Kaká muda de posição para fazer mais gols nos EUA

Por Luís Curro

Novamente convocado por Dunga para a seleção brasileira, para os jogos das eliminatórias da Copa-2018 neste mês, Kaká quer jogar mais avançado, a fim de marcar mais gols do que na temporada passada, sua primeira na Major League Soccer (MLS), pelo Orlando City.

O meia-atacante de 33 anos, capitão da equipe, pretende ser mais atacante do que meia no campeonato norte-americano, que começa neste domingo (6).

“Conversei bastante com o treinador (o inglês Adrian Heath) porque eu quero mudar um pouco. Quero jogar mais adiantado, mais perto do gol, mais próximo a Cyle. Talvez eu toque menos vezes na bola durante os jogos, mas, quando tocar, será em momentos decisivos”, afirmou em entrevista ao canal Fox 35, de Orlando.

Cyle é o canadense Cyle Larin, de apenas 20 anos, artilheiro do time da Flórida na MLS de 2015, com 17 gols.

Kaká fez 9 gols em 28 partidas, sua melhor marca desde 2008/2009, quando marcou 16 gols em 31 jogos no Campeonato Italiano, pelo Milan. Porém esse desempenho não foi suficiente para conduzir o Orlando aos playoffs – a equipe ganhou 12 jogos, empatou 8, perdeu 14 e ficou em uma pouco honrosa sétima posição, entre dez times, na Conferência Leste.

Kaká diz estar pronto (ready) para a temporada de 2016 da MLS (Reprodução/Twitter de Kaká)
Kaká diz estar pronto (ready) para a temporada de 2016 da MLS (Reprodução/Twitter de Kaká)

De acordo com Kaká, os jogos da pré-temporada já testaram seu novo posicionamento, e com bons resultados. Em três partidas (duas vitórias e uma derrota), ele marcou quatro gols.

O brasileiro, presente em três Copas do Mundo (Coreia/Japão-2002, Alemanha-2006 e África do Sul-2010, nas duas últimas como titular), é o homem do Orlando nas bolas paradas, o que amplia suas chances de balançar as redes e de dar assistências.

Kaká afirmou que tem neste ano o objetivo de continuar a defender a seleção brasileira, tanto nos confrontos pelas eliminatórias como na Copa América Centenário, que celebrará os 100 anos da principal competição entre seleções do continente americano e será realizada nos EUA, em junho.

O técnico do Brasil, Dunga, tem declarado que a presença de Kaká no grupo se deve especialmente à sua experiência, e é o que ultimamente tem contado a favor do camisa 10 do Orlando, pois faz anos que ele não mostra o grande futebol que o fez, merecidamente, superar os ainda bem jovens Cristiano Ronaldo e Messi e ganhar o prêmio de melhor jogador do mundo, em 2007.

Assim, muitos gols e assistências na liga americana, que como a chinesa não tem o status das europeias ou mesmo do Campeonato Brasileiro, serão um trunfo importantíssimo, quiçá essencial, para o religioso Kaká conseguir cumprir suas metas. Pois, se apenas repetir o que fez em 2015, será, como tem sido, reserva na seleção.

Em tempo 1: O Orlando estreia contra o Real Sal Lake, em seu estádio, às 16 horas (de Brasília), sem TV. A ESPN + exibirá, às 19 horas, o jogo entre o atual campeão, o Portland, e o Columbus.

Em tempo 2: Serão 15 brasileiros, espalhados por 20 times, na MLS, entre eles Felipe Martins, do New York Red Bulls, entrevistado por este blogueiro em novembro. Kaká é, disparado, o mais conhecido deles. Há alguns com passagens por grandes clubes do Brasil, como o atacante Gilberto (ex-Inter e Vasco), do Chicago, e o meia-lateral Ilsinho (ex-São Paulo e Inter), do Philadelphia. E também incógnitos como Marcelo Sarvas (DC United), Leo Fernandes (Philadelphia), Ivan Magalhães (Houston) e Matheus Silva (San Jose), entre outros.