Os caras de Dunga – Com faro artilheiro, Willian desponta como opção para jogar centralizado

Por Luís Curro

Domingo, 21 de fevereiro. Local: Stamford Bridge, o estádio do Chelsea, em Londres. O duelo: Chelsea x Manchester City, mata-mata pela Copa da Inglaterra valendo vaga nas quartas de final.

O placar aponta 1 a 1 na partida em que os titulares do Chelsea encaram um City com meia dúzia de adolescentes, opção do treinador Manuel Pellegrini devido a um elenco recheado de contundidos e que nesta semana tem jogo difícil, na Ucrânia, contra o Dínamo de Kiev pela Champions League.

Três minutos do segundo tempo. O City tenta uma jogada ofensiva, porém perde a bola, e os Blues iniciam um contra-ataque. Fàbregas toca para Willian, que recebe ainda no campo do Chelsea e arranca com a redonda. Corre uns 30 metros, perseguido e cercado por três rivais, até tocar na direita, para Hazard.

Geralmente, o que Willian faria? Desaceleraria e se aproximaria de Hazard, lateralmente, para servir de opção ao belga, na tentativa de armar uma jogada, no caso de o colega decidir frear o contra-ataque.

Mas não. O camisa 22 viu um buraco na defesa e continuou indo adiante, oferecendo alternativa de devolução para Hazard, já que os atacantes Diego Costa e Pedro estavam mais distantes, ambos avançando pela meia esquerda.

Hazard percebeu, enfiou a bola na área, rasteira, e Willian, já sem marcação, pois os defensores ficaram para trás, dominou e, mesmo sem olhar para o goleiro, finalizou, um chute firme e colocado, pondo o Chelsea na frente.

Willian poderia não ter chutado, mas tocado a bola para o meio, já que Diego Costa tinha se posicionado para recebê-la. Preferiu, contudo, ser o definidor, e teve sucesso.

Willian domina a bola na partida contra o Manchester City, em Londres (John Sibley - 21.fev.2016/Reuters)
Willian domina a bola na partida contra o Manchester City, em Londres (John Sibley – 21.fev.2016/Reuters)

Esse lance pode ter sido um divisor de águas para a escalação da seleção brasileira.

Não faz muito tempo, lancei a questão sobre a formação ofensiva do Brasil, já que, como Neymar é intocável, e a posição onde rende melhor é pela esquerda do ataque, haveria apenas uma vaga para dois alas ofensivos, Willian e Douglas Costa.

Nos últimos três jogos, o treinador do Chelsea, Guus Hiddink, escalou Willian pelo meio, no lugar antes ocupado por Oscar (em prolongada má fase técnica), deixando Pedro e Hazard nos flancos.

Em dois deles, diante do City e do Newcastle, o ex-corintiano jogou muito bem: deu conta da distribuição das jogadas, dividindo a função com Fàbregas, e apareceu na área, pelo meio, em velocidade, para finalizar.

Contra o PSG, em Paris, pela Champions League, não exibiu o mesmo rendimento. Mesmo assim, a Uefa (entidade que rege o futebol na Europa) o colocou na “seleção da semana” da competição, que também teve outros dois brasileiros (o atacante Jonas, do Benfica, e o lateral esquerdo Marcelo, do Real Madrid).

“Para (Willian) melhorar, só precisa marcar mais gols, e para isso tem de se aproximar mais da meta rival e finalizar mais vezes.” Essas palavras foram escritas no post em que analisei jogador a jogador, da atual lista de Dunga, cujas equipes estão nas oitavas de final da Champions.

Antes, os gols de Willian, que precisam se multiplicar para que ele se torne um jogador completo, estavam saindo em cobranças de falta. Os dois últimos aconteceram com a bola rolando, e com ele sendo uma espécie de elemento-surpresa. Sendo servido em vez de servir.

Dessa forma, Dunga pode escalá-lo pelo centro, com Neymar na esquerda, Douglas Costa na direita e Ricardo Oliveira de centroavante. Pode dar certo.

Lucas Lima e Renato Augusto, nessa formação, seriam reservas.

Os próximos jogos do Brasil, ambos pelas eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia-2018, são em março, nos dias 25, contra o Uruguai, e 29, contra o Paraguai.

