Maldição persiste, e México sucumbe pela quarta vez em um 29 de junho

Por Luís Curro

O dia 29 de junho é de péssimas recordações para a seleção mexicana de futebol, tanto que a data é considerada amaldiçoada para a equipe apelidada de “El Tri”.

A derrota para a Alemanha na segunda semifinal da Copa das Confederações, na Rússia, evento-teste para o Mundial de 2018, só corroborou o histórico de decepções no penúltimo dia do mês corrente.

Logo com oito minutos de jogo, o time dirigido por Juan Carlos Osorio, ex-São Paulo, já perdia por 2 a 0, gols do meia Goretska, 22, um dos ótimos nomes da nova safra da Alemanha.

Timo Werner, 21, ampliou aos 14 minutos do segundo tempo. O gol de honra dos mexicanos saiu aos 43 minutos (Fabián). Ainda houve tempo para Younes, 23, marcar aos 45 minutos. Goleada alemã: 4 a 1.

Orações, como a de Layun, não ajudaram os mexicanos, e a maldição de 29 de junho persiste (Reprodução/Site da Fifa)

A derrota em Sochi foi a quarta na história do México, em um 29 de junho, em uma competição relevante nos últimos 20 anos, a terceira para os alemães.

  • Copa do Mundo de 1998 (França) – Oitavas de final: Alemanha 2 x 1 México, de virada, com o gol da vitória alemã aos 41 minutos do segundo tempo
  • Copa das Confederações de 2005 (Alemanha) – Disputa do 3º lugar: Alemanha 4 x 3 México, na prorrogação, após 3 a 3 no tempo normal
  • Copa do Mundo de 2014 (Brasil) – Oitavas de final: Holanda 2 x 1 México, de virada, com o gol da vitória holandesa nos acréscimos do segundo tempo
  • Copa das Confederações de 2017 (Rússia) – Semifinal: Alemanha 4 x 1 México, sem virada e sem prorrogação

“Vamos aprender com os erros e seguir em frente”, afirmou Fabián, autor do solitário gol mexicano, depois da derrota desta quinta.

Sim, é sempre necessário tentar corrigir os erros, minimizar as falhas, a fim de em uma próxima oportunidade contar outra história. Pois, para o México, no dia 29 de junho ela tem sido sempre a mesma, e sem final feliz.

Na procura do acerto, para os mexicanos supersticiosos, o maior deles pode ser atuar nos bastidores, para que a Fifa não marque nenhum jogo para a fatídica data…

Maldição à parte (um tipo de ingrediente serve para ampliar a graça e o folclore do futebol), o México perdeu a chance de obter seu segundo título na Copa das Confederações – ganhou em 1999, superando o Brasil na decisão. A disputa do terceiro lugar será no domingo (2), às 9h (horário de Brasília), contra Portugal, em Moscou.

No mesmo dia, em São Petersburgo, a Alemanha pegará o Chile, às 15h, na final, que definirá um campeão inédito para a Copa das Confederações.

Leia também – Vexame do México, o maior da Copa América em quatro décadas, fica fora do top 10

Em tempo: Edgard Alves, colunista da Folha, lembra-me que em um 29 de junho o Brasil conquistou sua primeira Copa do Mundo. Nesse dia, 59 anos atrás, em Solna (Suécia), o capitão Bellini erguia a Taça Jules Rimet no estádio Rasunda. A seleção de Pelé, Garrincha, Didi, Gylmar, Nilton Santos, Vavá, Zagallo e cia. superou os anfitriões por goleada: 5 a 2.