Retrospectiva 2015 – Posts preferidos para ler ou reler

Por Luís Curro

Hoje é o último dia de 2015.

Um ano marcado internacionalmente, no futebol, pela explosão de sucesso do Barcelona de Messi, Suárez, Neymar e companhia, campeão europeu e mundial.

Pelo ressurgimento do River Plate, ganhador da Libertadores.

Pelo inédito título do Chile, de Alexis Sánchez e do técnico Jorge Sampaoli, na Copa América.

Pelo fiasco da Holanda, que não se classificou para a Eurocopa de 2016.

Pelo escândalo de corrupção na Fifa, que derrubou o presidente Joseph Blatter e pôs cartolas na cadeia.

Assumi este blog em agosto e desde então busquei trazer para o(a) leitor(a) temas de interesse geral, como a seleção brasileira e os grandes clubes, campeonatos, treinadores e jogadores de fora do Brasil (especialmente os do futebol europeu), ou assuntos que me chamaram a atenção por motivos variados, muitas vezes pelo curioso, pelo surpreendente, pelo cômico, pelo inusitado.

Decidi encerrar o ano elencando alguns posts preferidos (meus, não necessariamente dos leitores). Um top 5 desses últimos quase 5 meses.

Para quem não leu, fica a sugestão. Para quem já leu, fica o convite para a releitura.

Neymar vale um Mané Garrincha? – Era agosto e Neymar ainda nem havia jogado a bola que jogou no semestre, mas a discussão sobre a permanência ou não do craque brasileiro no Barcelona já era forte. O Mancheter United era o interessado da hora.

Vem aí o novo Zidane – Era setembro, e eis que surge para o futebol um jovem francês cheio de talento, com sobrenome de grife. Luca Zidane, ainda um adolescente, é filho de Zinedine, o magistral meia campeão do mundo em 1998 pela França, e se destaca como… goleiro.

A noite em que um senhor careca pôs Pelé em 2º lugar – Era outubro, e este blogueiro, graças a Wayne Rooney, lembrou-se do encontro que teve na Inglaterra com um dos melhores jogadores da história do English Team.

O futuro do futebol pertence à África? – Era novembro, e duas seleções africanas (Nigéria e Mali) chegavam à decisão da Copa do Mundo sub-17. Será que desta vez o novo continente forjará uma seleção que consiga ser bem-sucedida (bem-sucedida mesmo) em um Mundial adulto?

Torcida se revolta e atira latas no campo na final nos EUA – Era (ainda é quando escrevo) dezembro. Quando garoto, não era raro ver um jogo aqui no Brasil (especialmente na Vila Belmiro, o estádio do Santos) no qual a torcida, insatisfeita com seu time (ou com o árbitro e com os bandeirinhas) ou com a intenção de atingir um jogador da equipe visitante, atirava no campo radinho de pilha, chinelos, copos de bebida e o que mais houvesse à mão (ou no pé). Mais de 30 anos depois, vi o inimaginável acontecer, em um dos países mais desenvolvidos do planeta.

Ok, vou além e exponho a seguir os posts preferidos dos leitores (preferência não significa necessariamente aprovação ao conteúdo, especialmente ao opinativo; há casos de concordância e outros em que a crítica ferrenha predomina):

Mourinho aceita reduzir em 75% multa rescisória ao deixar o Chelsea – É isso mesmo. José Mourinho, O Especial, perdeu o emprego. Inimaginável, mas só para ele.

Quem é melhor? Brasil-1970 x Barcelona-2015 – Um exercício arriscado, porém lúdico. A memorável seleção do tri em um duelo analítico com o espetacular Barça da atualidade.

Os caras de Dunga – Turma final de 2015: seis estão reprovados – Na última lista de convocados da seleção brasileira há 23 futebolistas com a missão de representar a pátria com dignidade e capacidade. Da decência de cada um, eu não duvido. Mas meia dúzia precisa jogar bem mais para ser capaz de se manter no grupo de Dunga.

Em tempo: Feliz 2016! (Que seja um ano de jogos marcantes, lances geniais, gols memoráveis. E de menos corrupção – não só no mundo da bola.)