O destrato do holandês Van Gaal com o brasileiro Rafael

Louis van Gaal. Técnico holandês. Sessenta e seis anos.

Comandou os holandeses Ajax e AZ, o espanhol Barcelona, o alemão Bayern e o inglês Manchester United.

Ganhou uma Liga dos Campeões da Europa, uma Copa Intercontinental (ambos com o Ajax, em 1995), uma Copa da Uefa (atual Liga Europa), quatro Campeonatos Holandeses, dois Espanhóis, um Alemão, uma Copa da Inglaterra, entre outros títulos.

Dirigiu por duas vezes a seleção holandesa. A última passagem se encerrou com o terceiro lugar na Copa do Mundo do Brasil, em 2014, vitória por 3 a 0 sobre a seleção canarinho.

Um currículo respeitável, que deveria ser considerado acima de tudo quando se fala dele.

Para os brasileiros que acompanham futebol há algum tempo, entretanto, Van Gaal é lembrado por outro motivo.

É o treinador que não gostava de Rivaldo, um dos grandes craques do Brasil nos anos 1990 e 2000, eleito o melhor jogador do mundo em 1999 e campeão mundial pela seleção na Copa de 2002 (Coreia/Japão).

É sabido que foi por causa da incompatibilidade com Van Gaal que Rivaldo deixou o Barcelona, onde era ídolo, em 2002.

O ex-atleta, que já chamou o holandês de arrogante e orgulhoso, relatou em uma entrevista ao jornal espanhol Mundo Deportivo que após uma vitória por 3 a 0 sobre o Real Madrid o treinador lhe afirmou que não gostou de ele ter feito um gol. Rivaldo questionou por quê. A resposta: porque você jogou fora da posição que eu mandei.

Fiz essa introdução para relatar um caso mais recente envolvendo Van Gaal e um futebolista brasileiro, o lateral-direito Rafael.

Promissor em sua posição, ele disputou a Olimpíada de Londres, em 2012, na qual o Brasil comandado por Mano Menezes faturou a prata.

Cria do Fluminense e atualmente no Lyon (França), Rafael – que tem um irmão gêmeo também jogador, Fábio – defendeu o Manchester United de 2008 a 2015.

Em entrevista à ESPN, declarou que gostava muito da equipe. E que só saiu por causa de Van Gaal.

Rafael, hoje com 27 anos, relatou dois episódios que tornaram sua estadia em Manchester inviável.

O treinador holandês Louis van Gaal durante o jogo Stoke 2 x 0 Manchester United, pelo Campeonato Inglês (Carl Recine – 5.dez.2015/Reuters)

O primeiro, não muito tempo após a chegada do treinador ao Man United, na metade de 2014.

“Van Gaal me chamou ao seu escritório e disse: ‘Você pode sair [do clube]’. O encontro durou um minuto. Demorou um tempo para que eu saísse, mas eu estava desesperado para sair. O que me entristeceu, porque gostava de tudo relacionado ao Manchester United.”

O segundo, no começo de 2015, depois de uma rara partida em que foi titular (só sete em uma temporada completa) e da qual saiu machucado.

“Van Gaal costumava falar conosco [jogadores] depois das refeições. Eu tive uma contusão na cabeça e estava passando a mão nela. Depois de quatro segundos, ele me bateu na cabeça e disse: ‘Por que você não me respeita?’. Eu me levantei e falei: ‘Sempre te respeitei’. Sou um cara calmo, mas fiquei nervoso.”

Rafael contou que logo após o ocorrido seu colega de time Antonio Valencia, equatoriano e também lateral-direito, lhe disse que ele não iria mais ser escalado por Van Gaal.

E não foi mesmo.

Depois de amargar alguns meses só treinando, Rafael foi negociado pelo Man United com o Lyon por € 3 milhões, mesmo valor que o clube inglês tinha pagado ao Fluminense, sendo que seu valor de mercado à época era € 10 milhões.

Em agosto de 2015, três dias após a transferência, ele conta ter recebido uma mensagem de texto de Van Gaal. Escreveu o desafeto, segundo o brasileiro: “Você sabe como é o futebol”.

E aí terminou essa história.

O lateral-direito Rafael, em foto que o Lyon exibe na página que apresenta o perfil de seus jogadores (Reprodução/Site do Olympique Lionnais)

Na França, Rafael encontrou alívio e voltou a ser titular. Em 2016, foi vice-campeão francês. Em 2017, o Lyon acabou em quarto lugar. Nesta temporada, o time é o atual terceiro colocado – o Paris Saint-Germain já se sagrou campeão.

O contrato de Rafael com o Lyon vai até 2019. Já Van Gaal (cujo nome completo é Aloysius Paulus Maria van Gaal) está desempregado.

Encerrada a temporada 2015/2016, o Manchester United o demitiu, substituindo-o pelo português José Mourinho.

Em tempo: Quando estive em Manchester, em 2010, na mesma viagem em que tive a oportunidade de me encontrar com o lendário Sir Bobby Charlton, entrevistei Ryan Giggs, então um dos jogadores mais respeitados e experientes dos Diabos Vermelhos. Ponta-esquerda, ele foi só elogios a Rafael, a quem enfrentava nos treinamentos, classificando-o de “rápido e durão”.