e Jair Ventura) e terminou o Brasileiro na nada honrosa 13ª posição, tendo flertado com a zona do rebaixamento.

Na Libertadores, parou nas oitavas de final, diante do Colo-Colo, do Chile.

Na Copa do Brasil avançou à decisão, porém perdeu as duas partidas para o Cruzeiro, causando considerável sensação de desgosto na torcida.

Como no futebol o resultado (leia-se conquista de títulos) quase sempre define a permanência ou a saída do técnico, o Corinthians decidiu recorrer a Carille, que aceitou retornar.

Nesses pouco mais de seis meses no futebol árabe, o técnico ficou esquecido.

Pouco ouviu-se falar dele, que certamente concederá dezenas de entrevistas – chegou neste domingo (16) ao Brasil – para relatar detalhadamente a experiência no Oriente Médio.

Neste momento, o que é possível expor friamente?

Os números do treinador pelo Al-Wehda, que manda seus jogos em Meca, a cidade mais sagrada do mundo para os muçulmanos.

Carille comandou a equipe em 15 partidas, 13 delas oficiais e dois amistosos de pré-temporada, contra Udinese (empate por 1 a 1) e Bayer Leverkusen (derrota por 1 a 0).

Ele começou muito bem o campeonato saudita, permanecendo invicto por sete rodadas (quatro vitórias e três empates). Depois, nos seis jogos seguintes, piorou muito (duas vitórias e quatro derrotas).

No total foram seis vitórias, quatro empates e cinco derrotas, ou seja, ganhou 40% das partidas, empatou 27% e perdeu 33%. Deixou o clube na sexta colocação (são 16 times), a 11 pontos do líder, o Al-Hilal.

No Corinthians, Carille esteve no comando por 114 jogos. Ganhou 59 (52%), empatou 32 (28%) e perdeu 23 (20%).

Em tempo: Carille treinou quatro brasileiros em sua curta passagem pelo Al-Wehda, : Renato Chaves (zagueiro, ex-Fluminense), Anselmo (meio-campista, ex-Internacional), Marcos Guilherme (atacante, ex-São Paulo) e Fernandão (atacante, ex-Palmeiras).