Nomes para Sempre – Lasagna

Por Luís Curro

“Lasagna satisfaz a fome do Carpi depois de empate com a Inter.”

O site esportivo Sportal, da Nova Zelândia, deu esse título para um texto no qual abordava o 1 a 1 entre Inter de Milão e Carpi pelo Campeonato Italiano, no domingo (24).

Nos acréscimos do 2º tempo, aos 47 minutos, com a equipe de Milão já dando o jogo como ganho, Kevin Lasagna recebeu passe de Bianco nas costas do brasileiro Miranda, dominou em velocidade, invadiu a área e, diante da marcação de outro brasileiro, Juan Jesus, chutou firme, de pé esquerdo, para superar o goleiro esloveno Handanovic.

De acordo com o Sportal, Lasagna prometeu pagar um jantar a seus companheiros de time depois de ter marcado esse gol salvador.

Salvador, contudo, só no jogo, pois o Carpi, com apenas 18 ganhos em 21 partidas, ocupa a zona do rebaixamento. Está a cinco pontos de distância da Sampdoria e do Genoa, os primeiros times a salvo neste momento.

Mas é um ponto que no fim das 38 rodadas da Série A pode fazer a diferença para o atual campeão da Série B.

Em um país famoso pelas massas e pelas pizzas, o nome Lasagna é sugestivo, tanto que o site Goal.com titulou: “Lasagna indigesta para a Inter”. Uma boa tirada.

Natural de San Benedetto Po, cidade a pouco mais de 200 km de Milão, o jogador chegou ao Carpi em 2014, atuando em 30 jogos na campanha de acesso à elite. Marcou cinco gols.

Antes, defendeu os inexpressivos Governolese, Cerea e Este. Neste último, fez 21 gols em 33 jogos na Série D de 2013/2014.

Suas maiores qualidades são a impulsão, o cabeceio, a rapidez e a finalização, e para Cristiano Giuntoli, atual diretor esportivo do Napoli (clube que lidera o Italiano) e o homem que levou o atacante para o Carpi, Lasagna um dia vestirá a camisa da Squadra Azzurra.

Braços abertos, Lasagna, do Carpi, festeja o gol nos acréscimos em Milão (Matteo Bazzi - 24.jan.2016/EFE)
Braços abertos, Lasagna, do Carpi, festeja o gol nos acréscimos em Milão (Matteo Bazzi – 24.jan.2016/EFE)
(Reprodução/Site do Carpi)
(Reprodução/Site do Carpi)

Lasagna é canhoto, tem 23 anos, 1,86 m, 80 kg e cresceu torcendo pela Inter.

Tanto que o gol contra o time do coração, seu primeiro na Série A e no mítico Giuseppe Meazza, o deixou extasiado. “Eu sonhava desde criança em jogar neste estádio e foi um sonho marcar meu primeiro gol (na primeira divisão) aqui. É um gol importantíssimo para mim.”

A alegria era tamanha que ele nem se incomodou de colocar a mão no bolso para satisfazer o paladar e o estômago dos colegas em um jantar. “Não vejo a hora de pagar para todos.”

Eis um exemplo de que a felicidade torna as pessoas mais generosas.

Em tempo 1: Não foi a primeira vez que Lasagna fez um gol na Inter de Milão. O atacante vivia um jejum desde 15 de julho do ano passado, quando, em um amistoso em Riscone, marcou o primeiro gol do Carpi na derrota por 4 a 2.

Em tempo 2: Na Itália há pelo menos um outro jogador cujo nome faz lembrar o almoço de domingo: Maccarone. Que pode ser futuramente tema de um post desta série, iniciada com o nigeriano Success.