Os caras de Dunga – Com ataque tinindo, Brasil vai a Buenos Aires como favorito

Por Luís Curro

Para os amantes do futebol, o horário das 22 horas desta quinta-feira (12) deve ser reservado.

Dia e hora de Argentina x Brasil, pelas eliminatórias da Copa da Rússia-2018.

Não pensei que eu fosse escrever isto agora, mas é a realidade: o Brasil vai a campo, no Monumental de Núñez, como favorito. Não um superfavorito, mas favorito: 55-45, talvez 60-40. E por o jogo ser em Buenos Aires essa situação é surpreendente. É inesperada. É rara.

Mas o time de Dunga é favorito por quê?

Porque Messi, quatro vezes escolhido o melhor jogador do mundo, um cara que todo mundo sabe que desequilibra, está contundido e não vai jogar? Não, o Brasil não seria favorito apenas pela ausência de Lionel.

A razão principal é esta: individualmente, os brasileiros chegam para o duelo em melhor momento, especialmente do meio de campo para a frente.

Neymar volta ao time após suspensão e está voando – virou o “dono” do Barcelona na ausência de Messi.

Está estraçalhando, deixando os zagueiros rivais sem ação (só param Neymar com faltas), dando dribles geniais e assistências, e o mais importante: fazendo gols. Em 14 partidas (contabilizando La Liga e Champions League), marcou 13 gols, além de ter dado 6 assistências. Estupendo.

Neymar festeja gol diante do Villarreal no Camp Nou (Albert Gea - 8.nov.2015/Reuters)
Neymar festeja gol diante do Villarreal no Camp Nou (Albert Gea – 8.nov.2015/Reuters)

Douglas Costa continua sendo a mais grata surpresa da temporada.

Transpira velocidade, habilidade, categoria. Pelo Bayern de Munique, em 15 jogos (somando Champions League e Bundesliga), tem 3 gols e 9 assistências. É um dínamo.

Hulk consegue estar melhor que Douglas Costa nos números.

Pelo Campeonato Russo e pela Champions League, tem ao todo 10 gols e 15 assistências em 18 partidas. Tudo bem, ele joga pelo Zenit, e o Russo tem fama de ser mais fraco que o Espanhol e o Alemão. Então tiremos o Russo, deixemos a Champions: 4 jogos, 3 gols, 4 assistências. Pode-se dizer que é o melhor jogador até agora na principal liga europeia.

Ricardo Oliveira, aos 35 anos, não para de fazer gols: no Brasileiro, em 31 partidas, marcou 20 pelo Santos e é disparado o artilheiro. Nos últimos sete jogos, por seleção brasileira, Brasileiro e Copa do Brasil, balançou as redes sete vezes, média de um gol por partida.

Willian sobrevive à má fase do Chelsea, 16º colocado no Campeonato Inglês, com muita movimentação, arrancadas, bons cruzamentos e precisão na cobrança de faltas.

Lucas Lima está espetacular na criação de jogadas no Santos, e Renato Augusto dá ao Corinthians, virtual campeão brasileiro, equilíbrio e classe.

São sete jogadores para apenas quatro vagas. Dunga vai ter de colaborar para que a equipe renda. Escalar certo.

A Argentina, mesmo capenga na frente (além de Messi, Agüero e Tevez, também lesionados, estão fora), deve manter a posse da bola a maior parte do tempo e, empurrada pela fanática torcida, pressionar.

O Brasil precisará contra-atacar. E, para isso, terá de ter ótima pegada atrás (que a defesa e os volantes estejam bem dispostos e atentos) e sair rápido ao tomar a bola, para pegar a retaguarda argentina desarrumada.

Lucas Lima é o melhor distribuidor/armador que o Brasil tem. Precisa jogar (a preferência de Dunga tem sido por Oscar, hoje em má fase), a fim de acionar Neymar pela esquerda, Douglas Costa pela direita, Ricardo Oliveira pelo meio.

Hulk e Willian ficariam como opções para o decorrer da partida, para os lugares, respectivamente, de Ricardo e de Douglas.

