Qual o mais belo gol da primeira rodada do Mundial russo?

As Copas do Mundo são pródigas em gols bonitos.

Para ficar só nos feitos pelo Brasil, e apenas nos assinalados em finais de três dos cinco Mundiais em que a seleção se sagrou campeã (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002), lembro-me:

  • do de Pelé, o terceiro contra a Suécia, em 1958 (5 a 2), após matar a bola no peito na área, chapelar um rival e chutar sem deixar a bola pingar;
  • do de Carlos Alberto Torres, o último diante da Itália, em 1970 (4 a 1), um petardo depois de receber a bola de Pelé, em uma jogada construída desde a defesa;
  • do de Ronaldo Fenômeno, o segundo em 2002 (2 a 0), um chute colocado no canto do goleiro alemão Kahn, tendo antes Rivaldo feito um sensacional corta-luz.

Mas foram dezenas e dezenas de pinturas entre os 2.379 gols marcados em 20 Copas do Mundo, excluindo os anotados na em andamento, na Rússia.

Pois vou incluir alguns da Copa russa na minha lista de gols garbosos. Não foram muitos de esplendorosa beleza, porém é possível elencar na primeira rodada, finalizada na terça (19), uma trinca de encher os olhos.

Coloco na ordem cronológica, não de preferência, e convido o leitor a vê-los e a emitir opinião.

Qual deles é o mais bonito, e por quê?

1 – Denis Tcherichev, o segundo da Rússia na vitória por 5 a 0 sobre a Arábia Saudita, no dia 14, em Moscou. (Aos 44 segundos do vídeo a seguir.)

Golaço de Tcherichev (Reprodução/FifaTV)

Por que foi escolhido?

Pela frieza e habilidade de Tcherichev, que antes de concluir deixou os sauditas Othman e Al-Burayk com o traseiro na grama. “Finalização brilhante. Dois defensores caíram juntos no combate” foram as palavras do narrador da Fifa.

2 – Diego Costa, o primeiro da Espanha no empate por 3 a 3 com Portugal, no dia 15, em Sochi. (Aos 28 segundos do vídeo a seguir.)

Golaço de Diego Costa em Espanha e x 3 Portugal (Reprodução/Site da Fifa)

Por que foi escolhido?

Pela raça mesclada a sangue-frio de Diego Costa, que ganhou dividida com Pepe (com falta não marcada nem pelo árbitro nem pela videoarbitragem) e driblou Fonte três vezes antes de superar o goleiro De Gea. “Que habilidade genial”, disse o locutor da Fifa.

3 – Philippe Coutinho, o primeiro (e único) do Brasil no empate por 1 a 1 com a Suíça, no dia 17, em Rostov. (Aos 23 segundos do vídeo a seguir.)

Golaço de Phlippe Coutinho em Brasil 1 x 1 Suíça (Reprodução/FifaTV)

Por que foi escolhido?

Pela conhecida precisão de Coutinho, que ao ficar com a bola precisou de míseros dois segundos para disparar um chute de fora da área, de curva, no ângulo do goleiro Sommer. “É isso que o mundo quer ver do Brasil”, afirmou o narrador da Fifa.

Tcherichev, que já está com três gols na Copa do Mundo em seu país, é presença garantida nas oitavas de final, já que a Rússia também venceu o segundo jogo (3 a 1 no Egito) e está classificada.

A Espanha de Diego Costa, outro que soma três tentos no Mundial, ampliou bastante sua chance de classificação ao derrotar o Irã por 1 a 0 (gol do brasileiro que tem cidadania espanhola). Basta empatar com o eliminado Marrocos.

O avanço de Philippe Coutinho para a etapa de mata-matas ainda é incerto, apesar de o Brasil ser favorito diante de Costa Rica e Sérvia. Também era contra a Suíça e, prejudicado pela arbitragem, é verdade, não conseguiu sair de campo com os três pontos. Esperemos a sexta (22) e a quarta (27).

Leia também: Veja o que a 1ª rodada mostrou sobre a Copa na Rússia

Leia também: Há 32 camisas 9 na Copa; na 1ª rodada, só dois brilharam