Os caras de Dunga – Thiago Silva merece uma nova chance na seleção

Por Luís Curro

Thiago Silva não é hoje um “cara de Dunga”. Tem de ser em 2016.

O zagueiro carioca de 31 anos merece estar de volta à seleção brasileira. Pelo que está jogando no Paris Saint-Germain, precisa figurar entre os quatro convocados para a posição e disputar uma vaga no time.

Desde a Copa América, em junho, quando cometeu erro grave ao desviar a bola com a mão na área do Brasil, o que resultou em pênalti para o Paraguai no duelo de quartas de final, Thiago Silva não é chamado por Dunga.

Foram três convocações, e nada de o capitão do Brasil na Copa de 2014 (que, suspenso, não jogou no humilhante 7 a 1 para a Alemanha), atual capitão do PSG, ter uma nova chance.

O erro na Copa América servia de justificativa para Dunga, mas o tempo passou, e Thiago Silva tem jogado demais pelo clube parisiense, dono da 2ª melhor defesa entre os times que disputam os principais campeonatos na Europa – 0,47 gol sofrido, em média, por jogo (8 em 17 partidas).

Thiago Silva vibra após fazer gol pelo PSG no Campeonato Francês (Franck Fife - 16.ago.2015/France Presse)
Thiago Silva vibra após fazer gol pelo PSG no Campeonato Francês (Franck Fife – 16.ago.2015/AFP)

Em primeiro lugar estão, empatadas, as defesas de Sporting e Porto. A média de gols sofridos por ambas as equipes no Campeonato Português é de 0,42 por partida (5 em 12 jogos).

No caso do PSG, se forem computados os cinco jogos pela Champions League e o da Supercopa da França, a média cai para 0,39 por confronto: 9 gols em 23 partidas (Thiago Silva foi titular em 22 delas).

Conta também a favor de Thiago Silva o fato de jogar ao lado de David Luiz, que tem sido chamado por Dunga, e, às vezes, de Marquinhos, outro nome prestigiado pelo treinador do Brasil. É o fator entrosamento, que tanta falta faz às seleções, pois o período de treinos pré-jogos é escasso.

Muita gente dirá, com estas ou com palavras parecidas: “Não dá para confiar nele. Além de ter feito uma burrada na Copa América, é um chorão, não tem controle emocional”.

A fama de chorão do beque se construiu na Copa, quando ele não se aguentou nas cobranças de pênaltis diante do Chile, nas oitavas de final.

São opiniões que devem ser respeitadas, assim como a de Dunga.

O zagueiro chora após o Brasil se classificar nas oitavas de final da Copa, nos pênaltis (Fabrice Coffrini - 28.jun.2014/AFP)
O choro após o Brasil avançar nas oitavas de final da Copa, nos pênaltis (Fabrice Coffrini – 28.jun.2014/AFP)

Para mim, porém, dá para confiar em Thiago Silva. Mais que em David Luiz, que se mostra destrambelhado com certa frequência.

Dunga diz que toda seleção precisa de um “louco”, então talvez por isso mantenha David Luiz no elenco…

Thiago Silva é mais jogador que Marquinhos (PSG) e que Gabriel Paulista (Arsenal). E está, no mínimo, no mesmo nível de Miranda (Inter de Milão) e Gil (Corinthians) – sendo que é mais perigoso do que esses dois nas jogadas ofensivas aéreas.

Ele tem chance de voltar”, afirmou Dunga.

Tomara que volte.

Com ele, o Brasil pode até perder. Sem ele, com certeza o Brasil perde.

A seguir, o desempenho de cada jogador da última lista de Dunga (9 dos 23 atuam no Brasil) nos últimos sete dias:

Goleiros

Alisson (Internacional) – Internacional 2 x 0 Cruzeiro (Brasileiro). Fez uma bela defesa no início do 1º tempo, em chute de Arrascaeta, e outra no começo do 2º tempo, em tentativa de Allano. Bom

Cássio (Corinthians) – Corinthians 1 x 1 Avaí (Brasileiro). Duas defesas no jogo, ambas em chutes de Anderson Lopes. Sem culpa no gol. Bom

Jefferson (Botafogo) – Campeão da Série B, está de férias. Sem avaliação

Defesa

Daniel Alves (Barcelona-ESP) – Barcelona 6 x 1 Villanovense (Copa do Rei). Acertou um chute de longa distância para abrir o placar para o Barça. Foi seu primeiro gol pelo clube nesta temporada. No intervalo, com o time ganhando por 3 a 0, saiu para a entrada de Gumbau. Valencia 1 x 1 Barcelona (Espanhol). Apoiou quando possível e esteve bem na marcação. Bom

Daniel Alves comemora seu gol contra o Villanovense pela Copa do Rei (Albert Gea - 2.nov.2015/Reuters)
Daniel Alves comemora seu gol contra o Villanovense pela Copa do Rei (Albert Gea – 2.nov.2015/Reuters)

Miranda (Inter de Milão-ITA) – Inter 1 x 0 Genoa (Italiano). Um dos pilares da sólida defesa da líder Inter, que em 15 jogos no campeonato levou só 9 gols, não tendo sido vazada em cinco das seis últimas partidas. Bom

David Luiz (PSG-FRA) – Angers 0 x 0 PSG (Francês). Em 17 jogos, a defesa do clube de Paris sofreu apenas 8 gols, e Thiago Silva e David Luiz têm sido muito sólidos na temporada – essa partida foi mais um exemplo. Nice 0 x 3 PSG (Francês). Poupado, ficou na reserva – jogaram Thiago Silva e Marquinhos. Bom