A seguir, o desempenho de cada jogador da última lista de Dunga (7 dos 23 atuam no Brasil) nos últimos sete dias:

Goleiros

Alisson (Internacional) – Inter 3 x 0 Avaí (Primeira Liga). O Avaí foi totalmente dominado pelo Inter, e Alisson, capitão do time, foi um espectador na partida. Fez uma única defesa, no começo do jogo. Inter 4 x 0 Cruzeiro (Gaúcho). O ataque do Cruzeiro gaúcho esteve inoperante, tanto que Alisson. afora uma defesa fácil no 2º tempo, apenas assistiu ao jogo. Regular

Cássio (Corinthians) – Cobresal 0 x 1 Corinthians (Libertadores). A pontaria dos jogadores da equipe chilena, muito ruim, facilitou a vida de Cássio, exigido uma única vez, no 1º tempo. Ferroviária 2 x 2 Corinthians (Paulista). Um jogo de altos e baixos para o goleiro corintiano. No 1º tempo, não teve trabalho. No 2º, fez uma boa defesa antes de falhar no gol de Juninho, o segundo da Ferroviária. Também falhou em uma saída para interceptar um cruzamento e fez uma outra boa defesa no final da partida. Regular

Jefferson (Botafogo) – Botafogo 2 x 1 Cabofriense (Estadual do Rio). Com o jogo 0 a 0, o capitão botafoguense fez boa defesa em conclusão de Charles Chad, autor do gol da Cabofriense – acertou o ângulo, sem chance para o goleiro. No 2º tempo, não foi ameaçado. Regular

Defesa

Daniel Alves (Barcelona-ESP) – Gijón 1 x 3 Barcelona (Espanhol). Ficou na reserva de Aleix Vidal. Las Palmas 1 x 2 Barcelona (Espanhol). De volta à equipe titular, teve atuação discreta. No 2º tempo, deu bom toque de cabeça para Suárez marcar, mas o artilheiro uruguaio desperdiçou. Recebeu um cartão amarelo após cometer falta. Regular

Miranda (Inter de Milão-ITA) – Inter 3 x 1 Sampdoria (Italiano). Esteve um pouco instável na marcação, tanto que, atrasado em uma jogada, levou cartão amarelo por cometer falta. Compensou com um gol, de cabeça, o segundo da Inter e o primeiro dele pela equipe italiana. Bom

Miranda 4
Miranda (dir.), da Inter de Milão, comemora seu gol com Felipe Melo (Giuseppe Cacace – 20.fev.2016/AFP)

David Luiz (PSG-FRA) – PSG 2 x 1 Chelsea (Champions League). Ao lado de Thiago Silva, conseguiu parar o perigoso Diego Costa. Sem culpa no gol de Mikel, após escanteio. Recebeu um cartão amarelo. PSG 4 x 1 Reims (Francês). O Reims quase não ameaçou a dupla Thiago Silva-David Luiz. O gol saiu em lance de bola parada, em falha do goleiro Trapp. Bom 

Filipe Luís (Atlético de Madri-ESP) – Atlético 0 x 0 Villarreal (Espanhol). Sumido no jogo, recebeu um cartão amarelo no 2º tempo após fazer uma falta. Regular

Danilo (Real Madrid-ESP) – Roma 0 x 2 Real Madrid (Champions League). Ficou na reserva de Carvajal. Málaga 1 x 1 Real Madrid (Espanhol). De novo, esquentou o banco de reservas por opção do técnico ZidaneSem avaliação

Gabriel Paulista (Arsenal-ING) – Arsenal 0 x 0 Hull City (Copa da Inglaterra). Contusão muscular o afastou dessa partida. Sem avaliação

Gil (Shandong Luneng-CHN) – A equipe não teve jogos na semana que passou. Sem avaliação

Douglas Santos (Atlético-MG) – Melgar 1 x 2 Atlético (Libertadores). Como na maior parte de suas atuações, discreto. Atlético 5 x 1 Boa Esporte (Mineiro). De novo discreto, deu lugar a Lucas Cândido aos 18 minutos do 2º tempo. Regular

Meio-campo

Luiz Gustavo (Wolfsburg-ALE) – Hertha 1 x 1 Wolfsburg (Alemão). Jogou o de sempre. Em marcha lenta, não comprometeu na marcação e pouco foi ao ataque. Receceu cartão amarelo nos acréscimos do 2º tempo. Regular

Luiz Gustavo (esq.) em disputa com Darida, do Hertha Berlin, na Bundesliga (Michael Sohn - 20.fev.2016/Associated Press)
O volante Luiz Gustavo (esq.) em disputa com Darida, do Hertha Berlin, na Bundesliga (Michael Sohn – 20.fev.2016/Associated Press)

