Dos 10 times que mais investiram nos elencos, 6 são da Inglaterra; City lidera

Dos dez times que mais investiram para montar seus elencos, considerando as cinco principais ligas europeias (Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália), seis são ingleses.

É o que mostra estudo recém-publicado pelo Observatório de Futebol Cies (Centro Internacional de Estudos Esportivos).

O Manchester City ocupa o topo do ranking, tendo gasto € 878 milhões (R$ 3,528 bilhões) para reforçar a equipe comandada pelo espanhol Pep Guardiola.

Nesta temporada, houve foco nas contratações para o setor defensivo, sendo a mais recente a do zagueiro francês Laporte (€ 65 milhões), no mês passado. Ele estava no Athletic Bilbao, da Espanha.

Outros reforços para a defesa do Man City foram os brasileiros Ederson (goleiro, € 40 milhões) e Danilo (lateral-direito, € 30 milhões), o inglês Walker (lateral-direito, € 51 milhões) e o francês Mendy (lateral-esquerdo, € 57,5 milhões). Nenhum deles tem mais que 26 anos, a idade de Danilo.

Também ocupam o top 10 os seguintes clubes da Inglaterra: Manchester United (3º, € 747 milhões), Chelsea (5º, € 592 milhões), Liverpool (7º, € 461 milhões), Arsenal (9º, 403 milhões) e Everton (10º, € 365 milhões).

Os “intrusos” entre os dez primeiros são Paris Saint-Germain (€ 805 milhões), Barcelona (4º, € 725 milhões), Real Madrid (6º, € 497 milhões) e Juventus (8ª, € 448 milhões).

Geralmente, um elenco caro traz retorno esportivo.

Real Madrid e Juventus foram os finalistas da Liga dos Campeões 2016/2017. O Real é o atual bicampeão mundial e europeu e venceu o último Campeonato Espanhol e as últimas Supercopas da Europa e da Espanha; a Juventus reina nesta década no Campeonato Italiano (são seis conquistas seguidas); o Chelsea é o atual campeão inglês; o Manchester United detém os títulos da Liga Europa e da Copa da Liga Inglesa; o Arsenal, o da Copa da Inglaterra.

No top 10 da lista do Cies, o investimento, até agora, só não trouxe resultado para o Everton. E não trará a curto prazo, já que o time de Liverpool não tem chance de ganhar nenhuma Copa nem o Campeonato Inglês, no qual é somente o nono colocado.

O clube gastou alto em nomes que não vingaram, como os meias Sigurdsson (islandês, quase € 50 milhões) e Klaasen (holandês, € 27 milhões). Sua mais nova aposta é o atacante Walcott (ex-Arsenal, € 23 milhões).

O Liverpool, rival local do Everton, não está na mesma situação porque se mantém vivo na Liga dos Campeões – terá confronto com o Porto que promete ser equilibrado – e faz um Inglês decente, situando-se na zona de classificação para a próxima Champions.

No top 5 do ranking, o Manchester City lidera com folga o Campeonato Inglês e está vivo nas outras competições que disputa: Champions League, Copa da Inglaterra e Copa da Liga Inglesa, sendo finalista desta última.

O mesmo ocorre com o Barcelona, líder isolado do Espanhol, finalista da Copa do Rei e presente nos mata-matas da Champions – enfrentará o Chelsea.

O PSG, de Neymar (que custou € 222 milhões), é o virtual campeão francês e tem chance de ganhar as duas Copas disputadas no país. Nesta temporada, já faturou a Supercopa da França. Mas seu maior objetivo é erguer pela primeira vez o troféu da Liga dos Campeões. Precisará eliminar quatro adversários para que isso aconteça, sendo o primeiro o Real Madrid.

O time que menos investiu na montagem do elenco é o Troyes: € 2 milhões. São € 5 milhões a menos que os também franceses Strasbourg e Amiens e que o italiano Crotone, e € 7 milhões a menos que o espanhol Las Palmas. Todos lutam contra o rebaixamento.