Nomes para Sempre: Paciência

Por Luís Curro

Pense no futebol de Portugal na atualidade. Qual o nome que vem à mente? Cristiano Ronaldo.

Mais algum? Possivelmente não. O supercraque do Real Madrid é a única referência na seleção lusa.

Olhando para o passado, há outros dois expoentes.

Eusébio (1942-2014), uma lenda, que conduziu Portugal ao seu melhor resultado em Copas do Mundo, o terceiro lugar na Inglaterra, em 1966, passando inclusive pelo Brasil bicampeão mundial na fase de grupos: 3 a 1 (com dois gols de Eusébio).

E Luis Figo, já aposentado, que vestiu as camisas de Barcelona (anos 1990) e Real Madrid (anos 2000) e foi o capitão da seleção portuguesa quarta colocada na Copa da Alemanha, em 2006, sob o comando do brasileiro Luiz Felipe Scolari (Felipão).

O problema atualmente é a carência de bons atacantes que possam desonerar o CR7, que marcou 56 gols em 125 partidas por Portugal – é o maior goleador da história do país.

Na última lista de convocados do treinador Fernando Santos, para amistosos contra Bulgária (0 a 1) e Bélgica (2 a 1), o único relacionado para o ataque, além do CR7, foi Éder, de 28 anos, do Lille (França), que nem titular foi – entrou nas duas partidas no segundo tempo.

Éder é um jogador mediano, que em 23 aparições com a camisa da seleção balançou as redes uma única vez.

Portugal teve neste século alguns homens de área que faziam gols com alguma frequência, como Pauleta, Nuno Gomes e Hélder Postiga. Os dois primeiros já estão aposentados, e o último, que tem 33 anos, não é chamado para a seleção desde novembro de 2014.

O cenário indica que Portugal passa por um período de entressafra de centroavantes, no qual é necessário ter uma dose de paciência.

Paciência. Talvez seja esse o caminho.

Gonçalo Paciência, de 21 anos, com seu 1,84 m e 79 kg, tem porte de centroavante. É um autêntico camisa 9. Chuta bem com as duas pernas, sabe usar o corpo, tem bom cabeceio. E não é um “poste”, aquele cara que fica estático, perto do gol, esperando a bola sobrar para empurrar para as redes. É capaz de deixar a área, driblar, tabelar.

Nascido na cidade do Porto, a segunda cidade mais populosa de Portugal, começou nas categorias de base do Futebol Clube do Porto, um dos três grandes de Portugal, aos 8 anos de idade.

Com faro artilheiro, defende as seleções menores de seu país desde 2010: sub-17, sub-19, sub-21. Em um total de 18 partidas, são dez gols marcados.

Em 2015, participou do Campeonato Europeu sub-21, na República Tcheca, no qual a seleção lusa ficou com o vice-campeonato – perdeu a final para a Suécia na disputa de pênaltis (Paciência foi o primeiro a bater por Portugal e converteu), após 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação.

Seu grande momento nessa competição ocorreu no terceiro e último jogo na fase de grupos, no dia 24 de junho, também diante dos suecos.

Opção de banco do treinador Rui Jorge, Paciência teve de esperar pacientemente até os 13 minutos do segundo tempo para entrar em campo, no lugar de Ivan Cavaleiro. Aos 37 minutos, brilhou: recebeu passe na entrada da área, cortou um zagueiro e chuto firme, no canto.

A Suécia ainda empatou, mas o resultado classificou as duas seleções para as semifinais – Itália e Inglaterra foram eliminadas. E não só isso: o gol de Paciência valeu também a classificação para a Olimpíada do Rio de Janeiro, neste ano.

Paciencia vibra com seu gol no 1 a 1 com a Suécia no Europeu sub-21, na República Tcheca (Lee Smith - 24.jun.2015/Reuters)
Paciência vibra com seu gol no 1 a 1 com a Suécia no Europeu sub-21, na República Tcheca (Lee Smith – 24.jun.2015/Reuters)

Paciência será convocado para desfilar seu promissor futebol pelos campos brasileiros em agosto? Há de se esperar, não é uma certeza absoluta.

Depois de bom desempenho no time B do Porto nas temporadas de 2013/2014 e 2014/2015 (14 gols em 35 jogos), imaginava-se que ele pudesse ter espaço na equipe principal em 2015/2016, especialmente depois de o goleador colombiano Jackson Martínez ser negociado com o Atlético de Madri – fracassou lá e atualmente está no futebol chinês.

Só que não. O então treinador do Porto, o espanhol Julen Lopetegui, decidiu que para esta temporada seu homem de área seria o camaronês Aboubakar, de 24 anos. A direção do clube optou então por emprestar Paciência ao pequeno Acadêmica de Coimbra, a fim de lhe dar rodagem.

Certamente um golpe duro no jovem atleta, que não esconde sua admiração pelo Porto.

Um exemplo disso: após vitória da seleção sub-21 de Portugal por 2 a 0 sobre a sub-21 da Hungria, em outubro, um repórter de TV pediu a Paciência que se posicionasse sob a luz, a fim de ter uma imagem melhor dele, e o jogador respondeu, bem-humorado: “Na Luz, não. Só se for no Dragão”. O estádio da Luz é a arena do Benfica, grande rival do Porto, que joga no estádio do Dragão.

Ao chegar ao Acadêmica, na metade do ano passado, talvez frustrado com a impossibilidade de defender o time do coração, Paciência adiantou: “Não sou nenhum salvador”. E jogou e tem jogado abaixo do que se esperava. Em 25 partidas pela equipe de Coimbra, fez somente três gols. O time ocupa a zona do rebaixamento, e o atacante não tem mais a titularidade assegurada.

Mesmo assim, há quem defenda que Paciência mereça não apenas disputar os Jogos Olímpicos do Rio mas também a Eurocopa, em junho, na França. É o caso de um leitor de 24 anos do “Record”, de Lisboa. O jornal publicou uma carta aberta dele endereçada ao treinador da seleção lusa, Fernando Santos, no dia 26 de março.

“Caro seleccionador, em vez de convocar Éder, por que não olha para seleção sub-21 e aprecia o talento do ponta de lança, Gonçalo Paciência? (…) Vamos precisar de um ponta de lança alto e forte fisicamente para defrontar equipas fortes no aspeto defensivo”, escreveu Bruno Domingues.

Estou com Bruno. Éder está muito aquém do que Portugal merece no setor ofensivo, então seria muito interessante ver o jovem Paciência em ação ao lado do CR7, confrontando na primeira fase da Eurocopa paredões desconhecidos como o islandês Sigurdsson (1,87 m, 85 kg), o austríaco Prödl (1,94 m, 85 kg) e o húngaro Guzmics (1,90 m, 88 kg). Passando por eles, ele teria pelo caminho grandes beques de grandes seleções.

Que Paciência seja pela primeira vez chamado para a seleção adulta de Portugal.

Afinal… Paciência é uma virtude. Sendo assim, é bom fazer uso dela… ou melhor, dele.

Leia também – Nomes para Sempre – Success

Leia também – Nomes para Sempre – Lasagna

Leia também – Nomes para Sempre – Kaikai

Em tempo: Pelo Português, o Acadêmica recebe o Benfica, líder do campeonato, às 14h30 deste sábado (9), e Gonçalo Paciência não terá chance de jogar, já que está suspenso por cartões amarelos. O SporTV 2 transmite a partida.