Elias (Corinthians) – Cobresal 0 x 1 Corinthians (Libertadores). De volta de contusão, esteve discreto. Arriscou um chute a gol no começo do jogo, para fora. Foi substituído por Willians aos 35 minutos do 2º tempo. Ferroviária 2 x 2 Corinthians (Paulista). Uma fissura na fíbula da perna esquerda o afastou do jogo em Araraquara e deve afastá-lo por cerca de um mês do futebol. Regular

Fernandinho (Manchester City-ING) – Chelsea 5 x 1 Manchester City (Copa da Inglaterra). O treinador Manuel Pellegrini decidiu poupar vários titulares, inclusive Fernandinho, que ficou na reserva, e o City foi goleado e eliminado. Sem avaliação

Oscar (Chelsea-ING) – PSG 2 x 1 Chelsea (Champions League). Entrou aos 26 minutos do 2º tempo, com o placar 1 a 1, no lugar de Hazard. Um minuto antes de Cavani fazer o gol do PSG, teve uma chance, mas o goleiro Trapp levou a melhor. Chelsea 5 x 1 Manchester City (Copa da Inglaterra). Mais uma vez, Oscar começou na reserva. Substituiu Pedro aos 25 minutos da 2ª etapa e teve tempo para perder um pênalti (o goleiro Caballero defendeu) e para fazer o cruzamento para o quinto e último gol da equipe, marcado por Traore. Ruim

Willian (Chelsea-ING) –PSG 2 x 1 Chelsea (Champions League). Bateu o escanteio que resultou no gol de Mikel, deu alguns bons passes, mas nada além disso. Chelsea 5 x 1 Manchester City (Copa da Inglaterra). Com Pedro e Hazard abertos, jogou centralizado e foi bem. Marcou o segundo gol dos Blues, quando a partida estava empatada. Bom

Lucas Lima (Santos) – Palmeiras 0 x 0 Santos (Paulista). Bastante visado pelos marcadores do Palmeiras, enfiou algumas bolas para os atacantes, mas faltou finalizar. A chuva forte prejudicou o futebol do meia no 2º tempo. Regular

Renato Augusto (Beijing Guoan-CHN) – Deixou o Corinthians para atuar na China, cujo campeonato começa no dia 4 de março. Em amistoso contra o suíço Zurique United em Dubai (Emirados Árabes), fez um dos gols na vitória por 3 a 0. Bom

Kaká (Orlando City-EUA) – Orlando 3 x 2 New York Red Bulls (amistoso). Marcou de cabeça o primeiro gol do time em jogo contra o vice-campeão de 2015 da Major League Soccer e cruzou a bola para o segundo gol. Orlando 2 x 1 Toronto (amistoso). Bela atuação do capitão da equipe da Flórida. Mesmo sendo um amistoso, foi o melhor em campo: fez o gol de empate após jogada individual e marcou de pênalti o da vitória. Ótimo

Ataque

Neymar vibra ao fazer o segundo gol do Barcelona, líder do Esoanhol, diante do Las Palmas (Jaime Reina - 20.fev.2016/AFP)
Neymar vibra ao fazer o segundo gol do Barcelona no jogo contra o Las Palmas (Jaime Reina – 20.fev.2016/AFP)

Neymar (Barcelona-ESP) – Gijón 1 x 3 Barcelona (Espanhol). Movimentou-se muito bem, como é praxe, e trocou bons passes no ataque. Acertou a trave no 1º tempo e, no 2º, sofreu pênalti – desperdiçado por Suárez. Las Palmas 1 x 2 Barcelona (Espanhol). Não foi o Neymar superexplosivo e insinuante de outras partidas, mas fez, no final do 1º tempo, o mais importante: o gol da vitória. Bom

Hulk (Zenit-RUS) – Benfica 1 x 0 Zenit (Champions League). Todo o time russo teve atuação medíocre. Hulk se mexeu e correu bastante, porém não teve nenhuma chance clara de gol. Regular

Douglas Costa (Bayern de Munique-ALE) – Bayern 3 x 1 Darmstadt (Alemão). Atuando pela ponta esquerda no 1º tempo, foi pouco acionado e fez menos jogadas de linha de fundo do que costuma. Acertou uma bola na trave. No 2º tempo, com a entrada de Ribéry, passou a jogar na ponta direita e foi ainda menos acionado. Regular

Ricardo Oliveira (Santos) – Palmeiras 0 x 0 Santos (Paulista). Dois chutes a gol no 1º tempo, um para defesa de Fernando Prass e outro por cima, em cobrança de falta, e um chute a gol no 2º tempo, na rede pelo lado de fora. Levou cartão amarelo por falta em Zé Roberto antes de ser substituído por Joel aos 30 minutos. Saiu vaiado de campoRegular