Renato Augusto, Oscar, Kaká? Não é o jogo ideal para nenhum deles, a não ser que o Brasil passe a dominar a posse de bola. Nenhum tem explosão ou grande velocidade (Kaká já teve, hoje não tem mais).

Se o Brasil fizer valer esse favoritismo e ganhar (até uma goleada eu considero plausível), conseguirá seu segundo triunfo em três jogos e deixará os argentinos em péssimos lençóis, com um único ponto ganho em três rodadas.

A seguir, o desempenho de cada jogador convocado por Dunga (9 dos 23 atuam no Brasil), nos últimos sete dias:

Goleiros

Cássio, Jefferson e Alisson no CT do Corinthians, onde a seleção treina (André Mourão/MoWA Press)
Cássio, Jefferson e Alisson no CT do Corinthians, onde a seleção treina (André Mourão/MoWA Press)

Alisson (Internacional) – Internacional 1 x 0 Ponte Preta (Brasileiro). Uma boa defesa em cada um dos tempos do jogo, porém “caçou borboleta” em um cruzamento no final da partida e por pouco a Ponte não empatou. Regular

Cássio (Corinthians) – Corinthians 2 x 1 Coritiba (Brasileiro). O chute de Negueba, no gol do Coritiba, era defensável. Em cruzamento de longe, fez golpe de vista e a bola foi na trave. Ruim

Jefferson (Botafogo) – Criciúma 1 x 0 Botafogo (Brasileiro – Série B). No 2º tempo, fez uma boa defesa; porém, depois, em outra intervenção rebateu chute para o meio da área, e o Cricúma marcou o gol da vitória. Regular

Defesa

Daniel Alves (Barcelona-ESP) – Barcelona 3 x 0 Bate Borisov (Champions League). O ataque do Bate foi uma nulidade, e Daniel poderia ter apoiado mais. No 1º tempo, arriscou um chute de fora da área, mas errou o alvo. Barcelona 3 x 0 Villarreal (Espanhol). Com pouco trabalho na defesa, apresentou-se com mais efetividade no ataque, tentando o gol tanto no 1º tempo como no 2º tempo, quando o goleiro Areola evitou que tivesse sucesso. Regular

Miranda (Inter de Milão-ITA) – Torino 0 x 1 Inter (Italiano). A Inter atuou com três zagueiros (Miranda sendo um deles), teoricamente para dar mais segurança à geralmente já segura defesa da Inter. No 1º tempo, a estratégia funcionou, só que no 2º tempo houve falhas no posicionamento, e o Torino teve ao menos três chances de marcar – o goleiro Handanovic evitou o gol duas vezes. Regular

David Luiz (PSG-FRA) – Real Madrid 1 x 0 PSG (Champions League). Recuperado de lesão, voltou a formar a dupla de zaga com Thiago Silva. Esteve bem, e o joelho não seu sinal de problema. Sem culpa no gol de Nacho, que substituiu o lesionado Marcelo. Recebeu um cartão amarelo no 2º tempo. PSG 5 x 0 Toulouse (Francês). Mais uma partida em que, com ele e Thiago Silva, o líder folgado do Francês não foi vazado. Mais uma vez, levou um amarelo no 2º tempo. Bom

Filipe Luís (Atlético de Madri-ESP) –Astana 0 x 0 Atlético de Madri (Champions League). Ficou na reserva – jogou Guilherme Siqueira. Atlético de Madri 1 x 0 Gijón (Espanhol). O Gijón pouco atacou por seu setor. Poderia ter ido mais ao ataque. Foi advertido com cartão amarelo após cometer falta, no 2º tempo. Regular

Filipe Luís, titular da lateral esquerda da seleção, no jogo contra o Gijón (Victor Lerena - 8.nov.2015/EFE)
Filipe Luís, titular da lateral esquerda da seleção, no jogo contra o Gijón (Victor Lerena – 8.nov.2015/EFE)

