Os caras de Dunga – Certezas e dúvidas para 2016

Por Luís Curro

A seleção brasileira fez nos últimos dias suas duas últimas partidas em 2015, ambas pelas eliminatórias para a Copa do Mundo da Rússia-2018.

Empatou por 1 a 1 em Buenos Aires com a Argentina, jogando um futebol no máximo regular, nota 5, e derrotou o Peru por 3 a 0 em Salvador com uma atuação melhor, nota 7,5, além da performance destacada de Douglas Costa – porém contra um rival bem mais fraco.

Com base nesses dois confrontos, elenco certezas e dúvidas para 2016, que não sei se são as mesmas de Dunga, mas algumas podem ser coincidentes.

Certeza – Alisson ganhou a vaga de titular no gol. Só a perde caso se machuque ou inicie o próximo ano em fase técnica muito ruim.

Certeza – Daniel Alves, mesmo com 32 anos, volta a se firmar na lateral direita. (Prefiro Danilo, oito anos mais jovem.)

Certeza – Miranda é intocável na zaga, ou seja, Thiago Silva passa a ter ainda menos chance de voltar à seleção.

X

Dúvida – David Luiz perderá o lugar no time depois da falta de cabeça e de noção mostrada na Argentina? Em dois minutos, levou um amarelo e depois foi expulso, tolamente. Pois Gil jogou bem contra o Peru.

Certeza – Filipe Luís começa o ano que vem como titular. Não foi genial, mas fez o suficiente (inclusive um gol) para ficar à frente de Marcelo, que, contundido, foi cortado dessas partidas.

Certeza – O lateral esquerdo Douglas Santos e os zagueiros Gabriel Paulista e Jemerson são tapa-buracos, só chamados quando alguém se machuca – respectivamente, Marcelo, Marquinhos e David Luiz. (O lateral direito Fabinho, não convocado desta vez, também é.)

Certeza – Dunga prosseguirá com Luiz Gustavo e Elias como dupla de volantes. Fernandinho será reserva dos dois.

Dúvida – Quem será o terceiro homem de meio-campo, o responsável pela ligação defesa-ataque? Lucas Lima, titular na Argentina, fez gol, e quando o Brasil mais precisava. Renato Augusto, titular na Bahia, fez gol, ampliando a vantagem para 2 a 0.

X

Certeza – Kaká e Oscar, se continuarem a ser chamados, esquentarão o banco.

Certeza absoluta – Jogam Neymar e mais dez. (Mesmo Neymar não tendo ido muito bem nesses dois jogos.)

Dúvida – Onde escalar Neymar? É sabido que ele rende mais e gosta mais de jogar pela esquerda, só que o Brasil passou a produzir mais com ele centralizado, como falso centroavante, e Willian e Douglas Costa pelas pontas. Vale sacrificar o potencial do supercraque em prol do conjunto? Ou é melhor sacrificar Douglas Costa, que arrebentou contra o Peru, ou Willian e dar nova chance ao veterano Ricardo Oliveira no comando do ataque?

CertezaHulk, que vive grande momento na carreira em seu clube, perdeu espaço. Será reserva.

A seleção de Dunga, terceira colocada nas eliminatórias (as quatro primeiras se classificam direto para a Copa, e a quinta disputa uma repescagem) jogará só em março, contra o vice-líder Uruguai, no Brasil, e o Paraguai (quarto na tabela), fora.

A seguir, o desempenho de cada jogador convocado por Dunga (10 dos 24 atuam no Brasil) nos jogos contra Argentina e Peru:

Goleiros

Alisson (Internacional) – Argentina 1 x 1 Brasil. Fez uma boa defesa bem no começo do jogo. Depois, apesar do domínio territorial da Argentina, quase não foi exigido. Não teve culpa no gol. Brasil 3 x 0 Peru. No início do 2º tempo, fez ótima defesa quando peruano deu uma puxeta na pequena área. Bom

Cássio (Corinthians) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Jefferson (Botafogo) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Defesa

