Com time virtualmente eliminado, Kaká joga futegolfe na Flórida

Por Luís Curro

Na véspera de ter sido novamente convocado por Dunga para seleção brasileira, e quatro dias antes da partida que define o futuro do Orlando City na Major League Soccer (a principal liga de futebol nos Estados Unido), Kaká aventurou-se em outro esporte.

Em momento “relax”, o meia-atacante de 33 anos, junto com os colegas e com a comissão técnica do Orlando, praticou futegolfe, jogo que mistura futebol e golfe, no primeiro campo da modalidade na Flórida (EUA).

Em resumo, é o golfe, com a bolinha substituída pela bola de futebol e os tacos, pelos pés dos jogadores. De resto, igual: tentar acertar os buracos (são 18 ao todo) no menor número possível de tacadas – ou melhor, de chutes.

Kaká em jogada em banco de areia (Reprodução Twitter Orlando City)
Kaká em jogada em banco de areia (Reprodução Twitter Orlando City)

Kaká, porém, não foi bem. O número de chutes ideal para completar o circuito, somando todos os buracos, é 71, ou seja, média de 3,9 por buraco.

O brasileiro completou o percurso com 73 chutes, pior até que o treinador do time, o britânico Adrian Heath (72 chutes), 21 anos mais velho que Kaká.

Entre os companheiros de Kaká, quem obteve a melhor performance foi o meia americano Servando Carrasco, com a marca de 64 chutes.

Steve Crane, profissional de futegolfe que representa os EUA em competições da modalidade e participou da brincadeira, foi o campeão do dia, com 60.

“Foi uma boa oportunidade para levar o time para um outro ambiente e descontrair. Muito bom para o astral do grupo”, afirmou Heath.

Se bem que é muito provável que os jogadores possam voltar logo ao campo para uma ou mais partidas de futegolfe, caso tenham gostado da atividade.

A partir da semana que vem, devem ter tempo para isso, já que a participação da equipe na Major League, a não ser que resultados improváveis ocorram, terminará no domingo.

O Orlando não fez um grande campeonato e soma até agora, antes da rodada final da fase classificatória, 12 vitórias, 8 empates e 13 derrotas. Tem 44 pontos e está em sétimo lugar, entre dez equipes, na Conferência Leste.

Káká deixa o campo depois de derrota para o DC United (Stephen M. Dowell - 3.abr.2015/Associated Press)
Káká depois de derrota para o DC United (Stephen M. Dowell – 3.abr.2015/Associated Press)

É preciso ser pelo menos sexto colocado para avançar aos mata-matas. Quem ocupa esse posto, com 47 pontos, é o New England Revolution.

No domingo, ambos jogam às 19 horas (de Brasília), como visitantes. O Orlando contra o Philadelphia, o New England contra o New York City.

Para se classificar, a equipe de Kaká precisa ganhar e o New England perder. Se fosse “só” isso, até daria para acreditar. Mas não é.

O saldo de gols, critério de desempate, é amplamente favorável ao New England, que está com -1. O saldo do Orlando é de -9. Assim, exemplificando, para o Orlando se classificar, precisa golear por 4 a 0 e o New England ser goleado pelo mesmo mesmo placar.

Convenhamos, as férias estão bem próximas para o elenco do Orlando, que poderá curtir o futegolfe, se quiser.

Kaká, porém, deve continuar treinando forte, ao menos fisicamente, pois tem data marcada para voltar ao futebol, já que em novembro se apresentará à seleção para os treinos para as partidas pelas eliminatórias diante de Argentina (sexta-feira, dia 13) e Peru (terça-feira, dia 17).

X