Há 32 camisas 9 na Copa; na 1ª rodada apenas dois brilharam

É o camisa 9 que costuma ser o artilheiro, o goleador, o homem-gol do seu time.

É o camisa 9 quem joga mais perto do gol adversário, é ele quem tem o instinto matador, é ele quem é impiedoso ao se deparar com o guarda-metas rival.

É o camisa 9 o responsável por meter medo nos zagueiros, por preocupar o treinador adversário, deixando-o insone na véspera da partida: “Como vou fazer para parar esse cara?”.

Há na Copa do Mundo da Rússia 32 seleções e, por conseguinte, 32 camisas 9. (A numeração vai de 1 a 23.)

Desses, três dezenas ou decepcionaram na primeira rodada, encerrada na terça (19), ou, mesmo ostentando uma das camisas mais cobiçadas pelos jogadores desde a infância (a outra é a 10), nem a campo foram, por opção do técnico.

Dois camisas 9, apenas dois camisas 9, tão somente dois camisas 9 deixaram o estádio com o dulcíssimo gosto de fazer gol na partida de estreia.

Gol não. Gols. Cada um marcou dois gols na vitória de seus países. Ambos na segunda-feira (18), ambos no Grupo G.

Coincidência, os dois atuam no Campeonato Inglês. São eles Romelu Lukaku, do Manchester United, e Harry Kane, do Tottenham.

O belga Lulaku, de 25 anos, é um tanque com seu 1,91 m e 94 kg.

Lukaku, o 9 da Bélgica, celebra em Sochi; ele marcou dois gols na vitória contra o Panamá (Reprodução/Site da Fifa)

Diante do frágil Panamá, debutante em Copa do Mundo, teve um primeiro tempo discreto, porém exibiu vigor e repertório no segundo, fazendo um gol com a cabeça, na entrada da pequena área, e outro com o pé esquerdo (o bom), ao invadir a grande área em contra-ataque.

A Bélgica, que desfila na Rússia uma de suas melhores gerações, ganhou bem, por 3 a 0.

Lukaku, com esses dois gols em um intervalo de meros seis minutos, dobrou o número marcado na Copa de 2014, no Brasil, quando começou como titular e depois virou reserva. Saindo do banco, fez na prorrogação o gol da vitória belga nas oitavas de final, 2 a 1 nos EUA.

Leia também: As duas faces de Romelu Lukaku

Kane, de 24 anos, em seu primeiro Mundial, não perde muito no físico na comparação com o belga. Tem 1,88 m e 86 kg.

Está tão em alta, pelo ótimo futebol apresentado nas quatro últimas temporadas (ele joga em excelente nível desde 2014/2015), que é o capitão do English Team.

E, diante da Tunísia, mostrou dose dupla de oportunismo, marcando um par de gols de dentro da pequena área.

O primeiro, que deu à Inglaterra vantagem no marcador, no começo da etapa inicial (11 minutos), depois de rebote do goleiro em cabeçada de Stones.

O segundo, aos 45 minutos e 30 segundos do segundo tempo, de cabeça após desvio do outro beque do time, Maguire, em escanteio. Gol decisivo, já que a partida estava 1 a 1.

Harry Kane, o 9 da Inglaterra, comemora em Volgogrado; ele fez dois gols no triunfo sobre a Tunísia (Reprodução/Site da Fifa)

Os únicos dois 9 que honraram a valorizada camisa têm data e horário para o confronto direto: 28 de junho, quinta-feira, às 15h (de Brasília), no estádio de Kaliningrado.

Antes, tentarão ampliar a artilharia. A Bélgica pega a Tunísia às 9h do sábado (23), em Moscou, e a Inglaterra enfrenta o Panamá às 9h do domingo (24), em Nijni Novgorod.

Em tempo: Há alguns camisas 9 que estiveram desprestigiados na primeira rodada da Copa russa, apesar de defenderem seleções consideradas favoritas: o francês Giroud entrou faltando 20 minutos para o encerramento do jogo, o português André Silva, a 10 minutos do término da partida, e o argentino Higuaín, a 6 minutos do fim do tempo regulamentar. Na Espanha, o brasileiro com dupla cidadania Rodrigo só esquentou o banco. Outros 9 de quem muito se esperava (e ainda se espera), mesmo titulares, estão com traço na tabela de artilheiros: Lewandowski (Polônia), Suárez (Uruguai), Gabriel Jesus (Brasil), Timo Werner (Alemanha) e Falcao García (Colômbia).