Treinador introduz roleta dos castigos para punir jogadores

Atrasar-se para um treino ou se ausentar dele, sem uma justificativa decente. Reclamar, com gestos ou palavras, ao ser substituído durante um jogo. Ausentar-se da concentração sem a anuência da comissão técnica.

Entre outros, esses são conhecidos atos de indisciplina cometidos por jogadores de futebol.

A punição dos clubes para quem quebra suas regras de conduta costuma ser a aplicação de uma multa e/ou o afastamento da equipe por determinado período.

Por considerar essas sanções pouco eficazes, o técnico do RB Leipzig, da primeira divisão da Alemanha, decidiu inovar.

Tanto nos tipos de castigo, bastante heterodoxos, como na forma de ele ser definido: o próprio jogador será senhor do seu destino.

Ralf Rangnick, de 60 anos, o treinador em questão, instalou no campo de treinos do time uma enorme roleta, conforme publicou o tabloide alemão Bild.

Ralf Rangnick e a roleta que usa para punições alternativas aos jogadores indisciplinados do RB Leipzig (Reprodução/Site do Bild)

Ela se divide em 12 partes iguais, e 11 delas possuem uma penitência, a saber:

  • Encher as bolas antes do treino, levá-las para o gramado e limpá-las após as atividades
  • Fazer a limpeza do campo de treinamento
  • Abastecer as garrafas com água e com isotônico antes do treino
  • Ajudar o roupeiro, após o treinamento, a cuidar dos uniformes (suados) dos jogadores
  • Colocar no ônibus, nos dias de jogos fora da cidade, todo o material (malas e mochilas) dos colegas
  • Treinar um time das categorias de base em um dia de folga
  • Servir refeições na lanchonete do clube e realizar a limpeza do local
  • Trabalhar um turno como assistente de vendas na loja de produtos do time
  • Ser o guia de turistas na visita ao estádio da equipe
  • Comprar presentes para todos os 60 integrantes do estafe do clube
  • Vestir-se de bailarina e participar do treino trajando-se assim

A 12ª fatia da roleta traz os dizeres “sem punição”.

Ou seja, se tiver sorte ao girar a roda, o indisciplinado pode até sair ileso, sem ter de cumprir pena alguma. Sua chance é de 8%.

A invenção de Rangnick é interessante, com chance bem razoável de ser eficaz.

Correndo o risco de ter que treinar fantasiado de bailarina, um momento supostamente vexaminoso (escrevo supostamente porque vai que tem quem goste), considero provável que os jogadores do Leipzig pensem duas ou três vezes antes de uma atitude de insubordinação ou rebeldia.

Leia também: Time espanhol impõe cartilha com toque de recolher aos atletas