Marcelo e Casemiro buscam recorde; Firmino, o 1º troféu na carreira

Três brasileiros, todos convocados para a Copa do Mundo da Rússia, estarão em campo na decisão da Liga dos Campeões, neste sábado (26), em Kiev (Ucrânia): o lateral-esquerdo Marcelo, o volante Casemiro e o atacante Roberto Firmino.

Do lado do Real Madrid, Marcelo, 30, e Casemiro, 26, podem ser campeões pela quarta vez, um recorde entre jogadores nascidos no Brasil.

Hoje eles estão empatados com o lateral direito Daniel Alves, o lateral esquerdo Roberto Carlos, o atacante Sávio e o zagueiro Pepe.

O primeiro ganhou três títulos com o Barcelona (2009, 2011 e 2015). O três últimos têm também três conquistas, sempre pelo Real Madrid.

Roberto Carlos e Sávio ergueram a taça em 1998, 2000 e 2002. Pepe, que tem cidadania portuguesa, em 2014, 2016 e 2017 – assim como Marcelo e Casemiro.

Casemiro, entretanto, apesar de integrar o elenco do Real, não foi relacionado pelo treinador Carlo Ancelotti para a final de quatro anos atrás.

Nessa partida, diante do Atlético de Madri, o carioca Marcelo entrou no segundo tempo e, na prorrogação, fez um dos gols (o terceiro) da vitória de virada por 4 a 1.

Assim, ele pode ser o único brasileiro com quatro títulos de Champions League a ter atuado em todas as finais.

Em 2016, o Real superou de novo o Atlético, nos pênaltis (Marcelo marcou um dos gols), e em 2017 atropelou a Juventus (4 a 1), sendo do paulista Casemiro o segundo gol.

Firmino, 26, jamais ganhou um título de competição oficial na sua carreira profissional (iniciada em 2009), disputará sua segunda final europeia.

O alagoano, que na adolescência, nas partidas com amigos, tentava imitar Ronaldinho, pois admirava a “magia” do gaúcho, foi vice-campeão da Liga Europa com o Liverpool, que perdeu para o Sevilla na decisão de 2015/2016.

O maior vencedor na história da Champions é o ponta-esquerda Francisco “Paco” Gento: seis vezes.

Lenda viva do Real Madrid (tem 84 anos), esteve nos elencos campeões de 1956 a 1960 e em 1966.

Atuou como titular em todas essa finais, marcou um gol em duas delas (1957 e 1958) e em 1966 foi o capitão da equipe.