Daniel Alves (Barcelona-ESP) – Argentina 1 x 1 Brasil. No gol da Argentina, falhou ao não acompanhar Lavezzi. Redimiu-se no 2º tempo ao se atirar e bloquear chute de Banega e ao fazer o cruzamento na jogada que resultou no gol de empate. Brasil 3 x 0 Peru. Sem problemas na defesa, foi mais vezes ao ataque, inclusive tentando o gol no 2º tempo – o chute foi para fora. Regular

Miranda (Inter de Milão-ITA) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ganhou o duelo com Higuaín. Brasil 3 x 0 Peru. Ganhou o duelo com Guerrero. Bom

David Luiz (PSG-FRA) – Argentina 1 x 1 Brasil. Antes de no final do 2º tempo tomar um cartão amarelo tolo ao acertar o rosto de Dybala em disputa de bola e, dois minutos depois, ser expulso ao destrambelhadamente pisar em Biglia, teve duas boas intervenções, evitando jogadas de perigo argentinas. No 1º tempo, a única chance de gol do Brasil foi em uma cabeçada de David Luiz, para fora. Brasil 3 x 0 Peru. Suspenso, não jogou. Ruim

Filipe Luís (Atlético de Madri-ESP) –Argentina 1 x 1 Brasil. Correto na marcação, não foi uma alternativa ofensiva. Levou um cartão amarelo. Brasil 3 x 0 Peru. Registrava o mesmo desempenho da partida contra a Argentina, sem levar cartão amarelo, quando conquistou um relevante diferencial: um gol, o terceiro do Brasil, após rebote do goleiro Penny. Foi seu primeiro pela seleçãoBom

Filipe Luís marcou o 3º gol do Brasil contra o Peru (André Mourão/MoWA Press)
Filipe Luís marcou o 3º gol do Brasil contra o Peru em Salvador (André Mourão/MoWA Press)

Danilo (Real Madrid-ESP) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Gabriel Paulista Marquinhos (Arsenal-ING) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Gil (Corinthians) – Argentina 1 x 1 Brasil. Entrou no final do 2º tempo, no lugar de Willian, para segurar o empate após a expulsão de David Luiz. Jogou três minutos. Brasil 3 x 0 Peru. Substituiu o suspenso David Luiz e, com ele, a seleção não levou gol. Nos acréscimos do 2º tempo, salvou um gol quase em cima da linha. Bom

Jemerson (Atlético-MG) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ainda não tinha sido convocado. Brasil 3 x 0 Peru. Chamado para a vaga de David Luiz, ficou na reserva. Sem avaliação

Douglas Santos (Atlético-MG) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Meio-campo

Luiz Gustavo (Wolfsburg-ALE) – Argentina 1 x 1 Brasil. Junto com Elias, sofreu para combater o rápido toque de bola da Argentina, em especial no 1º tempo. Ao menos esforçou-se e correu mais do que quando joga pelo time alemão. Brasil 3 x 0 Peru. Competente na sua função principal, a marcação no meio-campo. Saiu aos 33 minutos do 2º tempo – entrou Fernandinho. Bom

Elias (Corinthians) – Argentina 1 x 1 Brasil. Em um papel bem mais defensiva do que quando atua pelo Corinthians, deu duro ao lado de Luiz Gustavo para controlar os avanços de Banega, Di María e companhia. Pouco foi ao ataque. Brasil 3 x 0 Peru. Como sempre, correu bastante – em função tática, mais marcou do que apoiou. Bom

Fernandinho (Manchester City-ING) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Substituiu Luiz Gustavo aos 33 minutos do 2º tempo. Teve pouco tempo para mostrar algo. Regular

Oscar (Chelsea-ING) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Substituiu Willian a poucos minutos do fim. Mal viu a bola. Regular

