Brasil concorre com quatro ao Garoto de Ouro, mas sem chance de ganhar o prêmio

Por Luís Curro

Um ex-santista e um ex-são-paulino estão entre os jogadores de até 21 anos mais prestigiados na Europa.

O atacante Gabriel, o Gabigol, que defendeu a equipe da Baixada Santista até o final de agosto, e o meia Boschilia, que esteve no time do Morumbi até julho de 2015, concorrem ao prêmio Golden Boy (Garoto de Ouro), do jornal italiano “Tuttosport”.

A publicação oferece a premiação desde 2003, e entre os vencedores estão Messi (Argentina), Rooney (Inglaterra), Fàbregas (Espanha), Götze (Alemanha) e Pogba (França) – este último protagonizou recentemente a mais alta transferência da história do futebol.

Entre os brasileiros, dois ganharam o prêmio: o volante Anderson (ex-Grêmio, Manchester United e Fiorentina, hoje no Internacional), em 2008, e o atacante Alexandre Pato (ex-Internacional, Milan, Corinthians, São Paulo, Chelsea, atualmente no espanhol Villarreal), em 2009.

Além de Gabigol e Boschilia, dois outros brasucas estão na lista de 40 jogadores que concorrem ao Golden Boy, em escolha de jornalistas esportivos europeus: o volante Danilo Barbosa (ex-Vasco, Braga e Valencia, hoje no Benfica) e o atacante Nathan (ex-Atlético-PR, hoje no holandês Vitesse).

Gabibol, 20, ex-Santos, em seu segundo jogo pela Inter de Milão, contra o Bologna (Giuseppe Cacace - 25.set.2016/AFP)
Gabibol, 20, ex-Santos, em seu primeiro e até agora único jogo pela Inter de Milão, contra o Bologna (Giuseppe Cacace – 25.set.2016/AFP)

Só podem concorrer jogadores que atuem em campeonatos nacionais europeus, o que possivelmente explica a ausência de Gabriel Jesus, que, apesar de já negociado com o Manchester City, continuará até o fim deste ano no Palmeiras.

Os quatro brasileiros citados estão com 20 anos e têm em comum o fato de lutarem para obter a vaga de titular em seus respectivos clubes.

O mais próximo a isso é o catarinense Nathan, que, nas oito partidas do Vitesse na Eridivisie (o Campeonato Holandês), atuou em todas, tendo começado seis como titular.

Ele marcou dois gols até aqui, o mesmo número de toda a temporada 2015/2016, quando jogou desde o início apenas quatro vezes na competição.

O paulista Boschilia, que em alguns momentos atuou como substituto de Ganso no São Paulo, é outro que vive bom momento. Foi relacionado para seis das oito partidas do Monaco no Campeonato Francês – o time é o atual vice-líder, atrás do Nice. Atuou em quatro dessas seis. Começou como titular só em uma delas, e mesmo assim já balançou as redes duas vezes.

Pelo Standard de Liège, onde esteve por empréstimo na temporada passada, o ex-são-paulino fez dois gols no Campeonato Belga – participou de apenas dez jogos, começando sete deles.

Recém-chegado à Inter de Milão, o paulista Gabigol, que era titular inconteste no Santos e foi campeão olímpico na Rio-2016, ainda está se adaptando ao time, assim como o time (e o treinador holandês Frank de Boer) a ele.

Ficou na reserva em três jogos do Campeonato Italiano (Empoli, Bologna e Roma) e entrou apenas em um. Jogou muito pouco: em 16 minutos diante do Bologna, passou em branco.

Está claro que o trio ofensivo titular de De Boer é Candreva (da seleção italiana) pela direita, Perisic (da seleção croata) pela esquerda, e o argentino Icardi (artilheiro e capitão do time) pelo meio. Assim, tendo chance de entrar, mesmo que seja por poucos minutos, Gabigol terá de se destacar, para mostrar que merece estar em campo mais tempo. Precisará ser também útil defensivamente – Candreva e Perisic ajudam frequentemente na marcação.

O baiano Danilo Barbosa, que como Nathan, Boschilia e Gabigol defendeu as seleções sub-17 e sub-20 do Brasil, convive com o ocaso neste início de temporada no Benfica: o treinador Rui Vitória não o relacionou nenhuma vez para as partidas, nem sequer para esquentar o banco.

A última vez que o volante entrou em campo foi pelo Valencia (que o mantinha por empréstimo e o prestigiava), no Campeonato Espanhol, no dia 13 de maio, mais de quatro meses e meio atrás.

Cada um vive momento distinto, mas algum tem chance de faturar o Golden Boy? Não, nenhuma.

Há garotos que ao longo dos últimos meses tiveram bem mais destaque que os brasucas.

Minhas apostas para o prêmio deste ano são os ingleses Dele Alli, meia de 20 anos do Tottenham, e Rashford, atacante de 18 anos do Manchester United, o francês Coman, atacante de 20 anos do Bayern de Munique, e o português Renato Sanches, meia de 19 anos, também da equipe alemã.

Todos eles estiveram na Eurocopa deste ano, na França. Sanches foi o único a fazer gol, diante da Polônia, e ainda sagrou-se campeão.

Pelo desempenho geral, porém, o merecedor do título de “garoto de ouro” de 2016, é Alli, dez gols na sempre disputadíssima Premier League na temporada 2015/2016.

Dele Alli comemora seu gol na vitória do Tottenham sobre o Manchester City na Premier League (John Walton - 2.out.2016/Associated Press)
Dele Alli, 20, comemora seu gol na vitória do Tottenham sobre o Manchester City na Premier League (John Walton – 2.out.2016/Associated Press)

Em tempo: Os três últimos ganhadores do Golden Boy atuam na Inglaterra. O inglês Sterling defendia o Liverpool quando levou o prêmio de 2014 – hoje veste a camisa do Manchester City. O francês Martial, vencedor em 2015, jogava, e ainda joga, pelo Manchester United. E o também francês Pogba, então na Juventus, hoje no Man United, ficou com o troféu em 2013.