Equipe de Kaká exibe em estádio tributo a mortos na boate gay Pulse

Por Luís Curro

O Orlando City, time em que joga o brasileiro Kaká (ex-São Paulo, Milan e Real Madrid), terá em seu estádio, que deve ser inaugurado em março, um espaço permanente em homenagem aos mortos na boate gay Pulse, no ano passado, na cidade da Flórida (EUA).

Vídeo do Orlando City mostra o setor 12 do novo estádio do clube norte-americano (Reprodução/Site do Orlando City Soccer Club)
Vídeo do Orlando City mostra o setor 12 do novo estádio do clube norte-americano (Reprodução/Site do Orlando City Soccer Club)

Funcionários do Orlando City exibiram, em filmagem publicada no site da equipe, 49 lugares pintados com as cores do arco-íris.

Uma relação direta com o movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), já que um dos símbolos do orgulho gay é a bandeira do arco-íris.

A quantidade de assentos alude ao número de pessoas assassinadas na Pulse por um atirador no dia 12 de junho.

X

Os lugares ficarão no setor 12 do Orlando Stadium, arena que, a um custo de US$ 155 milhões (quase R$ 500 milhões), pagos pelo clube que participa da MLS (Major League Soccer), abrigará 25.500 espectadores.

As imagens dizem mais que palavras: um ato sensacional, que transborda humanidade e que entra para a história.

Cadeiras nas cores do arco-íris homenageiam as vítimas de um atirador na boate Pulse (Rerpodução/Twitter do Orlando City Soccer Club)
Cadeiras nas cores do arco-íris homenageiam as vítimas de um atirador na boate Pulse (Reprodução/Twitter do Orlando City Soccer Club)

Leia também: Clóvis Rossi – O arco-íris e o islã

Leia também: Contardo Calligaris – Os responsáveis de Orlando

Leia também: Julio Wiziack – Homofobia

Em tempo: Suponho que esses 49 lugares fiquem sempre vazios, que não venham a ser comercializados nem ocupados por convidados ou VIPs, a fim de que os presentes no estádio, e também quem assistir ao jogo pela TV, caso as câmeras focalizem os assentos, possam sempre se lembrar do ocorrido na boate Pulse com pesar e refletir sobre o absurdo de ainda se matar pessoas devido à preferência sexual delas – sendo ou não um ato terrorista.