Na França, árbitro tropeça em beque brasileiro, revida com chute e o expulsa

Devido a um problema físico, Neymar ficou fora da partida deste domingo (14) do Paris Saint-Germain contra o Nantes, pelo Campeonato Francês.

Havia em campo dois atletas do PSG que também defendem a seleção brasileira: o lateral-direito Daniel Alves e o zagueiro Marquinhos.

Quem roubou a cena, contudo, foi outro jogador brasileiro, este um desconhecido em seu país natal: o beque Diego Carlos, de 24 anos, do Nantes.

Ele protagonizou o lance mais comentado da partida – de inevitável teor cômico.

No último minuto do segundo tempo, em um contra-ataque do PSG puxado pelo jovem craque Mbappé, Diego Carlos acelerava sua volta ao campo de defesa, com os olhos voltados para a ponta esquerda, por onde o francês de 19 anos do PSG escapulia.

Não viu que pouco à sua frente, em marcha também acelerada, estava o árbitro do jogo, o careca Tony Chapron, de 45 anos. Que, súbito, mudou de direção, para observar melhor o lance. E tropeçou na perna direita de Diego Carlos.

Chapron rolou por dois segundos e ainda no chão, em atitude curiosa e engraçada, tentou dar um chute (aplicar uma rasteira?) no zagueiro, que passava ao seu lado. Atingiu-o de leve.

Recomposto, e sem ter conseguido “dar o troco na mesma moeda”, não hesitou: com a certeza de que Diego Carlos o derrubara intencionalmente, mostrou-lhe o segundo cartão amarelo (o jogador já havia sido admoestado no primeiro tempo) e, consequentemente, o cartão vermelho.

O brasileiro, que defende o Nantes desde a temporada 2016/2017 (tendo passado antes por Paulista de Jundiaí, Madureira-RJ, Porto B e Estoril), e companheiros de time ainda tentaram argumentar, sem êxito.

O árbitro Tony Chapron mostra o cartão vermelho a Diego Carlos, do Nantes, na partida contra o PSG (Stephane Mahe – 14.jan.2018/Reuters)

É em momentos como esse que a videoarbitragem, da qual tenho sido um insistente crítico, teria um uso adequado. Bastaria o videoárbitro falar pelo ponto eletrônico a Chapron: “Colega, foi um pequeno incidente. Volte atrás, reconsidere a expulsão”.

Nada feito. O Campeonato Francês ainda não usa o recurso eletrônico, que está previsto para a temporada 2018/2019.

Se o bom senso prevalecer, a federação de futebol da França verá o vídeo nesta segunda (15) e tomará a acertada decisão de anular o vermelho dado a Diego Carlos, aproveitando também para reprimir o árbitro (que atuou, antes de mudar de carreira, como orientador educacional) pela atitude antiesportiva de tentar acertar o brasileiro com um pontapé.

Em tempo: O PSG ganhou por 1 a 0 o jogo em Nantes, gol de Di María, e continua com larga folga na liderança do Francês. Está com 53 pontos, contra 42 do Monaco, atual vice-líder.