Clube sueco faz ação inclusiva com a terceira idade

Por Luís Curro

Ao entrar em campo, antes dos jogos, é praxe em muitas ocasiões os futebolistas estarem acompanhados de crianças.

É uma forma de cada clube aproximar os torcedores mirins de seus ídolos, de fortalecer os laços com os fãs.

Alguns jogadores, erroneamente, fazem desse ato algo trivial, mal olham para os pequenos, que estão ávidos por atenção.

Outros, porém, conversam por alguns instantes no túnel de acesso ao gramado com o menino ou a menina, perguntam-lhes algo, tornam o momento inesquecível. A criança guardará essa emoção para sempre na memória.

Na Suécia, o AIK, clube da cidade de Solna, decidiu fazer uma ação inovadora: em vez de os jogadores entrarem no campo com garotos e/ou garotas, entraram com idosos.

No domingo (18), antes da partida com o Gefle pelo Campeonato Sueco, quem esteve na Friends Arena (Estádio dos Amigos) pôde ver antigos (bem antigos) torcedores do AIK, todos com idade entre 81 e 96 anos, acompanharem os titulares do time, de braços dados, rumo ao campo.

Jogadores do sueco AIK entram em campo com torcedores que têm entre 81 e 96 anos (Magnus Neck - 18.set.2016/Reprodução site do AIK)
Jogadores do sueco AIK entram em campo com torcedores que têm entre 81 e 96 anos (Magnus Neck – 18.set.2016/Reprodução/Site do AIK)

Alguns andavam com o auxílio de bengalas. Outros tiraram o chapéu e acenaram para a plateia. Os pouco mais de 13 mil presentes os ovacionaram. Emocionante.

“Que gesto amável”, disse Ake Jigstedt, 96. “Torço para o time desde 1936 e isso foi realmente muito especial.”

1936. Oitenta anos atrás. Só duas Copas do Mundo tinham sido disputadas (1930, vitória do Uruguai, e 1934, vitória da Itália). A Segunda Guerra Mundial ainda não havia começado. Getúlio Vargas era o presidente do Brasil – em seu primeiro governo. Pelé, o Rei do Futebol, não tinha nascido. Faz tempo mesmo.

Na Friends Arena, os velhinhos entraram vagarosamente, tiraram fotos com os jogadores no campo. Estavam felizes, realizados. Sentiram-se recompensados por décadas de fidelidade. O AIK praticamente prestou uma homenagem à sua velha guarda.

Esse é um exemplo a ser seguido por clubes de todo o mundo – inclusive os do Brasil, onde a terceira idade precisa ser valorizada e ser alvo de ações e projetos de inclusão na sociedade.

Em tempo: Para tornar o dia dos velhos torcedores perfeito, o AIK fez sua parte. Ganhou a partida por 1 a 0, gol do atacante Markkanen aos 36 minutos do segundo tempo. O time ocupa a terceira posição no Sueco e luta por uma vaga na próxima Liga Europa, o segundo interclubes em importância no continente.