Técnico de 28 anos tentará salvar clube alemão do rebaixamento

Por Luís Curro

No afã de atrair rapidamente a audiência dos internautas, notícias são publicadas, mundo afora, sem a devida checagem.

“Hoffenheim faz de Nagelsmann técnico mais jovem da Bundesliga”. Essa manchete, com pequenas variações, pululou na tarde desta quinta (11) na seção esportiva de diversos sites internacionais – e, na sequência, nacionais.

O alemão Julian Nagelsmann, de 28 anos, mesmo sem ainda ter completado seus cursos de técnico na federação de seu país, acabava de ser anunciado pelo Hoffenheim como treinador da equipe, substituindo Huub Stevens, 34 anos mais velho que ele.

Julian Nagelsmann, de 28 anos, o novo técnico do Hoffenheim (Reprodução/Site do TSG 1899 Hoffenheim)
Julian Nagelsmann, de 28 anos, o novo técnico do Hoffenheim, da Alemanha (Reprodução/Site do TSG 1899 Hoffenheim)

Histórias de precocidade são geralmente interessantes e atraem leitura no esporte (não apenas no futebol) e em outros segmentos.

Um exemplo se deu há poucos meses com o Milan: o goleiro Donnarumma, de 16 anos, tornou-se titular da equipe – e o garoto, ao assistir a jogos da equipe italiana pude comprovar, é mesmo bom.

Só que desta vez Nagelsmann não detém a marca de mais novo a dirigir uma equipe no Campeonato Alemão.

Basta realizar uma pesquisa para constatar que que, na temporada 1976/1977, Bernd Stöber, então com 24 anos, comandou o Saarbrücken. Como interino e por apenas uma partida, é verdade, mas não importa: o correto é noticiar que Nagelsmann será “o segundo técnico mais jovem a dirigir um time da Bundesliga”.

Ou então é necessário deixar bem claro que ele será o mais jovem treinador a estar à frente de uma equipe da primeira divisão alemã “por mais de uma partida”.

Se nada der errado, e não há por que dar, é o que ocorrerá com Nagelsmann, cuja estreia deve ocorrer neste sábado (13), diante do Werder Bremen.

Essa imprecisão não diminui o tamanho da responsabilidade de Nagelsmann, cujo contrato com o clube da cidade que fica no sudoeste da Alemanha vai até 2019.

O Hoffenheim vive um momento bem difícil. É o penúltimo colocado na Bundesliga (liderada pelo Bayern de Munique), com apenas 14 pontos. Só venceu duas vezes em 20 partidas (faltam 14) e está a 7 pontos no Eintracht Frankfurt, o primeiro time fora da zona de risco.

Hagelsmann, que encerrou a carreira de futebolista por problemas no joelho, treinava o time sub-20 do Hoffenheim. O clube já tinha acertado com ele para que assumisse a equipe principal em junho, mas antecipou a ocorrência devido à saída de Stevens, por razão de saúde (coração).

“Ele renovará o ímpeto do time”, declarou, otimista, Peter Görlich, diretor de futebol do clube.

Nagelsmann disse estar ciente do “tremendo desafio”, mas que não tem medo. Em entrevista ao jornal “Deutsche Welle”, falou se considerar um técnico ofensivo. “Minha filosofia é atacar os adversários”, afirmou, ressaltando a importância de pressionar e tomar a bola perto da área rival.

Realmente, Nagelsmann precisará promover mudanças eficazes em curto prazo no Hoffenheim, cujo ataque é o pior da Bundesliga: são 18 gols marcados, média inferior a um por jogo.

Em tempo 1: No atual elenco do Hoffenheim, cinco jogadores são mais velhos do que Nagelsmann: o goleiro Stolz (32), os meio-campistas Herdling (31), Polanski (29) e Schwegler (também 28, mas nascido antes que o treinador) e o atacante Kevin Kuranyi (33).

Em tempo 2: O Hoffenheim, que nunca se sagrou campeão da Bundesliga (nem mesmo da segunda divisão), tem no grupo o brasileiro Joelinton, de 19 anos, que atuou em somente uma partida – entrou nos acréscimos do 2º tempo na derrota para o Schalke no dia 18 de dezembro. A conferir se o novo técnico dará mais oportunidades ao ex-atacante do Sport Recife.