Danilo (Real Madrid-ESP) – Real Madrid 1 x 0 PSG (Champions League). Regular na marcação, fraco no apoio. Sevilla 3 x 2 Real Madrid (Espanhol). O segundo gol do Sevilla, de Banega, saiu pelo setor de Danilo, que ficou apenas observando o avanço dos rivais. No ataque, foi praticamente inoperante – diferentemente do outro lateral direito brasileiro no jogo, Mariano, que cruzou a bola na cabeça de Llorente, autou do terceiro gol do Sevilla. Ruim

Gabriel Paulista Marquinhos (Arsenal-ING) – Convocado para o lugar de Marquinhos, do PSG, cortado por lesão. Bayern de Munique 5 x 1 Arsenal (Champions League). Atuou no lugar de Koscielny, ao lado de Mertesacker – antes tivesse ficado no banco, foi um massacre. Arsenal 1 x 1 Tottenham (Inglês). Ficou na reserva. Ruim

Gil (Corinthians) – Corinthians 2 x 1 Coritiba (Brasileiro). Rebateu mal um cruzamento no 2º tempo que quase permitiu gol do Coritiba. Ademais, jogou conforme esperado. Regular

Douglas Santos (Atlético-MG) – Convocado para o lugar de Marcelo, do Real Madrid, cortado por lesão.Figueirense 0 x 1 Atlético (Brasileiro). Razoável na marcação, tímido no apoio. Recebeu cartão amarelo perto do fim do jogo depois de fazer uma falta. Regular

Meio-campo

Luiz Gustavo (Wolfsburg-ALE) – PSV Eindhoven 2 x 0 Wolfsburg (Champions League). No início da partida, tentou de cabeça, mas errou. No final, com seu time já perdendo por dois gols, arriscou de fora da área – o goleiro defendeu. Regular na marcação. Mainz 2 x 0 Wolfsburg (Alemão). A expulsão do meia-atacante Draxler logo a 13 minutos comprometeu o plano de jogo da equipe. O brasileiro tomou cartão amarelo após fazer falta ainda no 1º tempo e acabou substituído no intervalo por outro volante, Guilavogui. Regular

Elias (Corinthians) – Corinthians 2 x 1 Coritiba (Brasileiro). Presença constante no ataque, sempre com muita velocidade, quase marcou no 1º tempo em chute da entrada da área – Wilson salvou. Bom

Fernandinho (Manchester City-ING) – Sevilla 1 x 3 Manchester City (Champions League). A melhor atuação do volante na temporada. Em pouco mais de dez minutos de jogo, teve participação fundamental para deixar o City confortável na partida na Espanha. Aos 8 minutos, deu o passe para Sterling abrir o placar; aos 11 minutos, apareceu na área para pegar rebote e, de cabeça, fazer 2 a 0. Foi substituído por Demichelis aos 45 minutos do 2º tempo. Aston Villa 0 x 0 Manchester City (Inglês). Desta vez, teve atuação mediana. Ótimo

O volante Fernandinho vibra ao fazer gol contra o Sevilla na Champions (Andrew Boyers - 3.nov.2015/Reuters)
O volante Fernandinho vibra ao fazer gol contra o Sevilla na Champions (Andrew Boyers – 3.nov.2015/Reuters)

Oscar (Chelsea-ING) – Chelsea 2 x 1 Dínamo de Kiev (Champions League). Até arriscou a gol, mas o goleiro Shovkovskiy evitou duas vezes que a bola entrasse. Foi substituído por Pedro aos 34 minutos do 2º tempo. Stoke City 1 x 0 Chelsea (Inglês). Entrou no 2º tempo, aos 25 minutos, substituindo o lateral Baba. Não fez absolutamente nada. Tem tido baixo rendimento há vários jogos. Ruim

