Europeus na metade revelam equilíbrio em cinco de sete ligas e o inevitável título do PSG

Por Luís Curro

Todos os campeonatos de maior apelo na Europa chegaram à metade.

Os títulos de “campeão de inverno” (simbólicos, para os vencedores do primeiro turno) já são conhecidos, e é possível traçar uma perspectiva para os próximos meses.

Das sete competições que acompanho mais de perto, cinco estão bastante equilibradas, uma apresenta desequilíbrio, com um clube franco favorito ao título, e outra está totalmente desequilibrada – com o campeão praticamente definido.

A seguir, uma breve análise de cada uma.

Francês

Campeão de inverno – Paris Saint-Germain (PSG)

Artilheiro – Ibrahimovic (Suécia/PSG), 15 gols em 15 jogos

Ibrahimovic e companhia (como os brasileiros Thiago Silva, David Luiz, Maxwell, Marquinhos e Lucas Moura) já podem celebrar o quarto título consecutivo. São favas contadas.

Com 20 jogos de 38 disputados na Ligue 1, o PSG está invicto e soma 54 pontos, 20 a mais que o mais próximo perseguidor, o Angers.

O maior desafio para o time de Paris, comandado pelo técnico Laurent Blanc, será avançar na Liga dos Campeões da Europa. No primeiro mata-mata, em fevereiro, encara um adversário duro e atualmente revigorado, o inglês Chelsea.

Ibrahimovic e Cavani, do PSG, líder disparado do Francês (Valery Hache - 4.dez.2015/AFP)
Ibrahimovic e Cavani, do PSG, líder disparado do Francês (Valery Hache – 4.dez.2015/AFP)

Inglaterra 

Campeão de inverno – Arsenal

Artilheiros – Lukaku (Bélgica/Everton) e Vardy (Inglaterra/Leicester), ambos com 15 gols em 20 jogos

O pequeno Leicester, grande sensação do primeiro turno, perdeu força nos últimos jogos (dois empates e uma derrota) e permitiu que um dos grandes de Londres, o Arsenal, assumisse a ponta.

Os Gunners têm 42 pontos em 20 partidas (são 38 ao todo) e é perseguido por Leicester (40 pontos), Manchester City (39) e Tottenham (36). A disputa está bem animada. A tendência é o Leicester, que tem um elenco mais modesto, perder força e o City crescer, pressionando o Arsenal.

Atual campeão, o Chelsea, depois da demissão de José Mourinho no mês passado, melhorou sob o comando de Guus Hiddink (ainda não perdeu), porém tem só 23 pontos e se vê alijado da acirrada corrida pela taça.

Espanhol

Campeão de inverno – Atlético de Madri

Artilheiros – Neymar (Brasil/Barcelona), 15 gols em 16 jogos, e Suárez (Uruguai/Barcelona), 15 gols em 17 jogos

Há um inesperado equilíbrio neste momento na Liga, já que sempre se espera que Real Madrid e Barcelona disparem e deixem os demais para trás.

O Atlético lidera por pontos ganhos, com 44 após 19 partidas (são 38 no total), só que o Barça, por causa da participação no Mundial de Clubes da Fifa, no mês passado, tem um jogo a menos.

A equipe catalã soma 42 pontos e, se tivesse jogado e ganhado do Gijón, estaria à frente dos madrilenhos. Esse duelo só ocorrerá no dia 16 de fevereiro. Até lá, a tabela ficará dessincronizada.

Essa situação não tira o mérito do Atlético, que, com uma defesa sólida (apenas 8 gols sofridos), um atacante em excelente fase (Griezmann), um conjunto funcional e um treinador competente (Simeone), surpreende.

Era esperado que outro time de Madri ocupasse o topo, porém o estrelado Real, de Cristiano Ronaldo, Bale, Benzema etc. e agora com novo treinador (Zidane), está “apenas” em terceiro, com 40 pontos, seguido bem de perto pelo Villarreal (39).

