Os caras de Dunga – Treinador elogia Ricardo Oliveira e Roberto Firmino ao falar sobre Marcelo

Por Luís Curro

O treinador da seleção brasileira, Dunga, tocou em um tema polêmico no fim da semana passada: a não convocação do lateral esquerdo Marcelo, do Real Madrid, para as partidas contra Uruguai e Paraguai, no fim de março, pelas eliminatórias da Copa do Mundo da Rússia.

Com dois empates por 2 a 2, o Brasil caiu na tabela e está atualmente na sexta colocação, que não classifica para o Mundial de 2018.

O titular de Dunga na posição nesses jogos foi Filipe Luís, que não atuou bem: além de não ser eficaz no apoio, falhou na defesa, estando mal posicionado em um gol do Uruguai e escorregando em um gol do Paraguai.

Em uma entrevista ao UOL, empresa do Grupo Folha, que edita a Folha, Dunga justificou a ausência de Marcelo, que tinha ficado mal explicada. Citou o comportamento dos atacantes Ricardo Oliveira (Santos), artilheiro do Brasileiro-2015, e Roberto Firmimo (Liverpool) para criticar, indiretamente, o jogador do clube espanhol.

“(Marcelo) não comunicou ao doutor (Rodrigo Lasmar, médico da seleção) se estava bem, o doutor não me comunicou. É responsabilidade. (…) Por isso a comunicação é muito importante. Jogadores como Firmino, Ricardo Oliveira estavam em contato com o doutor passando a situação (física) sempre. O jogador que quer estar na seleção deve ter atitude, responsabilidade e comprometimento”, afirmou Dunga.

Ricardo Oliveira, a menos de um mês de completar 36 anos, é o mais velho jogador entre os convocados recentemente por Dunga. Firmino tem enfrentado problemas de lesão nos últimos meses – incluído na última lista do treinador, acabou cortado.

X

Fica o recado a Marcelo. Da próxima vez que o departamento médico do Brasil fizer contato, deve afirmar claramente, mesmo se estiver na fase final de recuperação de uma contusão: “Estarei bem para os jogos. Pode falar ao Dunga que pode contar comigo”.

Melhor ainda: ser ativo e, semanalmente, telefonar para Lasmar (ou para Dunga) e passar informações de como está. Isso, como pede o técnico, mostraria “atitude e comprometimento”. Uma chamada de um minuto de duração, a cada sete dias, basta. Não parece muito.

Em tempo 1: Dunga disse na mesma entrevista que a razão para não convocar o zagueiro Thiago Silva (PSG), capitão do Brasil na Copa de 2014, não é somente técnica. “É só analisar os comentários anteriores que vamos chegar a uma conclusão”, afirmou. Minha opinião: Dunga considera que Thiago Silva pode ser um desagregador no grupo, por em convocação anterior ter externado sua insatisfação em ficar na reserva e perder a braçadeira de capitão. Miranda, o atual beque central titular, é homem de confiança de Dunga. Chamar Thiago Silva será criar uma situação de desconforto para o zagueiro da Inter de Milão. 

Em tempo 2: Os principais destaques dos últimos sete dias entre os mais recentes convocados de Dunga foram Philippe Coutinho (um gol e uma assistência na vitória do Liverpool sobre o Borussia Dortmund na Liga Europa), Hulk (um gol e uma assistência em vitória do Zenit no Campeonato Russo), Jonas (um gol em vitória do líder Benfica no Campeonato Português), Renato Augusto (marcou, de pênalti, seu primeiro gol em uma partida oficial pelo Beijing Guoan, da China), Fernandinho (sofreu um pênalti pelo Manchester City em jogo do Inglês), Alisson (do Internacional, que não levou gol na partida de ida da semifinal do Gaúcho), Diego Alves (fez várias defesas difíceis na vitória do Valencia sobre o Barcelona no Espanhol), Miranda (a Inter não tomou gol contra o Napoli), Marquinhos (o PSG não sofreu gol contra o Caen). Em baixa: Daniel Alves (relegado à reserva em Barcelona x Valencia), Danilo (reserva no Real Madrid no jogo de volta das quartas de final da Champions League contra o Wolfsburg ), Neymar (há seis jogos sem fazer gol), Alex Sandro (reserva na goleada da Juventus sobre o Palermo) e Oscar (alegando estar doente, não ficou nem no banco na derrota do Chelsea para o Manchester City).