Willian (Chelsea-ING) – Argentina 1 x 1 Brasil. Perdido no 1º tempo, como todo o time, melhorou um pouco no 2º. Fez uma jogada de efeito, um elástico, e tentou uma finalização, mas a zaga desviou. Saiu no final do 2º tempo, dando lugar ao zagueiro Gil. Brasil 3 x 0 Peru. No 1º tempo, foi à linha de fundo e cruzou para Douglas Costa desviar e abrir o placar. No 2º, arriscou de fora da área e exigiu boa defesa do goleiro Penny, e também de dentro da área, para fora. Saiu aos 40 minutos do 2º tempo – entrou Oscar. Bom

Lucas Lima comemora seu o gol no Monumental de Núñez (Eitan Abramovich - 13.nov.2015/AFP)
Lucas Lima comemora seu o gol no Monumental de Núñez (Eitan Abramovich – 13.nov.2015/AFP)

Lucas Lima (Santos) – Argentina 1 x 1 Brasil. O gol aos 13 minutos do 2º tempo o redimiu da falha no gol da Argentina (perdeu a bola que propiciou o contra-ataque) e da atuação abaixo da vista nos jogos pelo Santos. Quando estava em seu melhor momento, Dunga o tirou do jogo, pouco depois de ter recebido cartão amarelo. Brasil 3 x 0 Peru. Relegado à reserva mesmo depois do gol em Buenos Aires, entrou bem perto do final da partida no lugar de Douglas Costa. Jogou muito pouco, apenas cinco minutos. Bom

Renato Augusto (Corinthians) – Argentina 1 x 1 Brasil.  Substituiu Lucas Lima aos 18 minutos do 2º tempo, possivelmente para tentar prender a bola longe da área do Brasil. Não conseguiu e virou mais um marcador no meio, ao lado dos volantes. Brasil 3 x 0 Peru. Escalado no lugar de Lucas Lima, não foi um grande articulador no 1º tempo. Esteve mais ativo no 2º e fez o mais importante: um gol, que o deixou bastante emocionado – foi seu primeiro pela seleção. Bom

Kaká (Orlando City-EUA) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Ataque

Neymar (Barcelona-ESP) – Argentina 1 x 1 Brasil. Com meião acima do joelho e faixa na cabeça, não desequilibrou e não foi sombra do craque que tem encantado pelo Barcelona. Deu dois chutes a gol, ambos no 2º tempo: um para fora e outro para defesa de Romero. Brasil 3 x 0 Peru. Com meião acima do joelho mas sem faixa na cabeça, novamente jogou abaixo do esperado. Teve um gol anulado por impedimento no 2º tempo. Ganhou cartão amarelo após fazer uma falta mais dura. Regular

Hulk (Zenit-RUS) – Argentina 1 x 1 Brasil. Ficou na reserva. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Sem avaliação

Daniel Alves, Renato Augusto e Neymar festejam Douglas Costa, autor do 1º gol na Bahia (Christophe Simon/AFP)
Daniel Alves, Renato Augusto e Neymar festejam Douglas Costa, autor do 1º gol na Bahia (Christophe Simon/AFP)

Douglas Costa (Bayern de Munique-ALE) – Argentina 1 x 1 Brasil. Entrou no lugar de Ricardo Oliveira aos 12 minutos do 2º tempo. Em seu primeiro lance, cabeceou no travessão – no rebote, Lucas Lima marcou. Depois, quase não foi acionado. Brasil 3 x 0 Peru. Começou como titular no lugar de Ricardo Oliveira e não decepcionou. Fez um gol de virilha. Bateu falta na trave. Entortou a defesa peruana antes de tocar para Renato Augusto marcar o segundo gol. Envolveu os rivais e chutou forte para defesa parcial de Penny – Filipe Luís marcou o terceiro do Brasil no rebote. Saiu aos 43 minutos do 2º tempo – entrou Lucas Lima. Grande atuação. Ótimo

Ricardo Oliveira (Santos) – Argentina 1 x 1 Brasil. A bola quase não chegou até o artilheiro do Brasileiro – quando chegou, ele não aproveitou. Foi substituído por Douglas Costa no começo do 2º tempo. Brasil 3 x 0 Peru. Ficou na reserva. Ruim