Alemão

Campeão de inverno – Bayern de Munique

Artilheiro – Aubameyang (Gabão/Borussia Dortmund), 18 gols em 17 jogos

O atual tricampeão da Bundesliga construiu uma confortável vantagem de 8 pontos sobre o vice-líder, Borussia Dortmund. Tem no papel o melhor time, com sobras (Neuer, Lahm, Alaba, Boateng, Vidal, Douglas Costa, Robben, Müller, Lewandowski, Götze, Ribéry), e o melhor treinador (Guardiola, em seu último semestre no clube).

X

Com exatamente a metade do campeonato disputado (17 partidas de 34), é altamente improvável o Bayern deixar escapar o tetra.

A exemplo do francês PSG, o maior feito que a equipe da Baviera pode obter é a conquista da Champions League. O primeiro duelo eliminatório será contra a italiana Juventus – um verdadeiro confronto de titãs.

Italiano

Campeão de inverno – Napoli

Artilheiro – Higuaín (Argentina/Napoli), 18 gols em 19 jogos

Difícil prever quem ficará com o scudetto nesta temporada. A Série A teve uma primeira metade muitíssimo disputada, e cinco clubes se apresentaram como postulantes ao título: Napoli (hoje com 41 pontos), Inter de Milão (39), Juventus (39), Fiorentina (38) e Roma (34).

O Napoli tornou-se líder na 19ª rodada, a última do primeiro turno, ao golear o Frosinone por 5 a 1 e ao ver a Inter perder em casa para o Sassuolo (1 a 0).

Desde 1989/1990, na era Maradona, os napolitanos não sabem o que é comemorar o título da Série A. É incerto se o jejum terminará, mas, caso isso ocorra, será certamente graças a um compatriota de “El Diez” (um dos apelidos de Maradona).

O centroavante Gonzalo Higuaín, estupendo nos últimos meses, já marcou neste Italiano o mesmo número de gols (18) que fez em todo o campeonato de 2014-2015.

Português

Campeão de inverno – Sporting

Artilheiro – Jonas (Brasil/Benfica), 18 gols em 17 jogos

Com os recentes tropeços do Porto, que nas três últimas partidas somou apenas quatro pontos (o que contribuiu para a demissão do treinador Julen Lopetegui), o Sporting se aproveitou e fechou o primeiro turno com 44 pontos. Porto e Benfica têm 40, e um dessa trinca será o campeão.

Apostei no Porto nos meus palpites para 2016, porém o momento é mais favorável aos dois clubes lisboetas. O Benfica é o atual bicampeão, e o Sporting, clube que projetou Cristiano Ronaldo, não vence o Português desde 2001-2002, quando o hoje craque do Real Madrid ainda estava por lá (era um adolescente de 16 anos).

Holandês

Campeão de inverno – Ajax

Artilheiro – Luuk de Jong (Holanda/PSV), 14 gols em 16 jogos

Como em Portugal, três equipes protagonizam o equilíbrio na Holanda.

El Ghazi, Milik e Fischer, três dos artilheiros do Ajax, celebram gol (Olaf Kraak - 20.dez.2015/EFE)
El Ghazi, Milik e Fischer, três dos artilheiros do Ajax, celebram gol (Olaf Kraak – 20.dez.2015/EFE)

Com a artilharia dividida entre quatro jogadores (El Ghazi e Milik, ambos com 8 gols, e Fischer e Klaassen, ambos com 7) e dono da melhor defesa (11 gols em 17 partidas), o Ajax leva ligeiro favoritismo sobre PSV (campeão em 2014-2015) e Feyenoord (cujo último título foi em 1998-1999).

O time de Amsterdã tem 41 pontos, o de Eindhoven, 38, e o de Roterdã, 36. O líder Ajax e o Feyenoord, terceiro colocado, têm a vantagem de um calendário menos apertado, já que não disputam nenhuma copa europeia.

Enquanto o PSV está nos mata-matas na Liga dos Campeões, o Ajax foi eliminado na fase de grupos da Liga Europa (ficando atrás do norueguês Molde e do turco Fenerbahçe). O Feyenoord não se classificou para nenhum torneio internacional de 2015-2016.