Filipe Luís (Atlético de Madri-ESP) – Reus Deportiu 1 x 2 Atlético (Copa do Rei). Poupado, não foi relacionado para a partida. Granada 0 x 2 Atlético (Espanhol). Correto na marcação, iniciou na ponta esquerda a jogada do segundo gol, marcado por Griezmann. Bom

Danilo (Real Madrid-ESP) – Cadiz 1 x 3 Real Madrid (Copa do Rei). Não foi relacionado para a partida em que o Real cometeu uma lambança ao escalar jogador irregular. Real Madrid 4 x 1 Getafe (Espanhol). Com Marcelo machucado, de novo foi improvisado na lateral esquerda, e de novo não rendeu ali. Sua perna esquerda é fraca, então tem dificuldade para apoiar o ataque. Recebeu cartão amarelo após cometer falta. Regular

Gabriel Paulista (Arsenal-ING) – Arsenal 3 x 1 Sunderland (Inglês). Ficou na reserva de Mertesacker e Koscielny. Sem avaliação

Gil (Corinthians) – Corinthians 1 x 1 Avaí (Brasileiro). Praticamente sem problemas com o ataque bem pouco perigoso do time catarinense; no gol, porém, só ficou olhando Claudinei cabecear. Regular

Douglas Santos (Atlético-MG) – Atlético-MG 3 x 0 Chapecoense (Brasileiro). Teve uma perda na família (sua avó morreu), então foi liberado da partida final do Galo no campeonato. Sem avaliação

Meio-campo

Luiz Gustavo (Wolfsburg-ALE) – Wolfsburg 1 x 2 Borussia Dortmund (Alemão). Quase recuperado de um problema nas costas, não foi relacionado para a partida. Sem avaliação

Elias (Corinthians) – Corinthians 1 x 1 Avaí (Brasileiro). Conduziu bem a bola na armação e mostrou visão de jogo: deixou Malcom, no 1º tempo, e Rodriguinho, no 2º tempo, na cara do gol com ótimos passes – ambos desperdiçaram. Também iniciou, com uma ótima arrancada, a jogada que resultou no gol de Vagner Love. No fim do jogo, recebeu um cartão amarelo após falta. Bom

Elias (esq.) na celebração do gol de Vagner Love (Daniel Augusto Jr./Divulgação/Agência Corinthians)
Elias (esq.) na celebração do gol de Vagner Love (Daniel Augusto Jr./Divulgação/Agência Corinthians)

Fernandinho (Manchester City-ING) – Manchester City 4 x 1 Hull City (Copa da Liga Inglesa). Formou a dupla de volantes com Delph e jogou para o gasto diante de um oponente bem inferior. Stoke City 2 x 0 Manchester City (Inglês). Ao lado de Fernando, jogou abaixo de sua média, tanto que foi substituído por Delph aos 11 minutos do 2º tempo. Regular

Oscar (Chelsea-ING) – Chelsea 0 x 1 Bournemouth (Inglês). Sumido, teve uma única chance, no fim do 1º tempo – o chute foi defendido por Boruc. Saiu no intervalo para a entrada de Diego Costa. Ruim

Willian (Chelsea-ING) – Chelsea 0 x 1 Bournemouth (Inglês). Correu muito e deu alguns dribles, mas no geral seguiu a toada dos Blues e foi muito pouco efetivo. Ruim

Lucas Lima (Santos) – Palmeiras (4)2 x 1(3) Santos (Copa do Brasil). Muito bem marcado por Matheus Sales e Arouca, teve pouco espaço para criar jogadas. Na disputa de pênaltis, acertou sua cobrança. Santos 5 x 1 Atlético-PR (Brasileiro). No terceiro e quinto gols do Santos, iniciou as jogadas, com passes precisos. Faltou marcar o dele na goleada – Lucas Lima carece, muitas vezes, de sede de gol. Regular

Renato Augusto (Corinthians) – Corinthians 1 x 1 Avaí (Brasileiro). Não foi relacionado para o jogo. Sem avaliação

Kaká (Orlando City-EUA) – Seu time não se classificou para os playoffs da Major League Soccer, cuja final ocorreu no domingo (6). Sem avaliação

Ataque

Neymar (Barcelona-ESP) – Barcelona 6 x 1 Villanovense (Copa do Rei). Poupado, ficou na reserva. Valencia 1 x 1 Barcelona (Espanhol). Rápido e envolvente como sempre, perdeu um gol feito no 1º tempo ao chutar mal, por cima do gol de Jaume. No 2º tempo, quase fez um golaço depois de passar em velocidade pela defesa rival – errou o alvo por pouco. Passes de Neymar deixaram Messi e Suárez em condições de marcar, mas ambos erraram as conclusões. Bom

Hulk (Zenit-RUS) – Zenit 1 x 1 Ufa (Russo). Suspenso, não jogou. Sem avaliação

Douglas Costa (Bayern de Munique-ALE) – Borussia Mönchengladbach 3 x 1 Bayern (Alemão). Com lesão muscular, não jogou. Sem avaliação

Ricardo Oliveira (Santos) – Palmeiras (4)2 x 1(3) Santos (Copa do Brasil). Isolado entre os zagueiros do Palmeiras, marcou quase no fim o gol que levou a partida aos pênaltis – nas cobranças, converteu o seu. Santos 5 x 1 Atlético-PR (Brasileiro). Com dores no joelho, o artilheiro do Brasileiro ficou fora da partida. Bom

X