Torcedor promete tatuar imagem de treinador nos glúteos

Promessa de torcedor é coisa antiga no futebol. Sempre existiu. Entra ano, sai ano, os mais fanáticos anunciam o que farão caso seu time seja campeão – ou escape do rebaixamento.

As promessas mais comuns envolvem o cabelo: cortar tudo (ficando careca), não cortar por um ano (ou mais), pintar de uma cor não usual (verde, vermelho, roxo, lilás, laranja, amarelo)… Deixar crescer a barba e não raspá-la por determinado período também vale.

No Brasil, onde a religião católica é predominante, há a famosa ida a pé até a cidade de Aparecida (interior de São Paulo), para fazer o agradecimento a Nossa Senhora. Longas caminhadas, aliás, estão entre as promessas favoritas.

Doações de cestas básicas e de dinheiro para hospitais ou organizações não governamentais também entram no rol dos pactos estabelecidos pelo torcedor com ele mesmo se a “dádiva” for alcançada.

Teve um, do Paysandu, que até mergulhou nas águas gélidas da Antártida quando o time paraense subiu da terceira para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, em 2014.

No exterior, as promessas também existem, e uma entrou para o anedotário da bola neste fim de semana.

Fã fanático do Birmingham, Kevin Tomlinson propagou a sua: tatuaria no corpo a imagem do treinador da equipe, Garry Monk, se o time conseguisse se safar do rebaixamento para a terceira divisão na Inglaterra.

Nada muito especial, certo? Sim, a não ser o local escolhido pelo torcedor para a tatoo: as nádegas.

Para sorte (ou azar) de Tomlinson, o Birmingham derrotou o Fulham por 3 a 1 na rodada final da Championship (a segunda divisão inglesa) e escapou da degola.

Restou a Tomlinson ir adiante com a promessa.

Por meio de uma plataforma de arrecadação de verba para projetos (GoFundMe), expandiu-a ao público, com a finalidade de obter as £ 100 (R$ 482) necessárias para eternizar o rosto de Monk nos glúteos.

Porém o divertido da história ainda estava por vir. Espirituoso, o treinador soube da promessa e decidiu contribuir com ela.

Monk destinou £ 80 do próprio bolso para ajudar o torcedor a chegar ao preço orçado.

O jovem técnico de 39 anos, ex-zagueiro e capitão do Swansea (País de Gales), ainda postou em rede social a seguinte mensagem, levando a brincadeira adiante: “Acabei de pagar, amigo! Mas há uma condição: todos os bluenoses querem ver a prova!!!”.

Bluenose (“nariz azul” em inglês) é o apelido dos torcedores do Birmingham, cujo uniforme é azul.

Ao saber da doação do treinador, Tomlinson agradeceu, também por meio de rede social (em publicação na página de Shane Cuzick, talvez um colega dele, também fã do Birmingham): “Que lenda. Obrigado, Garry Monk”.

Pela repercussão que a promessa teve, é possível que o torcedor seja pressionado (pelo instrumento de pressão da vez, as redes sociais) a exibir que ela foi cumprida… O que seria a  perfeita combinação do excêntrico com o vexatório.

No que não vejo nenhum problema. O futebol precisa de mais bom humor! Parabéns ao fã pela sacada e ao técnico pela sagacidade.