Cláusula em contrato revela confiança de artilheiro do Inglês

Por Luís Curro

Há pouco mais de três anos, Jamie Vardy jogava pelo modesto Fleetwood Town, de uma das ligas equivalentes à quinta divisão na Inglaterra.

Aos 25 anos, já não era um garoto, mas ainda acreditava em alçar voos maiores no futebol. Relutava em ter de aceitar a vida de operário fabril em Sheffield, sua cidade natal. A insistência rendeu-lhe frutos.

Na temporada 2011-2012, Vardy brilhou pelo Fleetwood, conduzindo a equipe ao título do campeonato.

O veloz atacante de 1,78 m marcou 31 gols em 36 partidas, chamando a atenção do Leicester City, da segunda divisão britânica.

Na hora de fechar o contrato, surpreendeu ao exigir uma cláusula incomum: um bônus para o caso de futuramente ser convocado para a seleção inglesa.

Quem fez a revelação, à rádio BBC, foi Steve Walsh, assistente técnico do Leicester e também o caça-talentos do clube: “Era um cara tão confiante que quis incluir esse bônus no contrato”.

Era improvável… porém aconteceu. Neste ano, o treinador Rod Hodgson chamou Vardy para defender o English Team em um amistoso contra a Irlanda, em junho. Ele atuou 16 minutos nesse jogo.

Vardy em treinamento do Leicester (Site oficial do Leicester City)
Vardy em treinamento do Leicester (Site oficial do Leicester City)

Depois da ida ao Leicester, Vardy teve uma temporada irregular em 2012-2013, anotando só 4 gols em 26 partidas na Championship, como é chamada a divisão de acesso no Reino Unido.

Reencontrou seu melhor futebol na temporada seguinte: com 16 gols de Vardy, o Leicester se sagrou campeão e subiu para a elite.

A irregularidade voltou a tomar conta do artilheiro em 2014-2015, tanto que ele não conseguiu ser titular absoluto.

Amargou quase seis meses sem balançar as redes (entre setembro e março), porém na reta final da Premier League, com o Leicester ameaçado de rebaixamento, o camisa 9 fez as pazes com o gol. Marcou quatro, três deles em vitórias de sua equipe, que permaneceu na primeira divisão.

Esse desempenho agradou a Hodgson e resultou na convocação para a seleção. E dela Vardy não mais saiu, tanto que está na lista do treinador para os amistosos contra Espanha, nesta sexta (13), e França, na terça (17).

Não houve a divulgação do valor do bônus exigido por Vardy em seu contrato inicial com o Leicester, nem se sabe se ele foi mantido na renovação, feita no meio do ano passado, quando o jogador estendeu seu vínculo com os Foxes por quatro anos, até o fim da temporada de 2017-2018.

Se a cláusula de bônus permaneceu, não terá sido pelo dinheiro, mas por ideologia… Pelos atuais termos, Vardy recebe mensalmente do Leicester aproximadamente 40 mil libras, ou R$ 227 mil.

Um mais do que excelente salário.

O camisa 9 vibra ao fazer gol contra o West Brom, no último dia 31 (Site oficial do Leicester City)
Vibra ao marcar contra o West Brom, no último dia 31 (Site oficial do Leicester City)

Em tempo 1: A confiança de Vardy em defender o English Team permanece tão em alta que ele remarcou a data de seu casamento, que ocorreria durante a Eurocopa da França, em junho de 2016 – antecipou o matrimônio para antes da competição. Ele tem motivos, por ora, para acreditar que estará da Euro. Está em uma sequência de nove partidas na Premier League fazendo gol pelo Leicester. Se marcar na próxima, contra o Newcastle, no dia 21 deste mês, igualará a série de dez jogos do recordista, o holandês Rudd Van Nistelrooy, pelo Manchester United, em 2003.

Em tempo 2: O Leicester é a grande sensação da Premier League. Em 12 rodadas, tem 25 pontos (7 vitórias, 4 empates, 1 derrota) e está em terceiro lugar, atrás de Manchester City e Arsenal (ambos com 26 pontos) e à frente do Manchester United (24). Vardy, em fase magnífica, é o artilheiro do campeonato, com 12 gols, média de um por partida.

Em tempo 3: Há rumores de que o Real Madrid, cujo principal atacante, o francês Benzema, está envolvido em caso de chantagem, tem interesse em contratar Vardy na próxima janela de transferências, em janeiro.