Onde CR7 e Messi travam e Neymar é melhor que eles

É sabido que Cristiano Ronaldo e Lionel Messi são, com folga, os melhores jogadores desta década.

Suas conquistas e seus gols por Real Madrid e Barcelona, respectivamente, de dez anos para cá falam por si.

Tanto que dividem as premiações de melhor futebolista do planeta, igualmente (cinco para cada um), desde 2008.

Pela tremenda qualidade deles fica difícil advogar por Neymar, um dos cotados, de três a quatro anos para cá, a herdar o trono do argentino e do português no olimpo da bola.

CR7, recém-chegado à Juventus, e Messi são mais goleadores que o craque brasileiro, são mais vitoriosos nos clubes, são mais completos.

Cristiano Ronaldo, por exemplo, finaliza muito melhor que Neymar, e Messi é insuperável no arranque com a bola nos pés.

De quebra, os dois não têm a fama negativa, de cai-cai, que o camisa 10 da seleção brasileira consolidou na Copa do Mundo da Rússia.

Porém, por sensacionais que sejam, Cristiano Ronaldo e Messi ficam atrás de Neymar, surpreendentemente, em um aspecto.

Não só de Neymar, aliás, mas de dezenas de outros jogadores.

Pouca gente sabe, mas nenhum dos dois conseguiu marcar um único gol em partida eliminatória de Copa do Mundo.

E não foram poucos os confrontos de mata-mata que a dupla, presente em Mundiais desde a Alemanha-2006, disputou.

O argentino, oito jogos (um em 2006, dois em 2010, quatro em 2014 e um em 2018), e o português, seis (quatro em 2006, um em 2010 e um em 2018). Em todos esses, travaram: nem um mísero gol.

A Fifa fez a conta: juntos, em jogos eliminatórios de Copa, Cristiano Ronaldo e Messi estão 21 horas e 10 minutos sem estufar as redes. Para dois mega-artilheiros, um retumbante fiasco.

Neymar disputou quatro partidas nas quais o Brasil jogava para sobreviver em Copas, duas em 2014 e duas em 2018.

Também ficou devendo nelas, mas registrou um golzinho, de carrinho contra o México nas oitavas de final do Mundial russo, o suficiente para posicioná-lo à frente do CR7 e de Messi.

Messi comemora seu único gol na Copa de 2018, na primeira fase, contra a Nigéria (Reprodução/Instagram de Lionel Messi)

Na fase de grupos, Cristiano Ronaldo anotou sete gols em 11 jogos; Messi, seis gols nos mesmos 11 jogos; Neymar, cinco gols em seis jogos.

Em números absolutos, considerando só a primeira fase dos Mundiais, o brasileiro está em desvantagem, apesar de ficar à frente caso seja considerada a média de gols por jogo (0,8, contra 0,6 de Cristiano Ronaldo e 0,5 de Messi).

Em tempo: Números da badalada trinca expostos, relaciono os principais artilheiros em jogos de mata-mata de Copa, somados, desde 2006: Klose (Alemanha), Thomas Müller (Alemanha) e Sneijder (Holanda), cinco gols cada um; Zidane (França), Griezmann (França), Mbappé (França), Podolski (Alemanha), Schürrle (Alemanha), Forlán (Uruguai), Cavani (Uruguai), Villa (Espanha), James Rodríguez (Colômbia) e Mandzukic (Croácia), três gols cada um.