Suspenso, Messi dá desculpa esfarrapada: ‘Xinguei o ar’

Por Luís Curro

“Xinguei o ar.”

Messi justificou assim, em carta à Fifa, os palavrões proferidos em Argentina 1 x 0 Chile, pelas eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia-2018, na quinta-feira (23), que resultaram em decisão da entidade máxima do futebol de suspendê-lo por quatro partidas.

É uma desculpa ingênua e que não tem nenhuma coerência, já que as câmeras de TV flagraram claramente o jogador do Barcelona insultando o bandeirinha Emerson Augusto de Carvalho.

Messi insulta o bandeirinha Emerson Augusto de Carvalho no final de Argentina 1 x 0 Chile, em Bueno Aires (Juan Mabromata – 23.mar.2017/AFP)

O brasileiro, em uma disputa de bola entre Messi e o chileno Beausejour, apontou falta do argentino, que discordou e perdeu a compostura. No fim da partida, o cinco vezes melhor jogador do mundo recusou-se a cumprimentar Carvalho.

A Argentina anunciou que vai recorrer à Corte de Arbitragem do Esporte da sanção imposta pela Fifa a seu melhor jogador – se com Messi já está difícil obter uma vaga para o Mundial russo, sem ele a tarefa se complica ainda mais.

Seus representantes precisarão, porém, estabelecer uma defesa mais sólida.

X

Devem orientar Messi a se dizer arrependido e se basearem no histórico de “bom moço” de Messi para solicitar uma redução ou supressão da suspensão.

Afinal, o “ar” (que, sim, invariavelmente é alvo dos palavrões de futebolistas) não tem culpa se a Pulga (apelido do camisa 10), cuja personalidade geralmente é tranquila, teve um momento de descontrole.

A Associação de Futebol Argentino poderia propor, conforme sugeriu Jorge Valdano, autor do gol do título da seleção argentina na Copa do Mundo de 1986, no México, que Messi fosse obrigado a fazer “trabalhos comunitários”.

Uma boa ideia, aliás. O craque poderia ir a escolas palestrar sobre “educação e respeito”. Estaria ensinando aos jovens e, simultaneamente, a si mesmo.

Leia também – No México, atletas são suspensos por um ano

X

Em tempo: Para definir a punição a Messi, a Fifa argumentou que o atacante violou o artigo 57 de seu Código Disciplinar, intitulado “Comportamento ofensivo e jogo limpo”. Diz o texto: “Qualquer um que insultar alguém, especialmente por meio de gestos e linguagem ofensiva, ou que violar os princípios do jogo limpo, ou que apresentar comportamento antiesportivo, fica sujeito a sanções especificadas no artigo 10º”. Esse artigo não fala em suspender o jogador, mas em adverti-lo, multá-lo (o que ocorreu, US$ 10 mil) ou fazê-lo devolver um prêmio. Assim, o artigo 11 do capítulo “Sanções”, que prevê suspensão de jogos, também foi aplicado.