Alemanha sobe o prêmio para a conquista do penta na Rússia

Luís Curro

A Alemanha, atual campeã mundial, já definiu o prêmio a ser pago aos jogadores caso obtenha o pentacampeonato na Copa do Mundo, em junho/julho de 2018.

Cada um ganhará € 350 mil (R$ 1,35 milhão) pelo título na Rússia.

O valor é 17% superior ao recebido pela conquista no Mundial do Brasil, em 2014, quando os alemães superaram o Brasil na semifinal, com o humilhante e histórico 7 a 1, e a Argentina na decisão (1 a 0, na prorrogação, gol de Götze).

Na ocasião, os atletas embolsaram, cada um, € 300 mil.

Assim, desta vez, apenas para os jogadores (serão 23 os convocados), o prêmio será de € 8,05 milhão.

Trata-se de 25% do que a federação alemã arrecadará se mais uma vez a seleção erguer a Taça Fifa. A entidade que controla o futebol mundial ofertará € 32 milhões (R$ 124 milhões) ao vencedor do próximo Mundial.

No total, a Fifa distribuirá € 340 milhões (R$ 1,32 bilhão) aos participantes da Copa russa, 12% a mais que na edição anterior.

Nenhuma seleção deixará o Mundial de mãos vazias. Mesmo as que caírem na primeira fase (serão 16 das 32) receberão seu quinhão – no caso, € 6,8 milhões (R$ 26,4 milhões).

Em tempo 1: Na história das Copas, só a Itália e o Brasil conseguiram ganhar duas vezes seguidas a competição. A Squadra Azzurra, na Itália-1934 e na França-1938. A seleção canarinho, na Suécia-1958 e no Chile-1962. A Alemanha tentará igualar esses feitos. Os germânicos também lutarão para empatar com os brasileiros no número total de títulos: 5. Triunfaram na Suíça-1954, na Alemanha-1974 (ainda quando o país era dividido em duas metades, a oriental e a ocidental), na Itália-1990 e no Brasil-2014.

Em tempo 2: Com um prêmio de € 350 mil (R$ 1,35 milhão), cada jogador alemão, se quiser, poderá trocar de carro, ou colocar mais um na garagem. Essa quantia permite escolher um modelo esportivo 0 km entre fabricantes como Bentley, Maserati, Aston Martin e Mercedes. Uma Ferrari exigirá um pouco (ou muito) mais.

Em tempo 3: Na Copa de 2014, cada jogador brasileiro ganharia R$ 1,1 milhão se a seleção chegasse ao topo do pódio. Na última conquista nacional, na Coreia/Japão-2002, cada um faturou R$ 150 mil.