Messi, CR7 e Neymar mudam visual; veja as diferenças para a Copa-2014

Jogador de futebol é um ser, via de regra, vaidoso. Cristiano Ronaldo está aí para provar.

Vestir-se bem, estar na moda, desfilar com um carrão, estar acompanhado de uma mulher bonita (modelos são as preferidas), tudo isso é inerente ao boleiro, desde que endinheirado.

Dentro das quatro linhas, contudo, não dá para desfilar com uma roupa bacana, uma Ferrari 0 km, uma moça estonteante. Lá, ele tem de estar uniformizado, dentro do figurino.

Então, para se destacar além do talento futebolístico, o jeito é dar um trato no visual – leia-se no rosto.

Há no corpo as tatuagens, porém elas invariavelmente ficam, ao menos em parte, ocultas sob o uniforme e não são o centro das atenções das câmeras.

O que aparece mesmo é a cara. E vários atletas gostam de mexer na aparência dela.

Os jogadores não usam batom nem se maquiam, os brincos e piercings não são permitidos, então o negócio é recorrer à barba e ao cabelo.

Sabendo disso, pensei: o quanto atletas importantes de seleções que ostentam favoritismo (umas mais, outras menos) na Copa do Mundo na Rússia estão diferentes em relação a quatro anos atrás, na Copa no Brasil?

Escolhi a dedo nomes como Neymar (Brasil), Messi (Argentina) e Cristiano Ronaldo (Portugal), candidatos a “o craque” do Mundial que começa nesta quinta (14).

De outras cinco seleções, pincei destaques aleatoriamente: Paul Pogba (França), Luis Suárez (Uruguai), Thomas Müller (Alemanha), Kevin de Bruyne (Bélgica) e Sergio Ramos (Espanha).

Alguns tiveram uma transformação considerável no rosto; outros estão muito pouco, ou nada, diferentes.

Thomas Müller, de 28 anos, é um exemplo. O atacante alemão, eleito o melhor jogador jovem da Copa da África do Sul-2010, está idêntico a 2014. Só o nariz aparenta estar maior.

As maiores mudanças aparecem no trio de estrelas.

Faz dois anos que Messi, 30, trocou a cara lambida, que o fazia parecer muito mais novo do que realmente era, por uma com barba e bigode.

O português Cristiano Ronaldo descartou o antes tradicional topete para o Mundial na Rússia (Francisco Leong/AFP)

Na face de Cristiano Ronaldo, 33, jamais houve um único pelo. A barba está impecavelmente feita, todo dia.

O CR7 tinha apreço pelo topete, o qual tentava manter sob controle ao carregar no gel. Pois o topete dançou. Hoje o cabelo está curtinho, com uma firula no lado direito.

A mudança no cabelo de Neymar, 26, é bem mais drástica, passando pela cor. O preto do início da Copa de 2014 (que depois virou loiro) foi substituído pelo castanho. O liso deu lugar ao encrespado. E a franja sumiu.

Em relação aos demais, o que é possível notar?

De Bruyne, 26, cara eternamente limpa (à la CR7), passou a ter menos rosto de menino (só um pouco) e seu cabelo escureceu naturalmente, passando do loiro alaranjado para o castanho-claro.

Pogba, 25, reduziu o volume do cabelo, que não traz mais uma faixa loira da testa até perto da nuca.

O volante francês Paul Pogba mudou o cabelo, mas não abriu mão do estilo despojado (Franck Fife/AFP)

Sergio Ramos, 32, e Suárez, 31, estão parecidíssimos. O primeiro, com o cabelo um pouco mais curto; o segundo, com a barba menos rala.

É válido reforçar que as comparações do antes e depois foram feitas antes do começo do Mundial russo, com imagens recentes dos contemplados.

Nada impede que algum (ou todos) entre em campo com novidades visuais – especialmente Neymar, Pogba e Cristiano Ronaldo, que adoram causar um impacto que extrapole a qualidade futebolística.