Dezesseis palpites para 2016

Por Luís Curro

O ano novo chegou, e com ele aquela vontade de dar palpite, de tentar adivinhar o que vai acontecer, quem vai se dar bem, quem serão os craques, que times serão campeões nos mais relevantes campeonatos.

Não sou tarólogo nem vidente nem profeta, mas, já que é tentador, farei projeções – com o altíssimo risco de errar várias, já que o ditado diz que “o futebol é uma caixinha de surpresas”.

Campeão da Champions League – Barcelona (se nenhum do trio MSN, Messi, Suárez e Neymar, tiver contusão séria)

Campeão da Libertadores – Corinthians (se não duelar com o Palmeiras em algum mata-mata)

Campeão espanhol – Barcelona (mesmo que um do trio MSN se machuque)

Campeão inglês – Arsenal (gostaria de ver o surpreendente Leicester erguer o troféu, mas é a vez dos Gunners)

Campeão alemão – Bayern de Munique (não dá pra parar a quadra ofensiva Robben-Müller-Lewandowski-Douglas Costa)

Campeão argentino – Boca Juniors (não dá, ao menos ainda por mais este ano, pra parar o ainda ótimo Carlito Tevez)

Campeão italianoFiorentina (a hora de a Viola, amparada na força do conjunto, derrubar um jejum de quase meio século sem o scudetto)

Campeão português – Porto (eliminado da Champions League, a maior motivação é quebrar a sequência de dois títulos do Benfica)

Campeão holandês – Ajax (em disputa acirradíssima até o fim com PSV e Feyenoord)

Campeão francês (esse não dá pra não acertar) – Paris Saint-Germain (está, na metade com campeonato, a 19 pontos de distância do vice-líder)

Campeã da Eurocopa – França (os Azuis jogarão em casa e serão empurrados por todo um país unido após os atos terroristas de 2015)

Melhor do mundo da Fifa – Messi (ganhará o troféu de 2015 e ainda terá fôlego para mais uma temporada espetacular; depois, abrirá espaço para Neymar)

Melhor goleiro – Neuer (o titular da seleção alemã está anos-luz à frente de qualquer outro guarda-metas)

Melhor treinador – Didier Deschamps (o volante que ergueu a Taça Fifa na conquista da Copa da França, em 1998, diante do Brasil, comandará do banco de reservas os franceses rumo ao título da Eurocopa)

Jogador mais arrogante – Cristiano Ronaldo (Ibrahimovic tenta competir, mas não é páreo, e não vejo surgir alguém mais nariz em pé que o CR7)

Campeão olímpico – Brasil (enfim, a sonhada e inédita medalha de ouro virá, isso se Messi não for mesmo aos Jogos do Rio)

Agora é esperar para conferir o resultado dessa futurologia.

Ótimo ano, leitor(a)!