Willian (Chelsea-ING) – Chelsea 2 x 1 Dínamo de Kiev (Champions League). Em uma cobrança de falta perfeita, fez o gol da vitória aos aos 38 minutos do 2º tempo, evitando um novo tropeço dos Blues. Nos acréscimos, o zagueiro Cahill entrou em seu lugar. Stoke City 1 x 0 Chelsea (Inglês). Um dos poucos (talvez o único) que continuam se salvando na derrocada do Chelsea na Premier League, porém desta vez não marcou um gol salvador. Bom

Lucas Lima (Santos) – Joinville 0 x 0 Santos (Brasileiro). O estado do gramado, encharcado, prejudicou o futebol do hábil meia santista. Regular

Renato Augusto (Corinthians) – Corinthians 2 x 1 Coritiba (Brasileiro). Sem brilho desta vez. Regular

Kaká (Orlando City-EUA) – O time do meia-atacante não jogou pois não se classificou para os playoffs da Major League. “Não estou aqui para ficar no banco”, disse ao se apresentar à seleção para os jogos. É enorme a probabilidade de ficar. Sem avaliação

Ataque

Neymar (Barcelona-ESP) – Barcelona 3 x 0 Bate Borisov (Champions League). Excelente. Além de armar o time e fazer jogadas pelo setor esquerdo, sempre com qualidade e objetividade, marcou de pênalti o primeiro gol, deu o passe para Suárez fazer o segundo e ainda fez o terceiro, depois de assistência de Suárez. Barcelona 3 x 0 Villarreal (Espanhol). Mais uma atuação marcante do craque brasileiro. No 2º tempo, recebeu ótimo passe de Busquets na área e abriu o placar para o Barça. No final do jogo, marcou um dos mais belos gols desta temporada: lançado na área por Suárez, deu um “meio chapéu” em Jaume Costa e fuzilou o goleiro Areola. Golaço. Estupendo

Hulk (Zenit-RUS) – Lyon 0 x 2 Zenit (Champions League). Continua excepcional nas assistências. No 1º tempo, foi à linha de fundo pela ponta direita e cruzou com perfeição para Dzyuba marcar 1 a 0. No 2º tempo, arrancou pela direita e enfiou a bola milimetricamente entre os zagueiros para Dzyuba fechar o placar. Lokomotiv 2 x 0 Zenit (Russo). Não rendeu o habitual. Ganhou alguns escanteios, mas não deu assistência nem fez gol. Bom

Douglas Costa (Bayern de Munique-ALE) – Bayern de Munique 5 x 1 Arsenal (Champions League). Com o retorno de Robben à equipe, manteve-se como titular, mas na meia esquerda, só que com liberdade para se movimentar por todo o ataque. No quarto gol do Bayern, iludiu Debuchy com uma pedalada e acionou Alaba, que cruzou para Robben concluir. No quinto gol, avançou em velocidade pelo meio e deu passe para Müller vencer o goleiro Cech. Bayern de Munique 4 x 0 Stuttgart (Alemão). Mais uma vez, brilhou. No primeiro gol, iniciou o contra-ataque na defesa, trocou passe com Kimmich, avançou até a linha de fundo pela direita e cruzou para Robben marcar de barriga. No segundo gol, acertou belíssimo chute da entrada da grande área depois de Müller cruzar da direita. Deixou o jogo aos 24 minutos do 2º tempo – entrou Thiago Alcántara. Ótimo

X

Ricardo Oliveira (Santos) – Joinville 0 x 0 Santos (Brasileiro). Com o gramado em condição ruim devido à chuva em Joinville, teve uma única boa chance, no 2º tempo. Lançado por Renato, avançou livre e chutou de esquerda, sem muita força, da entrada da área – o goleiro Agenor defendeu. Regular

Em tempo: Era para a Argentina encarar o Brasil em tremenda crise técnica do meio para a frente, porém Di María reencontrou seu melhor futebol nos últimos jogos pelo PSG e Higuaín tem feito muitos gols pelo Napoli. Outro perigo é o jovem Dybala, 21 anos, da Juventus. Se o treinador Tata Martino deixar um dos três na reserva (Dybala não deve começar, mas sim o esforçado Lavezzi), crescem ainda mais as chances de a seleção canarinho triunfar.